Sônyah Moreira: ‘Amnésia’

18/11/2019 20:29

Sônyah Moreira

Amnésia

“Não podemos aguardar que os tempos se modifiquem e nós nos modifiquemos junto,

por uma revolução que chegue  e nos leve em sua marcha. Nós mesmos somos o futuro.

Nós somos a revolução!” Beatrice Bruteau (1930-2014)

 

Oh! Quem sou eu?

Um transeunte a procura da vida?

Um cego a beira do abismo?

Oh! Quem sou eu?

Contam-me,  que obtive  inúmeras vitorias em guerras sangrentas para que eu pudesse  chegar até aqui;

Oh! Quem sou eu?

Perdi minha identidade, Oh! My good!

Vivo a margem de tudo e de todos;

Parece-me que retornei ao passado,   são   tempos sombrios e ditatoriais!

Oh! Quem sou eu?

Não me reconheço, estou adormecido  e sem forças para acordar!

Sou  um gigante,  com imensos mantos verdes e azuis  para cobrir meu corpo;

Oh! Quem sou eu?

Esta amnésia que  levou minhas glorias tenho a impressão que é  coletiva, todos em  minha volta estão abobalhados.

Oh! Quem sou eu?

Digam-me, imploro alguém  pela busca de minha origem;

Dizem que passei por diversos traumas, com saídas e entradas em situações, que  por vezes  foram demasiadamente  vexatórias.

Oh! Quem sou eu?

Um gigante adormecido, combalido e gemendo com  a dor de seus filhos em  uma amnésia coletiva;

Eles esqueceram seu poder, de seu  gigantismo para  buscar  sua identidade, e lutar por seus ideais;

Oh! Quem sou eu?

Sou uma nação,   imensa como um continente,   sofrendo o descaso de seus filhos amordaçados e aculturados;

Oh! Quem sou eu?

Acorde! Oh! Adormecido Brasil dessa amnésia e aculturamento coletivo  que está nos levando a cometer os mesmos erros de outrora..

“Vem vamos embora, quem sabe faz a hora e não espera acontecer” (Geraldo Vandré)

 

 Sônyah Moreira

sonyah.moreira@gmail.com

Tags: