Sônyah Moreira: ‘A incessante busca’

22/02/2019 11:38

Ateus, gnósticos ou crentes, nada nos impede de trilhar o caminho da podridão cadavérica, e nada fará mudar nossa insignificante trajetória carnal. A não ser que busquemos o caminho de volta ao divino.”

Percebemos a nossa pequeneza intelectual que beira um abismo.

A incessante busca pelo entendimento dos mistérios que permeiam nosso imaginário e a procura pelo templo divino.

Em um passeio por uma grande necrópole, percebi o sentido literal do velho ditado que diz: “Por fora bela viola, e por dentro pão bolorento”. Belos túmulos, adornados por granitos e mármores, escondem o fétido odor da morte.

Ateus, gnósticos ou crentes, nada nos impede de trilhar o caminho da podridão cadavérica, e nada fará mudar nossa insignificante trajetória carnal. A não ser que busquemos o caminho de volta ao divino.

Santo Tomás de Aquino descreve a alma como sendo proveniente do divino, e como tal, necessita retornar à origem; sendo assim, ela dispõe de virtudes que o corpo carnal desconhece.

No interior de todos nós existe a fagulha divina, todavia, o eclipse religioso e místico levou teoricamente à dissolução da alma como sendo algo supremo.

Quem sabe a incessante busca pelo divino perdido em nossas idas e vindas, nos leve de volta ao átrio celestial.

A fé faz de homens comuns seres celestiais; o poder da criação e da destruição está inato em nosso interior.

Sejamos um par de asas angelicais empreendendo a derradeira caminhada rumo ao infinito!

 

Sônyah Moreira – sonyah.moreira@gmail.com

 

 

Tags: