Dias Campos: ‘Luta inglória’

18/06/2021 18:21

Dias Campos

Luta inglória

Muitas foram as lendas que se formaram em torno da soberana Norma Culta. No tempo das monarquias absolutistas, por exemplo, corria à boca miúda que fora ela, e não o Rei Sol, quem primeiro proclamou a famosa frase L´état c’est moi; e isso quando o enxotava do seu quarto por não lhe agradar a noite de amor.

O fato, porém, é que seu poder e influência eram tão grandes que excederam os limites da Velha Terra, cruzaram o Atlântico, e desembarcaram em terras brasileiras.

E como encontrasse solo fértil, onde “em se plantando tudo dá”, pôs-se a cultivá-lo com esmero, seduzindo os intelectuais, entusiasmando os literatos, e cativando um seletíssimo público – e viva o Parnasianismo!

Ocorre que sua ambição não tinha limites. Daí que sua vontade começou a chocar-se com a dos súditos que aqui viviam, chamados Regionalismos, posto que não aceitassem ver suas tradições profanadas.

Ora, como fosse uma déspota não esclarecida, pouco ou nenhuma importância dava às suas reivindicações. E tratou de ordenar o encarceramento dos insubmissos.

Não demorou muito, portanto, para que a insurreição eclodisse!

De primeiro, quatro foram os focos de resistência. No Sul, os orgulhosos Bah Tchê, cuja participação de sua cavalaria na quarta expedição a Canudos marcaria o início da queda do Conselheiro; no Sudeste, os insubmissos Orra Meu, que a história mostraria não ter sido vã a morte de quatro de seus estudantes (M.M.D.C.), e os come-quietos Uai, que um dia teriam o privilégio de ver no filho mais dileto de Diamantina a personificação do progresso; e no Nordeste, os sossegados Oxente, que se por um lado eram admirados pela elaboração da iguaria acarajé, por outro, seriam temidos, pois saberiam usar da peixeira quando o sangue lhes subisse à cabeça.

E se é verdade que as investidas da realeza produziam muitas vítimas, não menos exata é a afirmação de que as incursões dos insurretos acarretavam perdas consideráveis.

Só que à medida que a opressão recrudescia, e alastrava-se, outros Regionalismos começaram a interessar-se pela revolta. E ao cabo de alguns meses, todo o Brasil uniu-se em torno de uma mesma bandeira – era preciso derrubar o reinado de Norma Culta.

Depois de perder praças cruciais, e temendo por sua vida, a monarca achou prudente recuar; pelo menos até que conseguisse reagrupar suas tropas.

Em um esforço desesperado, dois de seus ministros, o barão Gongorismo e o conde Quevedismo, mandaram publicar, nos principais jornais do país, manchetes conclamando os eruditos a que defendessem Norma Culta.

Apenas Olavo Bilac respondeu ao chamado. E ofereceu às partes em contenda a Última flor do Lácio, inculta e bela, com que homenageou a língua portuguesa, considerando-a a última das filhas do latim.

Houve um verdadeiro alvoroço! menos pela sublimidade do soneto do que pela compreensão quanto aos adjetivos finais. – o que não deixava claro se o poeta tomara ou não algum partido.

Daí que Sua Majestade sentiu-se profundamente ultrajada, visto que se achava bela, sabia-se a culta.

Já os Regionalismos deliciaram-se, pois mesmo que a beleza da rainha tivesse sido enaltecida, o Príncipe dos Poetas Brasileiros atrevia-se a chamá-la de ignorante.

E como a celeuma permanecesse, alternativa não teve Olavo Bilac senão a de explicar o que pretendera.

Começou dizendo que a palavra “inculta” referia-se ao latim vulgar, ao falado pelos soldados, pelos camponeses, pelo povo em geral. Diferia, portanto, do latim clássico, o empregado pelas classes mais esclarecidas.

No entanto, fosse utilizada por estas, fosse dita por aqueles, o que importava, em verdade, era que a língua portuguesa continuava a ser bela!

E terminava perguntado quem aproveitaria uma guerra se a parte mais prejudicada seria sempre a Flor do Lácio?

Como caíssem em si, firmaram um armistício.

E desde aquela época, Regionalismos e Norma Culta convivem em harmonia, contribuindo, cada um à sua maneira, para que a nossa Flor torne-se cada dia mais viçosa.

Dias Campos

diascampos1@gmail.com

 

 

Tags: