Patrícia Alvarenga: ‘A noite da melancolia’

23/11/2021 19:25

Patrícia Alvarenga

A noite da melancolia

E nova e sorrateiramente se aproximava aquela temida noite… Não por trazer mau agouro, mas por provocar sentimentos de melancolia, uma certa tristeza, uma angústia…. Ela vinha todas as semanas, quase pontualmente. Sua assiduidade era espantosa, salvo quando o destino presenteava os pobres mortais com a sorte de deixar um feriado “cair” na segunda-feira. Sim, prezado leitor, você acertou! Falo da noite de domingo….

Creio que só aqueles que estão de férias (seja no trabalho ou na escola/faculdade) ou mesmo os bebês não sintam essa melancolia. Bem, talvez quem tenha um bem-querer que só veja às segundas-feiras sofra de outro sentimento: aquela ansiedade gostosa, aquela em que se fala sobre sentir “borboletas na barriga” (mal lembro disso…). O restante da população deve, como eu, sofrer dessa melancolia. Ah!… Deve!

Há alguns anos, deixei de assistir um famoso programa de variedades, que passava na mais importante emissora de televisão, acreditando que, com essa atitude, eu afastaria a melancolia que estava diretamente conectada à sua música de abertura. Troquei de programa, não adiantou. Passei a ver filmes. Também não funcionou. Livros, jogos, gastronomia, corridas, conversas…. Infelizmente nada me “curou” desse mal-estar. Devo ser muito sensível mesmo. Sabe o leitor como é… escritora, poeta…. Só não me digam que se trata de frescura! Aí eu não o desculpo!

Iniciar uma nova semana de muito trabalho, compromissos diversos, intermináveis consultas e exames médicos (este tema vale uma crônica por si só), atividades físicas, compras de mercado, de hortifruti… E ainda tentar encontrar tempo e inspiração para minha paixão: a literatura! Vai o leitor me dizer que isso não dá ansiedade?

Também a noite de domingo marca o término do final de semana, momento de descanso, de passeio, de tempo livre, de literatura, de família… Ah!… Dá uma certa tristeza, não? Afinal, dois dias apenas nunca serão o suficiente para fazermos tudo que deixamos para o desejado final de semana.

Admiro os raros humanos que não se sentem taciturnos com as noites de domingo… Devem ser de uma positividade, de um entusiasmo, de um otimismo… Ah… também não acredito isso ser muito normal, não…

Enfim, é por essas e outras que a segunda-feira deveria fazer parte do final de semana e não ser dia útil! Ah… aí o leitor pensará que eu, então, escreveria uma crônica sobre a noite de melancolia da segunda-feira? Exatamente! Rsrsrsr. O problema é a última noite do final de semana. Então, que não haja dia útil! Vivamos de luz, esperança e noites de sábado!

 

Patrícia Alvarenga

patydany@hotmail.com

Tags: