No Quadro de colunistas do ROL, a juventude literária de Ercídia Correia, a Lady Book!

19/10/2021 09:23

Ercídia Correia – Lady Book

Com  a jovem escritora e poetisa Ercídia Correia – Lady Book – os laços literários entre Angola e Brasil se estreitam ainda mais!

Num processo contínuo de internacionalização, o Jornal ROL tem atraído colunistas de Portugal, Equador e Angola.

Lady Book, a terceira colaboradora de Angola, é o pseudônimo de Ercídia Correia, 20, natural de Luanda, ensinada desde muito cedo pela mãe a ler e gostar de literatura e com uma coleção de mais de 200 livros de diversos títulos e tamanhos. E a leitura, incentivada maternalmente, de forma natural se transformou em escrita e já faz parte da sua vida diária.

–  Não faço mais nada além de estudar medicina e ler. – diz ela, entre risos. – E comprar livros, obviamente.

Ercídia é estudante de medicina e residente em Cuba temporariamente.

A jovem escritora, que tem por passatempos favoritos escrever, comprar livros e assistir a séries de TV, escreveu o seu primeiro romance aos 15 anos.

Em 2017 tornou-se oficialmente escritora em Angola com o seu ousado Império (Editorial Eco7), livro que aborda temáticas juvenis, forrado pela luta territorial entre dois irmãos. Em 2018  lançou a tão esperada sequência do primeiro livro:  Império vs Irmandade (Yossu Editora), com um estilo romancista novo e tão diferente do estilo angolano, mas sempre muito espirituosa. Ercídia deleita-se a brincar com as regras literárias que ela considera não existirem.

O Fardo de amar é o seu terceiro livro e é também a sua estreia nos mercados literários português e brasileiro em formato e-book.

Lady Book, de certa forma, já é conhecida dos leitores do ROL, pois, recentemente, concedeu uma entrevista ao também colunista e seu conterrâneo, José Bembo Manuel, que pode ser lida, acessando-se o linque no final do texto inaugural de Ercídia.

É esta jovem angolana que o ROL tem o prazer de apresentar a seus leitores, agora como colunista, e que estreia sua colaboração com o poema

Amores que rimam

Ela adorou o poema

Escreverei um para ela

Mas do que falar?

 

Falar da vida? Não!..

Do amor? Nem sei…

 

Há que viver para saber!

 

Se a vida é rimas de gente

Então o amor é rimas de afecto… sentimentos…

 

Se tem de ser correspondido

Então é rima emparelhada

Dois a dois

 

Se o primeiro ama o terceiro

E o terceiro ama o segundo

Então cruzou

Esses não conhecem o amor

 

Aquele que não sabe o que sente

É incandescente…

Ama mas não sente

São encadeados

Eu cá lhes poria um cadeado

 

E os interpolados

Ah! Esses rimam com os últimos

Fazem sempre sofrer os de lado

 

De Angola, José Bembo Manuel entrevista sua conterrânea, a escritora contemporânea Lady Book

 

 

 

 

 

 

 

Tags: