O Leitor Participa: Maria Claodoete Batista dos Santos, de São Miguel dos Campos (AL): ‘Poesias em histórias de menina moça e mulher’

06/03/2019 10:30

Aquela menina calada/ Que quase nunca falava/ Esperava poder um dia/ O seu sonho realizar.”

Poesias em histórias

de menina moça e mulher

 

Aquela menina pequena

Ele não conseguiu ver

A menina moça ele viu

Mas não foi do seu querer.

 

Hoje é uma mulher

Que o ama pra valer

Ele fala assim pra ela

Vou tentar te esquecer.

 

A jornada é muito longa

Sei que nunca vou te ter

E a menina tão triste

Assim começa dizer.

 

Se for isso que tu pensas

É porque perdeste a fé

A mulher que tu não vês

A cada dia, mas te quer.

 

E não penses assim contigo

Pois esse dia chegará

Pois eu creio e tu sabes

Que o amanhã Deus proverá.

 

Sua fé é inabalável

Sua esperança é eterna

Ela acredita em ter tudo

Que o seu coração deseja.

 

Aquela menina calada

Que quase nunca falava

Esperava poder um dia

O seu sonho realizar.

 

Enquanto tu te distancias dela

Ela fica sempre a te esperar

E espera pacientemente

Um dia seu amor lhe dar.

 

Ela ama fazer poesia

Está inspirada em você

Você nem liga pra ela

E ela só pensa em você.

 

Aquela menina moça

Que um dia virou mulher

Desejou tanto você

Por que era seu querer.

 

E hoje ele sabe

Que seu grande amor é você

Sabe que ela o ama

Como está sempre a dizer.

 

Mais como tudo na vida

O tempo dele passou

Mas a menina o ama

Por que se apaixonou.

 

Hoje a menina cresceu

Virou a moça que ele conheceu

E hoje a mulher que existe

É aquela que ele perdeu.

 

Ela com sua delicadeza

Ainda está a amar

É um amor proibido

Por que ele deixou passar.

 

Mas a menina moça e mulher

Nunca o deixou de amar

E ainda sonha um dia

Com seu amor encontrar.

 

Mas o homem é indeciso

Nunca soube o que queria

A menina já crescida

Meio confuso eu diria.

 

Fala sempre ao seu amor

Que com ele casaria

E ele com um sorriso

Fala que também queria.

 

Depois ela o culpa

Por eles não estarem juntos

Ele fica encabulado

E ignora o assunto.

 

E ela ainda continua

A história contar

Para que ele entenda

Que não o deixou de amar.

 

Mas ele não quer ouvir

E muito menos lembrar

Que o amor de sua vida

Um dia deixou voar.

E a menina insistente

Resolve um poema deixar

Pois sabe que ele vai ler

Quando mais tarde se acalmar.

 

Sou sua menina como você fala

Menina moça e mulher

Menina com meu jeitinho

Moça com meu olhar

A mulher que tu quase não vês

Um dia irá te encontrar.

 

Maria Claodoete Batista dos Santos – claodoetty@hotmail.com

 

Tags: