Tereza Du’Zai: ‘Sangria’

14/02/2018 22:37

Como o mendigo comemora a esmola que amordaça,/ Resignamo-nos à crueldade dos que estão no comando/ E seguimos condolentes por caminhos lodosos,/ Crentes de que a humildade e a persistência nos salvarão,/ Se não da vida, talvez na morte.”

 

SANGRIA

Como o mendigo comemora a esmola que amordaça,

Resignamo-nos à crueldade dos que estão no comando

E seguimos condolentes por caminhos lodosos,

Crentes de que a humildade e a persistência nos salvarão,

Se não da vida, talvez na morte.

A religião e a ação do invisível nos evocam,

E nos aniquilam com suas carícias perversas.

A ciência nos felicita e nos subjuga com suas descobertas.

Gutenberg, Niépce, Dagarre, Friese-Greene, Marconi…

Tudo o que lemos, ouvimos, reproduzimos,

O movimento infernal das ancas universais,

A dança avassaladora da grande fera ululante;

A miséria, a promiscuidade, a guerra santa.

O Livro dos Espíritas, a Bíblia, a Torá, o Alcorão – substratos da ilusão humana.

Punhaladas políticas, venenos morais.

Bocejamos entre lobos e víboras

E nos alimentamos do vômito cultural de nossos ancestrais,

Somos todos hipócritas, somos todos irmãos.

 

Tereza Du’Zai – terezaduzai@gmail.com

Tags: