Diamantino Lourenço Rodrigues de Bártolo: ‘Preparar o cidadão para o Novo Mundo’

11/05/2022 08:44

Diamantino Lourenço R. de Bártolo

Preparar o cidadão para o Novo Mundo

Caminha-se para a introdução de profundas mudanças na sociedade mundial. As transformações decorrentes das novas tecnologias, a globalização em várias vertentes: económica, comercial, industrial e monetária, é um dado adquirido; o avanço científico, os problemas ambientais, as tentativas para estabelecer uma nova ordem internacional que, do ponto de vista de algumas potências, pode perverter valores civilizacionais, e comprometer o próprio direito internacional, constituem realidades para as quais o novo cidadão se deve consciencializar.

Por outro lado, situações de grande conflitualidade regional, em vários pontos do globo, que afetam, direta ou indiretamente, todas as nações do Mundo, estão a dificultar os esforços desenvolvidos aos mais altos níveis: religiosos, políticos, económicos, estratégicos para o restabelecimento de uma paz mundial.

A segurança das instituições, das pessoas, dos bens, dos meios e recursos, indispensáveis ao desenvolvimento equilibrado, está igualmente comprometida. Uma presumível nova civilização parece querer emergir: dos escombros provocados por uns; ou das novas políticas pacifistas e ambientalistas defendidas por outros; sem se saber muito bem qual o desfecho de toda esta movimentação.

Num contexto tão diversificado, quanto complexo, espera-se, das novas gerações, uma atitude ativa perante as realidades que se lhes colocam. Nesse sentido, compete a todos quantos no presente, tem responsabilidades: executivas, de decisão, políticas, educacionais e religiosas, colaborar intensamente na formação dos jovens cidadãos, educando-os para uma nova civilização, sem perda dos princípios e dos valores universais, naturalmente que, dando-lhes uma interpretação ajustada às novas realidades.

Independentemente dos múltiplos agentes constituintes da sociedade, uma vez mais se destaca o papel da escola e dos respetivos intervenientes nos processos educativo e formativo das crianças, jovens e adultos, agora na perspectiva de “aprender toda a vida” ou “ao longo da vida”?

Continua-se a assistir, em alguns níveis e estabelecimentos de ensino, a uma educação para a reprodução, onde os educandos, no fim de um ciclo de estudos, nem sempre estão preparados para o mundo, quaisquer que sejam as perspectivas: económicas, financeiras, laborais, políticas, militares, estratégicas, sociais, culturais e religiosas.

O professor/formador moderno pode, (e deve) também ele, continuar a atualizar-se, a usar da sua experiência, transmitindo, aos seus alunos e formandos, factos concretos da vida real, num mundo autêntico que, inevitavelmente, vão encontrar fora dos muros da escola.

Importa defender um professor que seja cada vez menos: omnipresente, omnipotente e omnisciente; em benefício de um docente mais: coordenador, tutor, facilitador, distante da autonomia do aluno; e também cada vez mais: aprendiz, curioso, democrata, companheiro e cúmplice.

O cidadão cuja estrutura se tem vindo a tentar descrever insere-se já, neste novo mundo, e as suas necessidades de adaptação são diferentes daquelas que sentiram os seus antepassados. Cumpre dar satisfação a tais carências, fundamentalmente através da educação, até porque o papel da família, continuando a ser importante, não é suficiente, na medida em que também neste agente socializador, que ela representa, muitas tem sido as alterações.

Reconhece-se que a própria constituição da família já não obedece aos princípios, valores e formatação tradicionais, a duração do matrimónio clássico é cada vez menor, por razões que se prendem, de entre outras causas: com projetos profissionais, com um reforço das autonomias individuais, atividades diversas, e com uma partilha benéfica das tarefas domésticas, em alguns casais. O papel da família, na educação tradicional, que no seu seio era desenvolvido, perdeu muito da sua influência e eficácia.

Em última análise, resta à escola assumir-se e liderar o processo, nos diversos níveis e tipos de ensino: aprendizagem, formação e atualização, ao longo da vida das pessoas, integradas numa sociedade democrática, onde os problemas de natureza social constituem um desafio para os cidadãos em geral e, principalmente, para este novo cidadão, que se deseja  interventivo, num futuro próximo, porque não se pode perder mais tempo com um certo passado de: sofrimento, miséria, ditadura, prepotência.

Bibliografia

KILPATRICK William Heard, (1978). Educação para uma Civilização em Mudança, Tradução, Profª. Nomo S. Rudolfer., 16ª. Ed., São Paulo, Melhoramentos, Rio de Janeiro: Fundação Nacional de Material Escolar – Ministério da Educação e Cultura

https://www.facebook.com/diamantino.bartolo.1

Diamantino Lourenço Rodrigues de Bártolo

 

 

 

 

Tags: