Prefeitura de Itapetininga contrata mais médicos com autorização da Câmara

27/05/2015 23:06

Câmara de Itapetininga aprova projeto para contratar médicos temporários

Servidores começarão a trabalhar em junho, diz prefeitura
Projeto vale por 12 meses prorrogáveis por mais um ano.

Do G1 Itapetininga e Região

A Câmara de Itapetininga (SP) aprovou na segunda-feira (25) o projeto de lei da Prefeitura para a contratação de 32 médicos em caráter temporário. A previsão do Executivo é que em junho os novos especialistas comecem a atender nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs).

O diretor de Comunicação do Executivo, Rogélio Barchetti, afirma que o projeto de lei foi aprovado em maio, quase dois meses após o fim do contrato de servidores que atendiam nas UBSs, devido ao processo burocrático. “Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCE-SP), Ministério Público (MP), Câmara usamos tudo para fazer na legalidade. Foi esse o trâmite para evitar processos. Contratar e depois despedir porque a Justiça manda? Desse jeito, não”, afirma.

O contrato temporário valerá por 12 meses prorrogáveis por mais um ano, diz Barchetti. “Os médicos vão atender em todas unidades. A Câmara ajudou e aprovou em urgência ontem (segunda-feira) e o prefeito publicará em semanário oficial amanhã (quarta-feira, 27). Os médicos começarão em 30 dias a partir de então”, conclui.

Entenda o problema
O antigo contrato emergencial de médicos em Itapetininga foi encerrado dia 31 de março.Desde então moradores reclamam de falta de especialistas em UBSs na zona urbana e rural. Uma das primeiras consequências da falta de médicos foi o maior fluxo de pessoas no único pronto-socorro da cidade, o que prejudicou o atendimento no local. O G1 mostrou o fato em 22 de abril.

Quase um mês depois do fim dos contratos, em 28 de abril, moradores do Bairro Chapadinha fizeram um protesto contra a falta de atendimento no posto de saúde do bairro. A movimentação foi pacífica e contou com a participação de aproximadamente 70 pessoas e foi acompanhada pela TV TEM.

Um dia depois, em 29 de abril, um recado informando a população a buscar atendimento com o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) chamou atenção de um morador do Distrito do Rechã. Na ocasião, a Prefeitura informou que a colocação da placa não foi autorizada.

Em 4 de maio, a Prefeitura de Itapetininga informou que começaria a realizar um rodízio de médicos nas UBSs da cidade. Um mês após o fim do contrato emergencial, o Executivo afirmou que os 62 profissionais que ainda atuam no município iriam se revezar até que novos assumissem os cargos.

E em 14 de maio, a TV TEM e o G1 mostraram o problema de deficientes físicos do município que, com falta de receita médica, ficaram sem poder renovar o atestado de limitação física que permite a eles o direito ao transporte público gratuito. Sem o atestado, os moradores precisam pagar pela condução.

Pronto-socorro recebe pacientes que não são atendidos em UBSs (Foto: Cláudio Nascimento/ TV TEM)Pronto-socorro recebe pacientes que não são atendidos em UBSs (Foto: Cláudio Nascimento/ TV TEM)
Tags: