Pietro Costa: ‘Poetas Além do Tempo’

30/11/2020 17:10

Pietro Costa

Poetas Além do Tempo

Um trabalho de induvidoso primor, sob a organização dinâmica e minuciosa de Charlan Fialho, em parceria com o selo da Editora Versejar.

Parabéns aos 92 autores e autoras de diversas regiões do país, pelos cordéis, sonetos e versos livres de desconcertante e profunda beleza, que reverberam as vozes do amor, da resiliência, da esperança e da coragem, que precisam ser libertadas do silêncio pusilânime, do cativeiro do medo, da culpa afligente, para que sua mensagem possa adentrar ao pórtico de nossos corações e lá permanecer, eternamente.

Felicito, igualmente, a valorosa equipe da Editora Versejar, bem como a todos que colaboraram para o sucesso desse esplêndido projeto.

Quero frisar, também, a grande honra que sinto, por ter prefaciado, a convite do nobre Organizador, o Volume I da obra em epígrafe, além de ter nele publicado os poemas “No Mundo da Lua”, “Par” e “Tim-Tim”; e no Volume 2, os poemas “Salto Quântico” e “Sim, por favor”.

O Volume II foi prefaciado por Charlan Fialho.

Estes são os linques para aquisição da obra, cuja leitura recomendo a todos que cultivam a grandeza da arte poética:

Poetas Além do Tempo – Volume 1

Poetas Além do Tempo – Volume 2

Por fim, deixo consignado o meu mais genuíno agradecimento, por meio das palavras constantes do prefácio do Volume I:

POETAS ALÉM DO TEMPO – PREFÁCIO

(…) O poeta é semelhante ao príncipe da altura
Que busca a tempestade e ri da flecha no ar;
Exilado no chão, em meio à corja impura,
As asas de gigante impedem-no de andar.

O Albatroz, de Charles Baudelaire

Da obra As Flores do Mal (1857)

A vida do poeta não pertence a uma temporalidade, tampouco se finda em uma lápide, mas é esculpida, sentida e transformada na carne e no coração de seus versos e obras, os seus restos imortais, a mover, inspirar e encantar sucessivas gerações.

Pode ocorrer de um poeta não ser plenamente compreendido em sua época, pela profundidade ou sutileza de sua mensagem, todavia, a sua poesia se destina à eternidade, porquanto pincelada nos matizes vários de telas operosas e delirantes para reanimar a vida em novos dégradés, e também modelada por mãos nuas e inquietantes, para desnudar a fina película da realidade, em suas belezas e contradições.

O poeta ultrapassa os confins do tempo porque faz de suas palavras, asas, como um albatroz destemido, que utiliza as correntes de inspiração em seu proveito, para o plainar altivo em direção a horizontes inesperados, longínquos. Nas ilhas mais desabitadas é que constrói o seu ninho.

Não são contidos pelas grades da linguagem, dos usos sociais e da fé cega na crença de dogmas infundados.

Gritam polifonicamente, em suas vozes várias, líricas, irônicas, melancólicas e saudosistas, a favor do amor e da liberdade.

Pedalam ao encontro do inusitado e do cotidiano, do sol oculto e do escândalo. Buscam divisar os limites entre o orgulho e a vaidade. Perscrutam o encanto e o desencanto de cada instante. Sondam os legados e tragédias de cada povo ou tradição. Caminham entre a barbárie e a civilidade.

Fundem-se à natureza para defendê-la contra as ofensas da ganância insensata e da desumana torpeza.

Disparam libelos de igualdade para debelar todas as formas possíveis e inimagináveis de apartheid.

Reinventam dicionários e cavam sentidos.

Ouvem os ecos sepultados dos signos.

Enfrentam os meandros obscuros de caracteres e do processo criativo, onde moram os Minotauros, na procura dos versos perdidos.

Anseiam por uma experiência humana reencontrada com os silêncios, medos e sentimentos deserdados nos subsolos da alma, além das fronteiras do que está posto ou institucionalmente permitido.

Todos somos poetas em potencial, uma vez que equipados com a força emancipadora da criatividade e da imaginação brincante, que se diverte com a musicalidade das metáforas, metonímias e ambivalências da linguagem, a entoar a dança entre os corpos da palavra e os estados de espírito, emoções e ideias que revestem o nosso eu lírico.

É nesse ballet de forças humanas e sobrenaturais, que poetas revezam as realidades e os passos a mais, atraindo luzes ao palco da vida, para além dos simulacros sem vida vislumbrados pelas nossas tolas e passivas pupilas.

Nos versos livres e sua geografia imprevista, ou nas coordenadas precisas dos sonetos presentes nesse compêndio, podemos aeronavegar pelas nossas retinas, revivendo ou subvertendo situações e momentos. Afinal, a literatura, já dizia Rilke, é a revelação do ser humano para si mesmo. Ouso acrescentar que ela tem o condão de ressignificar a simplicidade e absurdidade da existência. De transcender a realidade imediata.

A poiesis nos resgata e nos excede, quando apalpa no corpo da palavra o sonho dantes confinado na pele. Quando faz acordar o devaneio outrora letárgico na alma.

Na gloriosa arte poética, as telas, cenas, obras e paisagens monótonas são restauradas pelas tintas vívidas de paixões, sabores, saberes, culturas e vivências, e tudo ganha densidade no contorno e no relevo, tudo é salvo da opacidade e do esquecimento.

É no versejar engenhoso e sensível de poetas além do tempo, como os dessa belíssima coletânea, que a musa desfila a sua autonomia e glória. No solitário instante vertical em que revira a areia da ampulheta, torna toda medição obsoleta e banal, desvencilhando-se da sedução (ou maldição) das horas.

Gratidão!!!

Pietro Costa

http://pietrolemoscosta.blogspot.com
https://www.youtube.com/c/PietroCostaAcadCruzeirenseLetras
https://www.instagram.com/pietro03344/
pietro_costa22@hotmail.com

 

Tags: