Paulo Siuves: ‘Carnaval do Zé Ninguém’

04/03/2022 20:18

Paulo Siuves

Carnaval do Zé Ninguém

O carnaval, para mim, parece mágico.

Lá estão homens e mulheres pernósticos,

Divertem-se ao som das marchas célebres;

Das composições com caráter lúgubre,

Às músicas cantadas por vozes lânguidas.

Nas ruas onde janelas assistem bêbedas,

Homens são mulheres, e mulheres? Tão párvulas…

O carnaval, assim, parece trágico.

E homens e mulheres divertem-se lépidos…

 

Lá vai o Zé Ninguém cheio de ânimo,

Depois de um dia passado insípido,

Maquiado e vestido de maneira insólita,

Perseguindo curvas nas curvas íngremes

Dos bairros animados pelas recentes bátegas

E os rios descem vândalos,

Mas a festa desce incólume.

Não vamos apenas chorar as catástrofes.

 

Vamos rir o nosso estado efêmero,

Balançando bandeirolas, Brasil brasileiro!

Préstitos corações em festas de rua.

Íntimos são os artesãos da alegria.

Acróbatas, colombinas, pierrots e arlequins.

Artífices poetas dirão:

‘Abram alas para mim, um bufão,

Um triste e apaixonado folião.’;

Ânimo! Tudo é festa no salão,

E o ano já vai começar…

 

Paulo Siuves

paulosiuves@yahoo.com.br

 

 

Tags: