O Jornal Cultural ROL apresenta aos leitores mais uma grande colaboradora: Jossieleni Gonçales Tobias!

08/10/2018 10:15

Jossieleni  é Especialista em Gestão Escolar e Gestão para Sucesso Escolar

 

A mais nova colaboradora do Jornal Cultural ROL, Jossieleni Gonçales Tobias, entra para o Time de Colunistas do ROL trazendo, para os leitores, luzes sobre a Educação Brasileira.

Jossieleni é graduada em Pedagogia, pela Universidade de Sorocaba e, atualmente, é Diretor de Escola Municipal – CMEI ‘Profª Célia Chiozoto Marinoni’.

Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Administração de Unidades Educativas e Supervisão Escolar e é Especialista em Gestão Escolar e Gestão para Sucesso Escolar.

Realizou extensão universitária em várias áreas: ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO (Faculdade de Conchas, FACON); LUDOPEDAGOGIA (Universidade de Oeste Paulista, UNOESTE); EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA (Universidade Federal de São João Del-Rei, UFSJ); GESTÃO PARA O SUCESSO ESCOLAR (Universidade Anhembi Morumbi, UAM); GESTÃO ESCOLAR (Universidade Federal de São Carlos, UFSCAR); PSICOPEDAGOGIA (Universidade de Sorocaba, UNISO).
Inaugurando sua colaboração, agora como colunista, Jossieleni apresenta um texto de suma importância, elegendo a brincadeira como necessidade primordial na educação infantil.
 O brincar como melhor forma de se expressar

Brincar é a necessidade primordial na educação infantil, a brincadeira faz parte das ações do tempo e culturalmente manifesto nas gerações; atualmente muitos jogos e brincadeiras ainda preservam características, conceitos e informações dos antepassados. As brincadeiras revelam ações, atitudes e relações interpessoais. O brincar é a melhor linguagem infantil, ocorre no plano da imaginação e daquele que brinca transforma a ação no domínio da linguagem simbólica.

Ao brincar as crianças criam e recriam seu mundo social, normalmente assumem papéis importantes em suas ações do cotidiano, melhorando a autoestima e a capacidade de transformar e modificar seus conhecimentos prévios.

Os jogos são as formas mais claras de se constituir regras e desafios. Através das atividades lúdicas dos jogos podemos resgatar as capacidades de linguagem, matemáticas, bem como recursos afetivos e sociais.

Para Jean Piaget os jogos são ações voluntárias, podendo ser de exercício, simbólico ou utilizar se de regras, ressaltando estreita relação com a construção da inteligência, portanto essencial para a primeira infância e o desenvolvimento da psicomotricidade. Ao conhecimento de Wallon a ápice está no desenvolvimento da linguagem e expressão. Já Vygotsky interpreta o jogo como ferramenta que potencializa o desenvolvimento da criança, como instrumento de interação com o trabalho e dos indivíduos com o meio.

O brincar é legal, na forma de legislação; direito da criança e os educadores devem se utilizar de espaços lúdicos nas escolas para incentivar e coordenar as brincadeiras. A própria DCNEI (Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Infantil) define a criança como sujeito das relações e das práticas sociais, que constrói sua aprendizagem brincando, imaginando, fantasiando e experimentando suas ações e interações.

Quando nos orientamos pela Base Nacional Comum Curricular, ou seja, o BNCC, logo nos deparamos com a importância do desenvolvimento da criança respeitada as faixas etárias de quando bebês, crianças bem pequenas e as já consideradas pequenas (de zero a 5 anos), que levando em consideração o campo das experiências concretas de vida desenvolvem as competências que envolvem o eu (pessoal) com o outro, movimentos, sons, formas, falas e pensamentos, espaços, tempos e quantidades. As crianças nesta idade já têm condições de perceber que suas ações podem interferir nas vidas dos outros, que devemos desenvolver a solidariedade, sentimentos e diferentes formas de expressão e principalmente sendo criativo ao inventar e brincar.

Em regime de colaboração com a educação do estado paulista profissionais da área estão mobilizados em construir um currículo único objetivando os direitos de aprendizagem e desenvolvimento com base na brincadeira como forma de organizar a prática pedagógica.

A brinquedoteca é espaço que garante um brincadeira que pode ser livre ou dirigida de forma às crianças criarem suas regras e desafios na interação com o outro. Os brinquedos são objetos que interagem e facilitam a imaginação da criança no ato de vivenciar situações cotidianas. Uma boneca logo pode ser um filho, um trator uma profissão. As brincadeiras e os brinquedos desenvolvem a criatividade e a capacidade de gerir novas ideias e para isso independe das vivências das pessoas. Considerar as especificidades de cada aluno e privilegiar as brincadeiras e experiências como melhor forma de aprender.

A atuação do docente dada a necessidade de brincar é muito importante. Sua intervenção baseada na observação e estimulação através de oferta de material e espaços adequados trarão o enriquecimento das brincadeiras e consequentemente o desenvolvimento das competências criativas e imaginativas. A diversidade das brincadeiras e organização é que dará o caráter de troca, companheirismo, afetividade e o reconhecimento das regras sociais.

É preciso que sobretudo, o docente tenha consciência que o brincar é algo que vai além do estar livremente num ambiente cheio de recursos, mas que esta brincadeira faça com que estabilizem na esfera do conhecimento as práticas sociais reais até mesmo na resolução de situações problemas do cotidiano do brincar.   

Referências:
http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wpcontent/uploads/2018/06/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
Jossieleni Gonçales Tobias – cmeicmarinoni@gmail.com

 

Tags: