Sônyah Moreira: ‘Coxinhas?’

18/08/2017 12:53

Sônyah Moreira: ‘COXINHAS?’

 

Caro leitor, sou daquele  tempo que os orelhões eram limpos e higienizados pela companhia telefônica. Vai longe esse tempo! Hoje, os coitados estão esquecidos e  abandonados a própria sorte, limpeza, essa somente com a chuva.

O que eu  quero dizer com essa lembrança de orelhões, é que, a maturidade traz juntamente com o reumatismo, um pouco de sabedoria.

Nestes tempos de instabilidade política e econômica  em nosso país, surgem muitos palavreados estranhos, digamos, que beirando  a vulgaridade!

Outro dia, comentando com alguém, sobre  a realização de  um sonho acalentado durante anos, quase por uma vida inteira, ouvi a seguinte exclamação, você é coxinha!

Coxinha?Como assim? A pessoa explicou-me que os chamados, “coxinhas”, seriam pessoas de altas posses, ricos,  digamos, os que já estão com a vida ganha!Com o burro na sombra!

Ora, Veja isso, a princípio fiquei irritada com tal acusação! Eu, rica! Onde? Mas, depois de muito pensar  na famigerada frase, resolvi analisar friamente os pontos.

O que vem a ser coxinha? Bom! No contexto de organização, sim! Coxinha é incrivelmente organizada, o recheio fica perfeitamente no centro, suas formas delineadas. Até aqui, posso me considerar uma coxinha!

Eu, naturalmente gosto das coisas organizadas, tudo em seu devido lugar. É, percebo semelhanças. Deixando as brincadeiras de lado, o apelido é pra lá de insulto, para quem levanta muito cedo, e sai para a labuta diária, ou seja, para 99,9% da população.

Os acostumados  á passeatas em dias úteis, apelidaram pessoas comuns de coxinhas. Sim, aquela pessoa que jamais falta ao trabalho pra participar de manifestações contra o  governo.

Fala sério! Do jeito que está nossa política, o brasileiro correto, não tem lado para escolher.

A esquerda, ou como alguns  já apelidaram de mortadelas, está uma verdadeira balburdia. A dita  direita  está ocupada unicamente em salvar suas peles. O que falar dos que se autodenominam   moderados, ou centrão?Vai e vem ao sabor do vento, ou melhor, ao sabor dos valores, dos cargos, dos privilégios palacianos,etc.

Hoje, o que  precisamos é nos unir. O  povo unido, sem  politiqueiros, sem salvadores da pátria, sem essa gentalha que se transformou nosso congresso.

A união de toda  nação. Somente assim, poderá haver  mudanças do que está aí, precisamos ir para as ruas, juntos, aliados, do mesmo lado, ou seja, o nosso lado!

Ser coxinha ou mortadela, nesse barco a deriva, tanto faz! Nosso  país é tão grande quanto  o Titanic,   aquele que foi considerado imune a um naufrágio (1912). Atenção! Estamos indo ao fundo, e rápido! Salvem-se quem puder!

O que mais me espanta, é justamente isso! Ao invés de lutar e brigar com quem nos colocou nessa sinuca de bico.Ao invés disso,  se digladiam entre si. O que esses grupos não perceberam ainda,  é que, para  os que se encontram no poder, essa divisão do país, é ótimo.

Do General chinês Sun Tzu (Sec. V a.c), ao pensador Maquiavel (1469-1527) “Dividir para governar”

Só mais uma lembrança do passado. Para quem, por ventura,  achar desnecessário ir às ruas,  para reivindicar seus direitos.  Que tal  relembrar da Revolução Francesa (1789)?

O estopim da referida  Revolução foi o preço do pão! O francês é  claro!

Aqui!  Será que não temos  estopins suficientes?

 

Sônyah Moreira –   sonyah.moreira@gmail.com

Tags: