O retorno do colunista Lafam: ‘A única revolução possível!!!’

12/05/2018 17:59

LAFAM RETORNA AO NOSSO JORNAL COM FORÇA TOTAL

(Luiz Alexandre Faccin de Arruda Miranda, mais conhecido como Lafam, é um idealista. Mora ‘no mundo’ e não para nunca de defender seus pontos de vista, muitas vezes divergentes da maioria, mas certamente também com seu seguidores fieis. Sua atividade profissional é Terapeuta Espiritual. Nascido em São Paulo, capital, já andou ‘por esse mundo afora’ e se deu bem especialmente bem Teresópolis/RJ e Florianópolis/SC. Durante anos escreveu para o ROL até 2012. E agora volta com força total. Para continuar contribuindo com a diversidade de opiniões que caracteriza o nosso jornal e a alta qualidade cultural dos nossos colunistas. Seja bem vindo, Lafam! Abaixo sua contribuição (Helio Rubens, editor)

 

A ÚNICA REVOLUÇÃO POSSÍVEL!!!

A palavra “revolução” é empregada, de uma forma geral, para designar um fato, fenômeno ou comportamento que seja diferente, inovador e que contraste ou desafie normas, padrões e protocolos até então aceitos e vigentes. Assim, por exemplo, indivíduos e situações revolucionárias são aqueles nada ou pouco usuais, introdutores de um conceito, metodologia ou produto novo, num dado contexto. Artistas podem revolucionar a Arte com a qual trabalham, quanto às técnicas empregadas, conteúdo semântico e, na pior e mais comum das hipóteses, afetando a própria sociedade, com o seu jeito habitual, desvairado e egocêntrico de ser, fazer e viver.

O mesmo, mutatis mutandis, é aplicável a qualquer outra área de atividade humana, como as Ciências, a Tecnologia, a Indústria, etc. Já em termos de Física, embora ao leigo pareça se tratar de um campo de Conhecimento e Pesquisas mais simples e elementar, além das fronteiras ficcionais e entediantes da Física Teórica e Quântica, ou seja, no tangente à Mecânica maravilhosamente newtoniana, vigora plenamente o mistério, a beleza e o fascínio dos acontecimentos e das Leis do Mundo Material, sempre tão mágicos, surpreendentes e inebriantes quanto aqueles do Mundo Espiritual. A Verdade é uma só.

O quê para muita gente comum se apresenta como um fenômeno banal e trivial, na Verdade é miraculoso, como o comportamento da Água, o único líquido que se expande ao ser congelado, sem falar no enigmático processo de evaporação, conforme aludido nas antigas Monografias da sublime e exuberante A. M. O. R. C. (Antiga e Mística Ordem Rosa Cruz).

Vejamos qual o significado que a excelente Wikipédia nos oferece desse, por vezes, contundente e impactante termo, revolução, que por se referir a uma manifestação supostamente presente no funcionamento e movimento de todos os sistemas de Corpos Celestes, podemos adotar tranqüilamente como universal:

“Revolução é uma palavra com origem no latim revolutione, que significa ato ou efeito de revolver ou revolucionar… No âmbito da Física, uma revolução remete para o movimento circular em torno de um eixo fixo, sendo que o objeto em questão volta ou passa pela sua posição inicial.” (grifos nossos)

Exatamente. Revolução tem essencialmente este significado de fato e, metafórica ou politicamente, não é diferente. Uma estrutura física ou química que receba mais calor, energia, trabalho ou força, a velocidade do seu ritmo molecular é aumentada cada vez mais, a rapidez dos átomos alcança patamares inebriantes e, então… TUDO se desorganiza, colapsa e possivelmente explode, retornando, em seguida, a uma condição inofensiva de repouso e, quiçá, recomeço. Como frisamos sempre: numa revolução política e social, depois de se atingir o máximo oposto de Realidade, TUDO volta a ficar exatamente como sempre, só que muito pior.

De qualquer modo, tal processo ou condição contém em sua natureza mais íntima, um nível aflitivo de aprisionamento e fatalidade. Como o pobre Sísifo, reputado como o mais esperto dos mortais, que na Terra dos Mortos é condenado a empurrar uma enorme Pedra, Montanha acima, onde aquela deveria ser depositada, mas toda a vez que o objetivo parece alcançado, o imenso e arredondado bloco mineral despenca e rola de volta para baixo… Esse trabalho inútil e vão prosseguirá Eternidade afora.

Entre muitos significados, podemos interpretar a estória também como as Ilusões do Sr. Mara atuando através dos sentidos, apetites e apegos, pois cada vez que supomos ter alcançado a tal Felicidade, pela realização de um desejo, seja como satisfação de uma necessidade essencial ou um mero desfrute sensorial a Vida, sarcástica como no memorável, imortal e maravilhoso Romance machadiano, MEMÓRIAS PÓSTUMAS DE BRÁS CUBAS (1880), gargalha escandalosa e ironicamente da gente… NADA se apresenta ou acontece como prometera, acaba logo ou reserva dissabores e desapontamentos inerentes. E, então, começamos TUDO DE NOVO, perenemente, repetindo idênticos erros, dores, artimanhas e Ilusões. Desse modo será difícil, se não impossível, obter resultados diferentes.

Afinal, com referenciais, valores, metodologias, metas e princípios alimentados e sustentados por equívocos, mentiras e erros, nunca se poderá alcançar qualquer estado psicológico próximo à Felicidade. Esta, realmente, é uma condição imanente a todo Ser vivo, particularmente o humano, e que não depende essencialmente de NADA para existir, porém, é preciso muito empenho, dedicação e aprimoramento para que se possa percebê-la, constatando que é uma qualidade intrínseca à Vida e reside, portanto, no âmago de cada um. “O Senhor Deus está dentro de vós!”

A Felicidade não pode ser condicionada a NADA, embora a nossa Percepção tropece muito pronta e facilmente nas aparências e enganos dos apegos e do egoísmo. Confunde-se freqüentemente o ser feliz com a alegria e euforia pelo sucesso profissional e/ou financeiro, pela aquisição ou recebimento de objetos, desfrute de alguns ou de todos os sentidos, quando verdadeiramente NADA disto possui qualquer condão de realizar por si a Felicidade. Nada contra tais eventos e o contentamento decorrente deles, desde que com moderação e que estejamos plenamente conscientes de sua efemeridade, bem como da impossibilidade de nos satisfazerem de maneira plena, espiritualmente.

Quer o saibamos ou não, aceitemos, refutemos, enlouqueçamos, a Verdade é que já somos felizes, Aqui e Agora, ainda que se mostre complicado, difícil ou doloroso demais notar isto. Muito desse Desajuste Psíquico, decorre do fato de sofrermos dores, perdas e frustrações de devaneios, sonhos (não no sentido autêntico de material onírico como realidade de outra dimensão), utopias e farsas. Espiritualmente, somos como loucos que se comportam bizarramente, desprezando tesouros verdadeiros e preciosos, preferindo falsificações e produtos ordinários, inclusive os recipientes e as embalagens. Chafurdamos na lama com pôse de grandes Senhores ou Damas. Sob diversos aspectos, somos e agimos como o Burrinho de um brinquedo antigo, que tinha no interior da Boca, um ímã, cuja polaridade era oposta a de uma espiga de milho velha e feia, presa na extremidade de um bastão, porém, com igual carga magnética a da outra ponta, onde havia uma moeda de Ouro. Isto, comicamente para nós, na época, resultava no seu interesse pelo sabugo ruim e repulsa pelo dinheiro – o que para o Animal, afinal de contas, fazia todo o sentido.

Somos ainda como o Asno de certa ilustração, que tem uma vara presa às suas costas, apontando para frente, de onde pende uma cenoura, que o Animal tenta em vão alcançar e, desse modo, vai carregando a carga ou puxando a veículo no qual se acha atrelado, sem notar ou se indispor, somente obsedado pelo afã de abocanhar o legume. Costumeiramente, perseguimos fantasias, fantasmas e miragens com muito mais esforço e afinco do que o necessário para realizar projetos mais sensatos e realistas.

Os indolentes, para se assegurarem do desfrute do seu ócio, terminam por se esforçar e despender muito mais recursos do que aqueles que, sensata e racionalmente, aceitam a sina humana da necessidade de trabalho. No fim, valeria muito mais a pena fazer a coisa certa, que não necessariamente é a politicamente correta, de maneira a economizar Tempo, Material e Energia. Acontece que os defeitos de caráter sempre se refletem nos déficits cognitivos e são por eles afetados. A Inteligência, a Criatividade e a Imaginação possuem uma relação estreita com as aspirações e realizações emocionais e espirituais, bem como estas são, ao mesmo tempo, causa e efeito da Personalidade, do Caráter e do Temperamento de todos nós. Muita gente tem vocação irrefreável e indecorosa de parasitar o Estado e a coisa pública.

Assim podemos dizer que uma pessoa má, egocêntrica e destrutiva, é estúpida e obtusa não somente porque conspira e obra contra si própria e gasta mais no preparo do molho do que no Peixe especificamente, mas, sobretudo em razão da sua mediocridade repugnante, do seu horizonte turvo e limitado, e da sua boçalidade hostil, irreverente e acintosa. É melhor alguém perspicaz e desletrado do que simplesmente beócio, no entanto, pior do que mentecapto, analfabeto e bronco, é aquele que encarna o protótipo do petista: pois, além de tudo, ainda se perde pela prepotência, fanatismo e vaidade. Qualquer gente arrogante é repulsiva, mas se ainda por cima for estúpida e ignorante, então o Bicho pega, deita e rola!

Tudo bem que cada criatura percebe, projeta e introjeta o Mundo e possivelmente todo o Universo de uma maneira muito peculiarl. Segundo os (não-)cânones Zen-Budistas, há tantos Mundos quanto Seres sencientes, todavia, os sujeitos que sofrem de diversos Transtornos realizam, basicamente, os mesmos procedimentos psicológicos e existenciais que as “pessoas normais”, porém, com graves falhas, exageros, distorções, estereotipias e mecanismos de compensação, que geram comportamentos no mínimo perigosos e nocivos para si e para a sociedade. Em suas esferas delirantes e repletas de armadilhas, minas e mísseis astrais, estão sempre fugindo dos Fantasmas e Demônios das suas próprias culpas, remorsos e receios de vinganças e retaliações por parte daqueles (ou da sua imagem e representação) que odiaram antes e contra os quais alimentaram as piores e mais hediondas fantasias de assassinato e torturas.

O pouco quociente de Realidade que dispõem, utilizam para tentar mobilizar os grupos e as massas que se sentem, inexplicavelmente, fisgados e fascinados pelo seu carisma. Freqüentemente, conseguem atrair um grande número de adeptos, sectários, proselitistas e demais seguidores fervorosos, que muito se embevecem e deleitam com as suas pirações, bravatas e disparates. Ademais, tais líderes possuem uma facilidade (talvez seja uma fatalidade) de pronunciarem exata ou aproximadamente aquilo que o pessoal quer ouvir. Costumam despontar no momento histórico e contexto sociopolítico exato. É, como se dizia outrora, “juntar a fome com a vontade de comer”. E ao arrastar as multidões, dentro da sua dinâmica mórbida, acabam se convencendo de que as loucuras e baboseiras que pregam são reais, válidas e verdadeiras, embriagados por um coquetel luxuriante de Pseudologia Fantástica, Mitomania e Delírios de Referência.

Eles conseguem perpetrar as piores atrocidades pessoalmente ou mediante despachos, decretos, ordens e determinações a subordinados, tranqüilamente, convictos de que fazem o certo. Alguns chegam ao cúmulo de se sentirem eleitos pelo Sr. Deus para levar a cabo perseguições, torturas e morticínios, investidos de algum tipo de Messianismo. Os ditadores mais famosos ao longo da História estão aí para comprovar isto. Há casos em que atraem menos a atenção da mídia esquerdóide, embora alguns setores da chamada imprensa marrom, especializam-se num tipo de noticiário degradante, com destaque a assaltos, homicídios, seqüestros, adultérios, brigas, pornografia e outras mazelas, que vicia tanto o povo quanto as monstruosidades outrora praticadas ao vivo no Coliseu romano. Pão e Circo. Afinal, Sexo, violência e piadas, eis a fórmula perfeita para se ganhar bastante dinheiro, cumprir as agendas comunistas, alienar a população pobre e preparar a revolução. Ditadores nazistas, comunistas, socialistas, bolivarianos e romanos clássicos têm mais em comum do que supõem os trouxas da esquerda nacional e mundial!

Há um caso famoso nos anais psiquiátricos e manicomiais de meados do século passado, acerca de um sujeito que foi acometido por uma alucinação, no melhor estilo do Senhor Abraão bíblico. O sujeito era um modesto Agricultor, do interior do Paraná. Numa bela madrugada, acordou ouvindo a voz do Senhor Deus de Abraão, de Isaac e de Jacó ordenando-lhe pegar o machado e acabar com a esposa e os filhos. O infeliz não teve a menor dúvida, apanhou a ferramenta bem afiada e mandou direto para a Canaã celestial a sua família. Não se arrependeu nem um pouco e encarou a detenção temporária, o julgamento e, posteriormente, a condenação à “prisão perpétua” no Manicômio Judiciário, com aquela altivez plácida, elegante e indiferente de quem cumpriu o seu dever…

Diversos líderes políticos dos mais diferentes matizes ideológicos, mas principal e quase exclusivamente de esquerda, isto é, os mais próximos e afins do totalitarismo, demonstram igual índole, Distúrbios e modo de agir. Para a nossa sorte e felicidade, aqui no Brasil, até nisto se mostram incompetentes e néscios, do contrário teríamos sofrido ainda mais durante a era trevosa em que bolivarianos, comunistas e neonazistas (des)governaram o País, atrás da fachada do pt. Graças ao bom Sr. Deus, não tiveram a menor habilidade em cumprir os seus desígnios de armar milícias de criminosos, traficantes e proxenetas, nem de desarmar as Polícias, embora o grosso dos seus simpatizantes e militantes sejam sujeitos violentos, intolerantes e agressivos. Nenhum deles consegue esconder a admiração, a inveja e o carinho por Grupos terroristas e Psicopatas cubanos, russos, chineses, palestinos e outros que sujam a humanidade, o seu torrão natal e a História mundial com crimes, opressões, prisões arbitrárias, execuções sumárias, criação de campos de concentração e trabalho forçado, invasões e guerras de conquista, sob o olhar conivente e hipócrita da criminosa Organização das Nações Unidas (O. N. U.).

II

Em termos estritamente políticos, as revoluções sempre se mostraram como o lado mais podre, violento e ignóbil da humanidade. As turbas, completamente enlouquecidas e facilmente conduzidas, praticaram as mais horríveis e sangüinolentas desordens e sublevações. É fato que em muitos casos, as classes dominantes foram quase as principais responsáveis pelo desencadeamento de convulsões sociais e políticas, uma vez que costumeiramente se mostraram inábeis no manejo do Governo, dos seus grupos e do Estado quando ainda incipiente, enquanto paralelamente também se mostravam insensíveis e indiferentes às condições profundamente precárias do povo, constituído em maior parte de servos camponeses e artesãos, ao menos em nosso Mundo ocidental.

Ademais, em inúmeros casos da História, concorreram também outros fatores inesperados, como a intoxicação das massas populares por substâncias psicoativas. Um dos exemplos mais contundentes e sinistros, acreditamos, encontra-se na nefasta e catastrófica Revolução Francesa. É bom dizermos de passagem que os franceses formam um povo muito curioso e singular, constantemente com tendências ao totalitarismo e radicalismo. Segundo consta, na segunda metade do século XVIII a situação na Europa, particularmente na França, estava totalmente fora tanto dos parâmetros do Bom-Senso, quanto dos princípios e valores cristãos, que supostamente deveriam nortear o Rei, os nobres e a Igreja.

A maior parte da população passava fome, enquanto a família real, cortesãos e clérigos comiam e bebiam do bom e do melhor, celebrando festas, banquetes e todo o tipo de orgias, engordando e ironizando sobre a miséria espalhada em todos os lugares: “O povo não tem pão para comer ? Por que não come, então, brioches ?” A galera desvalida fervia Água com um pedaço de Osso, a fim de preparar um caldo ralo e praticamente sem nutrientes, guardando a peça óssea bovina para muitas outras sopas. Era mais para dar um gostinho… Claro que a coisa não precisava ter chegado a esse ponto.

E parece que os poucos pães que conseguiam obter, estavam envelhecidos, tendo formado bolor e, desse modo, continham fungos alucinógenos de estrutura bioquímica semelhante a da Dietilamida, do atual Ácido Lisérgico. Os revolucionários se achavam muito doidos desde a Queda da Bastilha até todos os horrores das milhares de decapitações na guilhotina. Inclusive, posteriormente, eles próprios perderam a Cabeça através desse instrumento. Os Soldados e Oficiais da Wehrmacht alemã, na Segunda Guerra Mundial, turbinados com Metanfetamina, enquanto os malucos da Revolução francesa, numa bad-trip de LSD. Imagine o espetáculo mais do que pânque e dantesco.

Os portais e umbrais do Hospício, dos Presídios e do Inferno abertos, simultaneamente. E parece que muitos gauleses e seus descendentes, nunca mais se recuperaram dessa viagem, pois embora a França tenha gerado geniais e grandiosos Cientistas, Escritores, Músicos e demais Artistas, sempre mostrou como afirmamos acima, uma inclinação destrambelhada para vertentes ideológicas esdrúxulas, como atualmente. Com ares meio meretrícios, não só foram mestres e inovadores nas Artes Sexuais do Kama Sutra ocidental, mas também souberam se virar a contento na última Grande Guerra, quando ocupados pelas Forças Armadas alemãs. Tiraram disso todo os proveitos e prazeres possíveis. Os Oficiais Nazistas da Gestapo, da SS e do Exército, Marinha e Aeronáutica do Führer, foram otimamente recebidos como hóspedes de honra, respeitáveis e queridos, pela elite francesa. Até certo ponto, não deixa de ser razoável e normal que uma rendição pacífica valha mais do que uma Resistência burra, desajeitada e intempestiva, que TUDO o que consegue é suscitar represálias e retaliações por parte das tropas invasoras e dos governantes conterrâneos que se venderam ao Inimigo.
Tem quem acredite até que os movimentos e agentes resistentes são e foram, na Realidade, criados e operados pelas próprias forças de ocupação, a fim de estas legitimarem, perante a população local e a opinião pública mundial, acusações, condenações e atrocidades perpetradas contra os vencidos insubmissos. Simulam ataques e atentados contra eles mesmos e, em seguida, saem perseguindo, torturando e assassinando quantos lhes sejam ameaçadores ou simplesmente antipáticos. Afinal, entre outras finalidades, não menos espúrias e nefastas, as revoluções sempre serviram de excelentes pretextos para canalhas e psicopatas se despirem de suas frágeis vestes civilizacionais, permitindo agirem descarada e impunemente, sob a orientação do seu lado mais grotesco, animalesco e satânico.

Segundo alguns estudiosos de Ciências Sociais e Políticas, a diferença essencial entre franceses e ingleses em relação ao estilo de governar e das respectivas ações políticas, encontra-se no exemplo de como cada um lida com um imóvel. Os franceses, nesta comparação, ao se depararem com um quadro nacional que requeira mudanças urgentes, demolem a casa inteira, num frenesi de loucura e destruição radicais. Então, assentada a poeira e só havendo escombros à sua volta, reconstróem TUDO exatamente como era antes.

Enquanto isto, os ingleses, incomparavelmente superiores, mais lúcidos, educados e sábios, jamais detonam a construção, contudo, promovem benfeitorias aqui e ali, melhorando a obra como um TODO de um modo inteligente, prático e eficiente. Nada de alterações drásticas, quebra-quebra ou da insanidade de “se vestir um santo despindo-se outro”.

Desde a Queda da Bastilha, em 1789, a Comuna de Paris, em 1871, depois a primeira bem-sucedida, trágica e maldita, revolução bolchevique russa de 1917, a revolução chinesa em 1949, a cubana em 1959, nunca houve qualquer movimento revolucionário, sobretudo os de cunho marxista, que não fosse baseado em múltiplos assassinatos, violência generalizada, abusos e desvios de poder, prevaricação, desfrutes e privilégios sem fim para a cúpula dirigente, os quadros superiores do nefasto partido único e as agências de segurança, espionagem e repressão. Uma verdadeira, asquerosa e completa falta de vergonha na Cara. Saques executados pelos próprios governantes contra os poucos setores produtivos rurais e urbanos remanescentes dos bons tempos de Liberdade, com a instituição de taxas e tributos extorsivos.

Escravização do povo, iludido e manipulado por propagandas habilmente produzidas, discursos demagógicos e uma estatística inteiramente fraudada. Os comunistas e socialistas sempre roubaram o direito da população de sonhar e batalhar por uma Vida pessoal melhor, mais próspera e digna, impingindo-lhe a mentira de que se alcançaria o paraíso social e coletivo de fartura, fraternidade e fantasias, pela coletivização de TUDO. Alguns panacas afirmam que todas as ditaduras proletárias e vermelhas implantadas até então não representam o “verdadeiro comunismo”! Significam o quê, então ?

Com quê, então ? Precisa ser muito idiota ou hipócrita para não se convencer de que a “Justiça Social e a Igualdade”, conforme se prega, nunca acontecerão. Jamais deu certo e nem dará, pois é uma farsa, negada e inviabilizada por si própria e pela Realidade. Teórica, técnica, filosófica, política, social e economicamente não possui qualquer possibilidade de se realizar. E nem existe Socialismo isso-ou-aquilo ou Social-Democracia: tudo acaba descambando para a repulsiva ditadura do proletariado! Se o Diabo é ou não o pai do rock’n roll não dá pra saber, mas com certeza o Estado é o genitor do Diabo!

Um exemplo simples, banal, porém, muito ilustrativo: imagine uma fábrica socialista qualquer. Nem precisamos levar em conta a ausência de uma administração pragmática, eficiente e realista, onde os vários departamentos agem tal qual uma orquestra, tanto em nível de otimização da produção, redução de impactos e custos ambientais, além de um departamento de marketing que não só elabora modos inteligentes e convincentes de incentivar o consumo dos seus produtos, mas igualmente analisa, confere e respeita o gosto, a vontade e as necessidades do mercado. Vamos examinar simplesmente em termos de “justiça trabalhista”. A oligarquia central burocrática e do partido dita as regras em todos os setores produtivos, estabelecendo as metas, arbitrariamente e fora da Realidade. Assim, os operários têm uma quantidade determinada de trabalho a realizar. Pela justiça dos marxistas, deverão receber o mesmo salário ?

Aí, então, um dos trabalhadores que é muito mais inteligente e dedicado, inventa um método novo de realizar o seu trabalho. Será correto ganhar o mesmo pagamento que um colega vagabundo, que “faz corpo-mole”, segue à risca as instruções e só não fica abaixo da linha de produção estabelecida, a fim de não ser acusado de sabotador ? É notoriamente sabido que numa sociedade socialista e, portanto, de economia planificada, não há desemprego: todos são contratados pelas empresas estatais, mas nem todos trabalham realmente, pois não há onde ou como utilizar todos os profissionais. Os protegidos dos poderosos do partido ganham sem fazer nada, principalmente a fim de manterem a imagem da revolução e enfeitarem as estatísticas oficiais.

Assim, se aquele excelente empregado fosse agraciado com alguma espécie de merecida gratificação, seria incentivado a melhor ainda mais o seu desempenho. E caso houvesse um reconhecimento, ainda que meramente mediante títulos pomposos, fúteis e vazios, como “o operário do ano” e outras besteiras, o “companheiro” logo estaria numa posição de destaque e acima dos demais. A “igualdade” não sobrevive incólume diante da Realidade.

Se, por outro lado, ele não receber nenhuma recompensa ou bônus, por mais tonto e idealista que seja, a sua natureza humana se tornará desmotivada. Faça o que fizer, dê o melhor de si ou não, o resultado sempre será enfadonhamente o mesmo. Ele perderá o pique e a estagnação tomará conta do seu setor, da indústria e de todas as atividades produtivas, à semelhança de ferrugem, que se espalha como Câncer nos metais. E ainda que ele fosse devidamente aquinhoado, o quê fazer com os eventuais tíquetes extras ? Em nenhum outro regime do Mundo há tantos incentivos, facilitação e manutenção do Mercado Negro, bem como prateleiras vazias, do que sob a égide do martelo e da foice.

Num mundo vermelho, TUDO é sempre uma pobreza exasperante: não há Shopping Center, vitrinas, produtos e serviços, exceto, claro, para os nababescos das classes dirigentes. A sociedade não produz e o povo não consome, mas nem por isso se preserva ou respeita a Natureza. Enquanto os ditadores e seus comparsas abomináveis desfrutam de um altíssimo padrão de Vida, também promovem aqueles falatórios longos, entediantes e soníferos, exaltando os “feitos e conquistas dos revolucionários”, os “grandes heróis da luta armada e sindicalistas”, “os teóricos marxistas e culturais” e outras porcarias mais. Conclamam o povo a mais e maiores sacrifícios: tudo pelo social. Cínica, impudente e abusivamente. Filhos da mãe!

Somente Doentes Mentais podem acreditar sinceramente nessas mentiras, tergiversações e agressões, bem como apenas os amorais, sociopatas e delinqüentes da pior espécie abraçam “consciente”, livre e espontaneamente tal causa infernal. Como fanáticos adoradores dos ídolos diabólicos do “materialismo histórico”, da “dialética”, do “realismo social” e de outras aberrações teóricas, filosóficas e existenciais, bem que poderiam aprender um pouco com o passado. Afinal, a História não é exatamente uma Ciência e muito menos uma entidade arquetípica, espiritual e metafísica. Não possui uma força determinante, nem diretriz, nem conduz ou determina destinos, fatos, tendências e caminhos.

A História é a mera descrição de alguns eventos, possivelmente os mais marcantes e que de uma forma ou de outra interessam às elites da vida social e pública de uma dada sociedade e estado, integrados numa comunidade global. Infinitos episódios ocorrem o tempo inteiro e em todos os locais, mas nem TUDO pode ser registrado, obviamente, mesmo porquê esses dados nem teriam qualquer utilidade. Existem diversos mecanismos e maneiras de se observar e gravar os acontecimentos, no entanto, poucos garantem um maior ou mais consistente índice de neutralidade, objetividade e imparcialidade.

Dentro de um estado totalitário, kafkiano, nada tem qualquer lógica, nem faz algum sentido. A arbitrariedade é a regra, exatamente como acontecia nos feudos da Idade Média. Ninguém goza da certeza de que não será encarcerado, deportado para um campo de concentração ou simplesmente executado, sem uma acusação oficial e um julgamento formal e regular, com direito à plena defesa. Os donos do poder se consideram também proprietários do estado, da nação e da população, como sucedeu em todos os Países onde essa desgraça foi implantada, através de mortes, supressão de todas as Liberdades, destruição da propriedade privada e dos meios de produção, terror, opressão, espionagem doméstica e internacional, patrulhamento ideológico, aniquilação da identidade, censura e muito mais.

Assim foi na Rússia, que depois virou a odiosa e nefasta União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (U. R. S. S.), na China, na Coréia, em Cuba, na Venezuela, na Nicarágua, entre outras Nações, inclusive o Brasil, mormente durante os miseráveis anos de abuso e lambança petista à frente do Governo federal, de diversos estaduais e de Prefeituras. Tudo se resumiu à incompetência e falta de visão política e administrativa, corrupção, desvio de verba pública, obras e compras megafaturadas, falência da Educação e da Saúde pública, fechamento de Hospitais e o desmoronamento do prédio de creches, Escolas e Universidades, desmoralização completa dos Poderes Executivo, Judiciário e Legislativo em todos os níveis, chicanas, subornos, envolvimento de políticos, sindicalistas e dirigentes partidários com o crime organizado, tráfico de drogas e armas, exploração de prostituição infantil, soçobro de empresas estatais e autarquias, etc.

Oferecendo algumas parcas e modestas esmolas para os setores mais estropiados da população, os canalhas compraram a devoção incondicional e veemente do lumpem-proletariado, e a Consciência de toda uma séria de Desajustados Mentais de outros setores da sociedade, como pseudo-intelectuais, Professores escolares e universitários, funcionários públicos de índole parasitária, Artistas vampirescos, etc.. Como não bastassem as absurdas e terríficas Leis Mosaicas, segundo as quais, se três pessoas concordassem sobre a culpabilidade de um pobre-coitado, o mesmo poderia ser sumariamente apedrejado e morto.

Será que nunca passou pela Cabeça do senhor Moisés que poderia haver conluio entre três patifes que alimentavam alguma questão contra a vítima ou simplesmente agiam movidos por inveja ? Executar alguém, sem que este tenha o direito de ser acusado formalmente, podendo contraditar e se defender, é no mínimo o fim da picada. Entretanto, este modelo jurídico de terror e intimidação sempre foi adotado plenamente pelos crápulas vermelhos. Os tais chefes de comissariados e conselhos possuem licença para apontar o Dedo Indicador contra qualquer cidadão, acusando-o de contra-revolucionário e simplesmente eliminá-lo. Pode ser um desafeto qualquer, um credor ou um David cobiçando a esposa de seu valoroso General Urias (2-Samuel 11:2-4). Adeus, então…

III

Por tudo isto e muito mais, chegamos a uma conclusão que decerto parecerá a você bastante evidente. Talvez nem devêssemos ter desperdiçado tempo em preparar este material e nem você em lê-lo, todavia parece que nem todas as pessoas, independentemente de respeitarmos o direito à diversidade de Idéias e multiplicidade de escolhas, primam pela Lógica, pela Coerência e pela Razão. Cada qual pode escolher o Esporte que quiser para praticar ou simplesmente apreciar e torcer, mas as regras do mesmo devem ser seguidas universal e incondicionalmente. Quanto a isto não cabe qualquer discussão: sem tal consenso não haverá partidas nem jogos. Então, precisamos aprender a aceitar e reverenciar a evidência dos fatos e a natureza das criaturas e dos fenômenos, o que não significa negligenciarmos nossos melhores esforços quanto à Evolução individual e grupal.

O ponto que desejamos tocar é aquele que diz respeito também às reais possibilidades de existir um Mundo pacífico, progressista, que seja humana, ecológica e ambientalmente saudável, com a preservação das belezas naturais e da Biodiversidade. Um lugar no Universo, onde todas as pessoas tenham a possibilidade de trabalhar e batalhar para serem felizes. E aquelas que deliberadamente, por questões psicopatológicas, prefiram ser infelizes e desditadas, possam dar curso a essa natureza doentia, desde que, certamente, não comprometam a Saúde, a incolumidade, a segurança e o bem-estar dos outros. Seria muito legal, independentemente das profecias, vaticínios e decretos de quaisquer Religiões, que a Terra reassumisse a sua condição de Paraíso, pois com as quedas humanas de diversas crenças, quem mais pagou por TUDO isto foram os Povos nativos e os Ecossistemas, com a sua Flora e Fauna. É difícil atinarmos com o quê este lindo, sagrado e perfeito Planeta tem a ver com as mazelas, maldades, ingratidões, egocentrismo e supostos regastes kármicos e aprendizados espirituais do ser humano.

Acontece que nenhum Éden será alcançado através do engodo, violência e cafajestice de revolucionários em geral e esquerdistas em particular. É notório para quem tenha Olhos de ver, Ouvidos de ouvir e Encéfalo de raciocinar, que os vermelhos jamais almejaram o Bem do povo, da Natureza, nem do quê ou de quem quer que seja. Trata-se apenas de bandidos vagabundos, arrogantes e gananciosos que desejam o poder para a grandeza e enaltecimento de si mesmo, bem como gozar as delícias, os prazeres e as diversões da riqueza material, sem precisarem trabalhar para isto. Individualmente, são ladrões, estelionatários, traficantes, estupradores, gigolôs e toda uma casta de criminosos. Coletiva e politicamente se apresentam e agem como líderes sindicais e rurais, guerrilheiros, ditadores, políticos comunistas, socialistas, social-democratas, etc.

A humanidade passou por diversas experiências, mais do que o suficiente para persuadir homens e mulheres sensatos e de bom caráter a fugir de armadilhas tão perigosas, funestas e fatais como a de se buscar soluções e salvações pelos regimes totalitários de esquerda. Não há o que se mudar nem é necessário reinventar a roda, como se costuma dizer. As idéias, doutrinas e propostas marxistas e pós-marxistas são balelas, não possuem qualquer supedâneo factual, científico ou histórico. São irrealistas, inverossímeis e impraticáveis. Uma besta-humana anunciou coisas aparentemente inteligentes e boas o bastante para engambelar outros néscios, que adotaram tais proposições, doentiamente, como artigo de fé, obstinando-se impô-las aos outros, às sociedades e ao Mundo.

Alegando agir (num sentimentalismo fútil, superficial e nulo como o de Psicopatas) em “defesa dos miseráveis e dos coitadinhos”, passaram a subverter a ordem natural das coisas, da Vida e do Universo. Ao invés de criarem, instalarem e fazerem funcionar empresas eficientes e produtivas, cujos lucros gerariam trabalho ou simplesmente sustentariam os pobres, desvalidos e infelizes, preferem tentar alcançar, criminosa e fraudulentamente, o poder a qualquer custo. E com isto atendem aos seus anseios de mandarem, decidindo e sabendo o que é melhor para todos. Assim, matam não só a Galinha dos ovos de Ouro, mas a qualquer um que se atreva a discordar, criticar ou não aceitar a coleira no Pescoço, a mordaça na Boca, a viseira nos Olhos, o protetor auricular nos Ouvidos e as correntes nos Tornozelos.

A ditadura do proletariado é a maior mentira, degradação e babaquice que os piores e mais inescrupulosos homens poderiam ter inventado. É a anulação da integridade humana, o esfacelamento da moral, da ética e dos Direitos mais elementares que se possa aspirar. As pessoas passam a ser vigiadas diuturna e sistematicamente. O terror é institucionalizado e não se tem a garantia ou a certeza de qualquer coisa. Os bandidos do Governo, do Politburo, do Comintern, do Partido único, das Polícias Secretas, decidem sobre a Vida e a Morte de cada cidadão, o que podem, devem ou são interditados de ler, escrever, filmar ou representar… Tudo é controlado: o que se pode ser, pensar ou sentir!

E uma vez que se perca a Liberdade, é muito, mas muito difícil, recuperá-la. Praticamente, impossível. Temos muitos exemplos no passado e, por incrível que pareça na atualidade. Os coitados dos venezuelanos não conseguem se livrar da miséria e maldição da ditadura chavista. Os cubanos até hoje sofrem a hedionda opressão castrista. Durante a Guerra Fria, que durou praticamente do fim da Segunda Guerra Mundial até a Perestroika e Glasnost do grandioso Político e Estadista, senhor Mikhail Gorbachev (1931 – … ), o leste europeu sofreu terrivelmente com a repressão, os massacres e exploração dos safados comunistas russos.

A única, verdadeira, autêntica e funcional Revolução que o ser humano pode desencadear construir e efetivar é dentro de si próprio. Em princípio, não importam quais sejam os sistemas, mas sim o Caráter e a Personalidade dos indivíduos. Mesmo na Alemanha nazista e na Rússia soviética, existiam algumas pessoas do Bem, honestas e até, por que não dizer, santas. Claro que de um determinado ponto de vista não mereciam estar naquele tempo e lugar, dentro de um contexto tão funesto, embora como sempre salientamos em nossos Artigos, há sempre um propósito para cada fenômeno, situação ou história das pessoas. TUDO tem um por que já que NADA é à toa. Não nos cabe especular sobre as razões de certos fatos serem como são apesar do direito de todos de se tecer conjecturas. E infinitas são as possibilidades. Essas criaturas, por exemplo, poderiam estar ali resgatando o próprio Karma, levando um pouco de Luz, conforto e Paz aos demais, vai saber…

Quando conseguimos nos liberar, pouco que seja das malhas, seduções ou truques de Maya, o Mundo que emerge de nós e no qual estamos imersos, começa a se transformar e a Verdade se manifesta. Não é apenas a nossa Percepção que passa por uma metamorfose, nós e os fenômenos também. A Natureza e a Realidade principiam a se mostrar nas suas lindas, magníficas e coloridas formas. O esplendor do Universo se apresenta com uma perfeição única, onde não há presença, permanência e nem ausência. Nada sobra e nem tampouco falta. TUDO o que é ilusório simplesmente nem sequer desaparece, pois de fato nunca existiu além dos Delírios e Alucinações da Dualidade. Fome, Doenças, Depressões: NADA disso possui uma existência inerente ou real. As palavras, por mais belas, esplêndidas e maravilhosas que sejam, apresentam-se como grânulos ao Vento. Emoções baratas, industrializadas e engarrafadas igualmente se evaporam e somem no NADA do TODO.

Então, não se parte e nem se permanece, entretanto, a manifestação de cada ser humano não cessa, realizando Obras maiores do que as do amado e divino Senhor Jesus, segundo as Suas próprias Palavras e Determinação. As crianças e os adultos não mais correrão atrás de bagatelas e nem chorarão de medo. Aquele dia terá chegado sem ansiedade e, depois, passará sem apego, dor ou saudade, pois se manifestou no presente, sem forma. As mentiras, os enganos e as Ilusões não mais existirão, pois também não continuarão a ser usados para se manipular os outros, gerar falsas sensações de conforto e segurança para si mesmo ou qualquer outra finalidade espúria. O Amor reinará com toda a sua beleza, glória e poder.

Esta Revolução não será mais uma enganação. Destruirá o decrépito, o imperfeito o contaminado dentro de cada um de nós. Executará o ego com tanto Amor, Compreensão e Compaixão, que esse velho patife, pela primeira vez, desde o seu surgimento no meio de Adão e Eva, se conscientizará da sua condição irreal, efêmera e patética, aceitando docilmente o seu fim, à semelhança de uma Célula, que tendo cumprido a sua missão de Vidal, submete-se à Apoptose sem revolta, frustração, pânico ou qualquer sofrimento. Sairemos do Sonho sem mágoas ou ressentimentos. Após o começo do fim, NADA mais restará como prisão ou prisioneiro.

Esta é a Verdade. E a verdadeira, única e possível Revolução. Tudo o mais são falácias, grilhões e envenenamentos. Nem por isto se trata de algo fácil, anódino ou elementar. Muita gente despende diversas Vidas, oportunidades e lições para conseguir se aproximar do grande momento. Sempre existe, contudo, algum apego ou distração. Um pequeno esquecimento. Qualquer dúvida que suscite medo ou insegurança. Parece que há constantemente a falta de tempo, vontade ou interesse. Prefere-se deixar para depois, eternamente. Somos escravos dos hábitos, dos vícios, das meias-Verdades, das conveniências e da preguiça. Seria melhor e mais prático que os outros fizessem por nós os nossos deveres ou que pudéssemos continuar matando aqueles que vieram para nos salvar e libertar. Sumir com inimigos e opositores também pode ?

É preciso coragem para se ter força de ser livre, poder praticar a humildade e, então, aprender alguma coisa que deveras liberte. TODO o Conhecimento é bom, válido e maravilhoso, mas poucos são aqueles que realmente ensinam o Caminho da Luz, da Vida e do Amor, pois somente seguindo por ele teremos as condições físicas, intelectuais, morais e espirituais para encetarmos e levarmos a termo a única Revolução possível. TUDO pode ser bom e servir para alguma coisa, mas somente aqueles que promovem ou realizam essa operação, a Revolução em seu interior, poderão se iluminar, iluminando aos demais. Isto, sim, é real e verdadeiro. Tudo o mais, nada é. Abraços e beijos. Paz Profunda!

L. Lafam.

Mai./2018

Tags: