Magna Aspásia Fontenelle entrevista a psicóloga escritora Katia Krepsky Valladares

26/10/2021 03:39

“Acredito que quando fazemos nosso trabalho com amor, ajudamos a melhorar o mundo ao nosso redor. Acredito que o mundo se torna um lugar melhor para cada um, quando cada um é melhor para si mesmo e para o seu próximo.”

Katia Krepsky Valladares Silva é escritora, autora, palestrante e conferencista, doutora e Mestre em Educação, graduada em Psicologia e Ciências Sociais, pela Universidade Federal Fluminense (UFF/RJ). Possui especialização em Tecnologia Educacional (A.F. E), pela Universidade do Grande Rio (UNIGRANRIO/Rio de Janeiro), em Psicomotricidade, pela Faculdade Maria Thereza (FAMATH/Niterói/Rio de Janeiro), em Sócio psicomotricidade, pela Faculdade de Humanidade Pedro II (FHP/Rio de Janeiro), em Sexualidade Humana, pela Universidade Estácio de Sá (UNESA/Rio de Janeiro), em Gestão de Negócios e de Pessoas, pela Universidade Cândido Mendes (UCAM/Rio de Janeiro).

Atua como Psicóloga Clínica e diretora do Instituto de Psicologia e Sexualidade (IPSYS/Niterói/Rio de Janeiro). Docente da Secretaria Estadual de Educação (SEEDUC/Rio de Janeiro). Possui mais de 20 obras publicadas e reeditadas, inclusive em outros idiomas. Orientação Sexual na Escola; Dail The Monkey Without a Tail (Babo, o macaco sem rabo) Mafalda-Invejosa; Pêpa e Papo; Gápole; A TV e o Comportamento Sexual do Adolescente; Mimosa, dentre outras.

Autora e coautora de artigos científicos, antologias. Desenvolve trabalhos na Área de Educação, Orientação Sexual, Saúde, Prevenção das Doenças Sexualmente Transmissíveis, e Sexualidade feminina, dentre outros temas.

1- Quem é Kátia Valladares?

Katia: Sou Psicóloga, Sexóloga, Cientista Social e escritora. Sempre trabalhei muito e faço minhas atividades com dedicação. Procuro dar o melhor de mim em tudo que faço. Acredito que quando fazemos nosso trabalho com amor, ajudamos a melhorar o mundo ao nosso redor. Acredito que o mundo se torna um lugar melhor para cada um, quando cada um é melhor para si mesmo e para o seu próximo.

2- Você possui formação acadêmica nas áreas da Psicologia, Ciências Sociais e Letras. Como se deu a escolha por essas áreas?

Katia: Minha primeira graduação foi em Psicologia. Me formei em 1990, em Niterói/RJ. Sentia uma incompletude em minha formação acadêmica e busquei compreender o ser humano de forma mais abrangente. Esse olhar me levou ao reingresso acadêmico na graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal Fluminense. Não sou formada em Letras, mas sempre as amei! Gostava de ler e escrever desde a infância. Comecei a escrever estórias aos 12 anos de idade. Escrevia peças teatrais para a família. Construía o enredo, os figurinos, ensaiava os textos com os primos e apresentava o resultado final nas festas de final de ano da família.

3- Quais os maiores campos de atuação do psicólogo na atualidade?

Katia:  A Psicologia tem se estendido por várias áreas da vida humana. Está presente na Educação, na Saúde, nos Esportes, no Trânsito, nas organizações públicas e privadas do mundo todo. Além disso, tem se mostrado uma ferramenta excelente no tratamento e ajuda das pessoas com enfermidades mentais, especialmente durante a Pandemia de Covid, quando as pessoas se viram em situação de fragilização física e emocional. A Psicologia abrange todas as etapas do desenvolvimento: do nascimento a idade madura.

4- Como você concilia seu trabalho como psicóloga e escritora?

Katia: Sempre atuei em várias frentes: trabalhando nas escolas, atuando como psicóloga clínica e também como escritora. Diria que essa conciliação nunca foi fácil, mas foi possível. O trabalho na área clinica muitas vezes fornece elementos importantes para a construção dos temas utilizados em minha escrita. Escrevo sobre sexualidade, mulheres, sentimentos, afetos e desafetos, perspectivas de mudança e outros temas correlatos. De certo modo, a clínica é o local no qual todos esses temas estão presentes. Entretanto, o tempo disponível para a escrita se torna mais curto, mais corrido.  Preciso sempre otimizar o meu dia para poder cumprir com meus compromissos assumidos, com o atendimento clínico dos meus pacientes e com os eventos familiares e sociais.

5- Fale-nos do seu livro “A TV e o Comportamento Sexual do Adolescente”.

Katia: Esta obra foi fruto do meu trabalho de TCC na graduação em Psicologia. Foi uma pesquisa de campo com adolescentes de ambos os sexos estudando regularmente no oitavo ano de escolarização, antiga sétima série. Eu pretendia avaliar a influência da TV no comportamento sexual dos adolescentes. Devo lembrar que a pesquisa foi feita numa época na qual não havia internet ou mídias digitais. As pessoas viam TV e ouviam rádio.

Escolhi a TV como objeto de pesquisa pela pregnância da mesma na vidadas pessoas. Fiquei impressionada com os resultados! A TV influencia tremendamente o comportamento das pessoas, especialmente a camada adolescente da população.

6- Tens livros publicados relacionados à psicologia?

 Katia: Sim, algumas obras relacionadas a Psicologia e Sexualidade. A obra “ A TV e o comportamento Sexual do adolescente” é um trabalho utilizado tanto na área da Psicologia quanto da educação. Há também o livro “ Orientação Sexual na escola” que entrelaça saberes educacionais e Psicológicos. Tenho publicações individuais e coletivas, como é o caso da obra” Educação; Cartografias, Criatividade e Diversidade, lançada na Bienal Internacional do Livro em 2018, na cidade de São Paulo. Este trabalho é resultado da parceria e amizade entre um grupo de professores das esferas pública e privada. É uma coletânea de artigos que refletem experiências pedagógicas vivenciadas nas escolas e universidades nas quais estes docentes lecionam.

7 – Conte um pouco como foi o seu despertar para a escrita. Em qual momento você se reconheceu como escritora?

Katia: Ler e escrever sempre me deram muita alegria e prazer. Me identificava como a área humana e na escola, eram as disciplinas que obtinha melhores resultados acadêmicos. Sempre amei escrever redação e os professores me incentivavam a desenvolver esse talento nato. Publiquei a primeira obra literária após um Concurso Literário do Estado do Rio de Janeiro.

A Obra infantil “ Florilda” foi premiada e assim, me animei a publicar algo que havia escrito. Depois foi uma sucessão de novos livros: “Gápole”, “Miloca”, “Babo, o macaco sem rabo”, “Mafalda”, “ Mimosa, a semente medrosa”, dentre tantos outros publicados a seguir. Participei de Feiras Literárias, Bienais Internacionais e Nacionais do Livro. Aproveitando cada oportunidade para divulgar meu trabalho e conhecer um pouco do trabalho de outros autores.

8 – Qual a importância da leitura e da escrita para você?

Katia: Fundamental! Diria que sem a escrita fica faltando uma parte importante de mim. Escrever é transmitir ideias, pensamentos, emoções e experiências sejam elas verdadeiramente vivenciadas ou criadas na imaginação. Através da escrita, conheci lugares, pessoas, cidades, experiências fantásticas!

A Leitura não tem a função de apenas informar ou formar o leitor, ela serve também para tocar no imaginário sensível que cada ser humano possui.

9 – Há algum projeto novo?

Katia: Sim, no momento estou envolvida com a Antologia do bicentenário de Fiodor  Dostoiévki, escritor russo, autor de várias obras-primas da literatura universal. Seus romances abordam questões existenciais e temas ligados à humilhação, culpa, suicídio, loucura e estados patológicos do ser humano. Estes temas foram e continuam sendo de extrema importância mesmo atualmente.

Também estou participando como autora, da obra coletiva “Perspectivas e Desafios na Educação Especial e Inclusiva”. Temos lançamento previsto na Bienal Internacional do Livro que acontecerá em dezembro de 2021.

10 – Deixe uma mensagem para os leitores do Jornal Rol.

Katia: Gostaria de agradecer ao convite da ilustríssima Dra. Magna  Aspásia Fontenelle para   participar dessa entrevista no  jornal Rol. É ótimo saber que a cultura e as letras têm espaço num mundo cada vez mais acelerado e confuso.  Sempre acreditei nas ideias novas, a poesia, a música e as artes, deixam o mundo mais colorido e bonito. Quero poder colaborar sempre com esse colorido. Se isso acontecer, ficarei feliz!

Muito obrigada pela sua participação.

Magna Aspásia Fontenelle.

 

 

 

 

 

 

Tags: