Sônyah Moreira: ‘Um dia voltaremos?’

26/07/2018 17:52

Quem dera pudéssemos apreciar nossas vidas passadas, corrigir as falhas, desviar dos obstáculos, ou, pelo menos,  saber qual decisão seria melhor.”

 

Será que um dia voltaremos ao nosso lugar de origem?  E onde será esse tão sonhado e esperado lugar?

Qual será a nossa verdadeira origem? Será que poderemos nos lembrar de tantas vidas vividas e perdidas?

Levaremos conosco o verdadeiro amor? Sentiremos saudades?

Quantas perguntas! Tão poucas respostas!

As lembranças guardadas, as experiências vividas, os amores correspondidos, para tudo haverá uma explicação!

À distância de uma vida apenas; o véu do esquecimento, aquele que nos aprisiona nos erros constantes e repetitivos.

Sempre aquele vazio, sem explicação, uma saudade sem motivo aparente, o que será? Poderemos algum dia descobrir os  motivos para tantas tristezas?

Os sonhos indecifráveis, línguas desconhecidas, lembranças confusas, tudo sob o véu do esquecimento, não estamos preparados para entender ainda.

Quem dera pudéssemos apreciar nossas vidas passadas, corrigir as falhas, desviar dos obstáculos, ou, pelo menos,  saber qual decisão seria melhor.

Não há como descobrir nesta dimensão, os deveres abandonados e retomados por força das negligências passadas. Que maldição é essa, diante da qual os seres  humanos são submetidos?

Qual será o ônus dos caminhos tortuosos, dos amores perdidos, dos sonhos esquecidos? Talvez a dor sentida da solidão abstrata, da solidão na multidão!

Quais  serão os caminhos que nos levam aos sonhos da infância?Ah! Quanta saudade!

Que tolice! Que grande besteira! Passar uma vida inteira, pensando que tudo poderia ser  como em um conto de fadas! Quanto tempo perdido!

Os sonhos sonhados ficam apenas no coração, vivê-los, sempre será  sozinho, nada fará com  que pensem e sonhem como você.

Lá, em algum lugar do passado, poderemos, quem sabe, encontrar as verdadeiras explicações.

Nada há de ser perdido, acreditemos que tudo será aproveitado, quem sabe?

Um dia voltaremos, um dia recomeçaremos um novo amanhecer, uma nova roupagem, uma nova personalidade, quem sabe?

Sempre haverá um recomeço, talvez, consigamos as devidas correções. Talvez, mais amadurecidos, menos doloridos e  menos sensíveis, quem sabe?

Lá, em algum lugar do passado, poderão existir as respostas, com as escolhas certas.

Aqui, deste lado do véu, nada faz sentido, apenas o viver por viver, um dia após o outro, automaticamente.

Lá, em algum lugar do passado, um dia voltaremos!

Quelque part dans le passé, les rêves ont rêvé, les erreurs ont été corrigées, les amours perdues! (Em algum lugar do passado, os sonhos sonhados, os erros corrigidos, os amores perdidos!)

 

Sônyah Moreira – sonyah.moreira@gmail.com

Tags: