Andreia Caires: ‘Sapos’

12/05/2022 19:27

Andreia Caires

Sapos

Eu já tinha passado por problemas de saúde e alguns relacionamentos fracassados.

Então, pensava: ‘Azarada era eu…’. Minha mãe sempre detestou que pronunciássemos palavras negativas como essa de ‘azar’ ou ‘azarada’. ‘Palavras têm poder!’– ela dizia.

Mas o que dizer de uma pessoa que já acordava levando titica de passarinho na cabeça? Que arrebentava a correia da sandália e tinha que terminar de chegar em casa descalça? Alguém que começava um curso e não terminava? Daqui a pouco eu faria 30 nos e, não sabia o que faria da minha vida. Escrever um livro? Nem pensar! Eu havia enterrado aquele sonho e nem ousava abrir as gavetas pra reler meus textos. Tudo porcaria! Ninguém iria querer ler as drogas que eu escrevo!

O que eu queria mesmo era me casar; mas com quem? Já havia deixado de acreditar em contos de fada há muito anos.

Teve sim, a época dourada de criança quando eu fantasiava. Qual a menina que não fazia isso? Pensar na existência de um príncipe encantado em seu lindo cavalo branco de crinas brilhantes e esvoaçantes ao vento. Não se sabia quem era o mais lindo, se o príncipe ou o cavalo.

Bah! Eu sempre estive em perigo e nenhum príncipe apareceu para me salvar não!

Nessa idade, é que eu não iria sustentar uma ideia dessas. “Quem sabe a vida é não sonhar”, como bem cantou Cássia Eller, sobre os príncipes. “Quem sabe o príncipe virou um chato, e um sapo!”.

O pior é que nem bem os príncipe chegam e já nos fazem sofrer. Meros sapos! E sapos são sapos, nasceram sapos e vão morrer sapos na lagoa suja!

Realmente eu não havia nascido para o casamento! A Terra estava infestada de sapos e logo eu estaria velha demais para ousar sonhar com vestido de princesa.

Depois de me martirizar naqueles devaneios, desequilibrei do balanço e caí com a bunda no chão.

Bora trabalhar? Sair dessa ociosidade?

O bom é que o tempo passa e faz-nos enxergar que nunca sabemos ao certo o que nos acontecerá amanhã.  Que a nossa vida cíclica muda constantemente. Mas ‘as pérolas’ da mamãe continuam valendo, principalmente àquela do ‘não cospe pra cima que cai na cara.’.

A minha vida hoje, casada, está longe de ser um conto de fadas, mas os momentos de alegria, companheirismo e cumplicidade valem mais do que meros desenhos da Disney. A prova é que sinto que plantei e cultivei as melhores sementes. Sementes que outrora eu achava que jamais dariam frutos.

 

Andreia Caires

andreiacairesrodrigues@gmail.com

 

Texto extraído do livro ‘O diário da borboleta azul ‘,  de Andreia Caires.

 

 

 

Tags: