Marcus Hemerly: ‘A sensibilidade histórica e humana aos olhos de John Steinbeck’

04/06/2021 19:56

Marcus Hemerly

A sensibilidade histórica e humana aos olhos de John Steinbeck

The Grapes of Wrath – As Vinhas da Ira, 1942. Direção de John Ford.

 “De todos os animais da Criação, o homem é o único que bebe sem ter sede, come sem ter fome e fala sem ter nada que dizer” (Steinbeck)

 

Quando se fala dos ganhadores do prêmio Nobel de Literatura, impossível não rememorar as palavras imbuídas nas obras do californiano nascido em Salinas, no ano 27 de fevereiro de 1902, como John Ernst Steinbeck, autor de uma das obras mais importantes do século passado. Em uma entrevista famosa, o autor Jô Soares, renomado intelectual por todos reconhecido, cita o romance ‘Cem Anos de Solidão’, de Gabriel Garcia Marques, como leitura fundamental do século XX. O mesmo poderia ser dito acerca de ‘As Vinhas da Ira’, originalmente publicado em 1939, quando o escritor já detentor de considerável sucesso, após uma número considerável de trabalhos, inclusive como roteirista, narra os dramas da grande depressão dos anos vinte nos EUA, por meio da saga da família Joad.

No citado período histórico, inúmeras almas erravam pelo território norte-americano em busca de trabalho, não raro, acabando nas filas do pão e albergues, com a fome insaciável de reconstrução individual, deflagrada pela Crash de 1922, que afetou toda a nação. Nesse contexto, a família protagonista,  cruza as estradas poeirentas em busca de um dia de labor por um prato de comida. Vislumbram-se, naquele cenário, os anseios de um futuro melhor, pelo olhar ingênuo das crianças, alheias à sua cruel realidade por suas mentes pueris.

Vários romances históricos revelaram nas descrições de cenários e acontecimentos, a alma de um período, entrelaçada entre colóquios de personagens dissecados numa trama envolvente. Ainda que involuntariamente político combativo, ecoava em suas obras as vozes dos oprimidos. Com uma escrita dramática, inclusive no romance ‘Homens e ratos’, retrata em ‘As Vinhas da Ira’, os desprezados trabalhadores migrando – ou melhor seria, vagando – para a Califórnia na Grande Depressão, traçando um sensível diagnóstico da apatia social. Decerto, alguns poderiam paralelizar tais feições ao conceito de modernidade líquida de Zigmund Bauman em contraposição à modernidade sólida, em sua roupagem, ainda que não contemporânea, elevada à sua forma mais intensa.

Embora alvo de críticas, tanto pela qualidade de sua escrita por algumas vertentes críticas, e por uma premiação controversa no Nobel de 1962, o que se descortina como inquestionável, tal como retratado pela pena dos mais requintados e sensíveis artistas, é a visão do sofrer impingido aos sem escolha. Os entregues às vicissitudes do acaso e ao poderio do baronato, de uma forma crua, direta e verdadeira. Nesse viés analítico, repise-se, ao lado de Garcia Marquez, Umberto Eco, Thomas Mann e outros gigantes, Steinbeck é literatura fundamental/obrigatória do século XX.

 

Marcus Hemerly

marcushemerly@gmail.com

 

 

 

Tags: