Rafael Mendes: ‘Terapias energéticas e espirituais’

20/11/2021 13:08

Rafael Mendes

Terapias energéticas e espirituais

Terapias energéticas e espirituais vêm a ser para muitos uma verdadeira esperança de recuperação da saúde. Sobre elas, as opiniões se dividem. De um lado, estão os céticos e materialistas, que acham que tudo o que se refere ao poder da mente e à sua ação sobre o organismo cheira a charlatanismo; de outro lado, estão os que as concebem como um tratamento sério, que pode ser um poderoso coadjuvante do tradicional tratamento médico.

Diante de opiniões tão desiguais, cabe indagar: até que ponto pode-se afirmar o valor intrínseco da força do pensamento ou da manipulação energética na cura das patologias físicas e mentais?

Não obstante a questão ser deveras complexa e envolver numerosos desdobramentos, que podem ser analisados de múltiplas perspectivas, há fatos que se impõem por si mesmos a qualquer observador imparcial e honesto. Registram-se, em todas as épocas e em todos os lugares, curas inexplicáveis por cientistas e médicos. Reconhece-se também a atuação direta e espontânea da natureza na cura de doenças, designada outrora pelos latinos de “vis naturae medicatrix” ou “a força curativa da natureza”.

Somos da opinião de que o psiquismo age sobre o organismo. No que concerne às doenças, pelo que temos pesquisado e lido em autores de renome, a ação do psiquismo, no mais das vezes, faz cessarem os sintomas, e não diretamente a causa ou as causas da doença.

Estamos convictos, todavia, de que, para atenuar a influência do sofrimento causado pela doença, pela preocupação, pela angústia resultante de nossa impotência em sanar determinados problemas, é preciso consolidar a ideia racional e altamente persuasiva de que tudo passa neste mundo, de que os males podem assumir uma dimensão maior ou menor do que realmente possuem de acordo com a ênfase que nossa mente lhes atribui. Penso que tão sensível é nosso organismo, tão exposto a influências que lhe são contrárias, que se não tivesse a nossa mente o poder de agir positivamente sobre o nosso corpo, viveríamos sempre doentes. Por essa razão, considero importante mentalizar situações saudáveis para a nossa vida e pensar sempre positivamente no que concerne ao bom funcionamento do nosso organismo, respeitando os diagnóstico médicos, mas sem jamais nos deixar impressionar por eles. Em matéria de vida, quem tem a última palavra não são os médicos.

Com efeito, as questões psicossomáticas são estudadas cada vez mais intensamente pela medicina. Acredito que a medicina tradicional, quando se abre ao influxo do conhecimento transcendente, amplia suas possibilidades de solucionar problemas.

Voltar as costas para o poder da mente e não refletir sobre as experiências positivas de quem superou problemas graves utilizando-se de meios alternativos de tratamento é uma postura verdadeiramente lamentável.

Rafael Mendes

08/VIII/2021

 

 

 

 

 

 

 

Tags: