O leitor participa: Jairo Válio, membro da Academia Sorocabana de Letras, com o poema-homenagem ‘Teus olhos’

21/11/2017 10:26

Poema em homenagem à falecida esposa Ondina, e que fez parte da Campanha de Doação de Córneas do Banco de Olhos de Sorocaba

 

TEUS OLHOS

 

Um dia, distante,

trocamos olhares,

tímidos, furtivos,

apaixonados depois.

Casados,

frutos vieram,

de feliz união,

e os olhares,

ainda doces,

meigos se tornaram,

na condição de mãe,

ao amamentar seus filhos.

E depois,

de um fruto do amor,

netinhos vieram,

temperos gostosos,

dádivas de Deus,

e mesmo assim,

os seus olhares,

mais divididos,

muito sobravam,

para quem escolhestes.

no entanto,

na doença,

no sofrimento e na dor,

os teus olhos,

esmaecidos e tristes,

quase sem brilho,

foram se indo,

e no seu findar,

para meu desespero,

se fecharam,

sem antes me ver.

No entanto,

suas córneas,

peregrinas,

em outros olhos,

não sei onde,

se perto ou longe,

brilham de novo,

e um dia,

também vão trocar,

olhares furtivos,

tímidos, em princípio,

apaixonados depois,

assim como,

um dia distante,

também nós fizemos.

 

Jairo Valio – 26/04/2006

 

 

Tags: