‘O fantasma do autoritarismo’, artigo de Carlos Cavalheiro

27/04/2020 08:29

Carlos Cavalheiro

O fantasma do autoritarismo

 

Não é novidade que o presidente Bolsonaro obteve votos de muitos que se simpatizam por governos ditatoriais e autoritários. Por diversas oportunidades, Bolsonaro elogiou figuras dos tempos de repressão dos governos militares, como Brilhante Ustra e generais que ocuparam cargos de presidentes de república. Enquanto ainda era deputado, Bolsonaro, por suas declarações, angariava a simpatia de grupos notoriamente neonazistas.

Em 9 de abril de 2011, por exemplo, o grupo denominado “White Pride World Wide”[1] organizou um Ato de apoio a Jair Bolsonaro no vão livre do MASP, em São Paulo. Um ano depois, a revista Carta Capital noticiava o novo despertar do neonazismo no Brasil sob uma pretensa liderança canalizada na esperança de assunção ao poder por Bolsonaro.[2]

Em 2015, durante a votação do impeachment da presidente Dilma Rousself, o então deputado dedicou o seu voto “sim” ao que ele chamou de “heróis de 1964” e ao Brilhante Ustra, acusado de ser um dos principais torturadores do regime militar.

É de se esperar, portanto, que haja uma expectativa dos fascistas pela centralização do poder nas mãos do seu “líder”. Por isso o assunto tende a ser recorrente. A todo o momento, vez ou outra, “a cadela no cio do fascismo” tenderá a mostrar a sua tara por um governo ditatorial.

A contradição, no entanto, da narrativa é escandalosa. A começar que o mesmo grupo que pede uma “intervenção militar” (uma ilusão criada por má interpretação do texto Constitucional) é o primeiro a gritar contra os regimes “comunistas” por serem estes uma ditadura. A lógica, ou melhor, a falta de lógica é esta: instale-se uma ditadura para combater a ditadura!

Outra contradição é que quando manifestações que pedem por um governo militar – nos moldes daquele repressivo de 1964 a 1985 – são dissolvidas por tropas de choque, os manifestantes reclamam da “falta de liberdade”.

No último final de semana, novas ondas de atos contra o isolamento social (por conta da pandemia de coronavírus) aproveitavam o mote para pedir o fechamento do Congresso e do STF e a instalação de um governo militar com Bolsonaro como presidente. Contra o isolamento, os manifestantes dizem que têm direito a ir e vir, “garantido pela Constituição”. No entanto, o fechamento de dois dos três Poderes é golpe e, por isso, totalmente contrário ao texto constitucional.

Aliás, usando do seu “direito constitucional” de liberdade de expressão, manifestantes carregavam cartazes chamando a Constituição de 1988 de “Carta Magna Comunista”. Aliás, comunista é termo genérico para tudo. Até o vírus (Covid-19) já foi chamado de comunista. Afinal, os primeiros casos surgiram na China, então…

O problema é que esse enfrentamento à democracia em nada ajuda o país. Nem hoje, enquanto vivemos o drama de uma pandemia, nem ontem e nem amanhã. Esse ódio exacerbado pelo outro, cuja histeria desenfreada leva ao desejo insaciável pelo autoritarismo deve ser encarado como doença que avança sem controle. Não se pode conceber que alguém, em sã consciência, opte deliberadamente por fortalecer um regime governamental que lhe rouba a liberdade. Não é da natureza humana o desejo pela prisão, seja ela material ou psicológica.

Em pouco mais de um ano de governo, já tivemos diversas ameaças à liberdade. Em outubro de 2019, Eduardo Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro, se pronunciou a favor da reedição de uma espécie de AI-5 para combater a “esquerda”. Para quem não sabe, o AI-5 foi o Ato Institucional editado durante o regime militar e que recrudesceu a ditadura ao suspender todos os direitos civis e individuais dos cidadãos, incluindo o pedido de habeas-corpus.

No último domingo, dia 19 de abril, uma manifestação em Brasília pedia novamente a reedição do AI-5. Manifestação essa saudada pelo presidente. No começo da semana, o presidente recuou e se disse defensor da democracia.[3] Mesmo assim, há movimentação de forças políticas solicitando abertura de inquérito para apurar responsabilidades de políticos envolvidos nessas manifestações.[4] E o fantasma do fascismo ainda nos ronda.

 

 

Carlos Carvalho Cavalheiro

21.04.2020

 

[1] https://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2011/04/06/neonazistas-ajudam-a-convocar-ato-civico-pro-bolsonaro-em-sao-paulo.htm

[2] https://www.cartacapital.com.br/tecnologia/a-onda-bolsonaro-e-o-despertar-do-neonazismo/?__cf_chl_jschl_tk__=814d3ad717dd59cc58dd2351ab9d8959d63c3760-1587514337-0-ARCIef2IRfd1D-vDRzVS2_uo1R7d5WA-GYphVdFAea2ftOKtliqgS0sYdzZFwQRJOIK5QEDnuQLLnCe1etVzpN73X3Sly2r57Ka-_N5rjXlmg6qPc3FUdoDKACMlzx9yNcVW2MmM4IVHsAJxIa1rkMUOsIi6efEygw7SEYy19nrCsvkhdiG_NmKOM5E76xLvQitaUDRB9sLSxosEvWNc60MoZT7UnxKZSLWPuf3CjGpHUrmg1OqE1soBCX5f2OgcJqZ4PaP3PAylvCH7Maqp9WCnXQwlIVCm1KhFypglFchPe2gQFbZx1JFyzUd4VgEya6P42u698y0lM8qJt3-USX4

[3] https://br.blastingnews.com/politica/2020/04/video/apos-participar-de-manifestacao-pedindo-ai-5-bolsonaro-recua-sobre-congresso-e-stf-005351001.html

[4] https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/politica/2020/04/20/interna_politica,846489/aras-pede-a-stf-inquerito-sobre-atos-que-defenderam-novo-ai-5.shtml