Lafam: ‘Para que o passado não nos assombre…’

13/04/2019 18:30

Luiz Antonio Faccin Arruda Miranda

PARA QUE O PASSADO NÃO NOS ASSOMBRE, PERSIGA NEM ATORMENTE NO FUTURO (COMO O FAZ NO PRESENTE), COM LATAS E BOMBINHAS AMARRADAS EM NOSSO PRÓPRIO RABO!

     As teorias, preceitos e paradigmas marxistas são absurda e absolutamente ridículos, inconsistentes e infantis, enganando a todos incautos estudiosos com falácias, prestidigitações, jogos de palavras, explosões e fumaça colorida, porém, sem nenhum embasamento científico, lógico e filosófico que resista a um exame minimamente sério. À semelhança do discurso freudiano, darwiniano e outros, que impressionam pela sua pompa e suposta racionalidade e objetividade, utilizam premissas falsas (que induzem a conclusões errôneas, embora, silogisticamente perfeitas), contradições, arbitrariedades e ambigüidades. E olhe que a Psicanálise ao menos apresentou algumas Idéias, conceitos e hipóteses de trabalho interessantes e válidos. No entanto, no “pensamento” marxista e derivados (materialismo histórico, dialética, crítica social, etc.), exemplos retumbantes de aberração intelectual, nada de válido encontramos, exceto talvez servir o conjunto de obras como mero material de propaganda, doutrinação, alienação e agitação.

 

 

Os supostos “cientistas e filósofos” marxistas, a exemplo de diversos outros embusteiros, simplesmente procuraram forjar modelos, sistemas, técnicas de Metodologia Científica, Ciências Sociais, programas político-partidários, padrões artísticos e literários, Economia e Filosofia que se amoldassem aos seus distúrbios psicológicos e existenciais. Para os criadores do marxismo, e os seus adeptos e seguidores de todos os Tempos e lugares, não importam as mentiras, as distorções e as falsificações semânticas, científicas, metodológicas, epistemológicas, sociais e históricas, desde que as suas teorias, técnicas e programas políticos contenham açúcar e veneno suficientes para atrair as Personalidades mais histéricas, sentimentalóides e obtusas, os miseráveis “idiotas úteis”!

 

 

Estamos interessados, neste artigo, em assuntos mais relacionados com a História em geral. Como sempre afirmamos, esta Ciência não é uma entidade, fenômeno ou energia misteriosa que existe e age por conta própria, conduzindo povos e indivíduos entre intrincados, inevitáveis, cíclicos e previsíveis Caminhos. Aliás, embora os panacas dos marxistas apreciem posar de ateus, materialistas e racionais, não conseguem dissimular, sobretudo neste particular, uma postura supersticiosa, repleta de Idéias mágicas e sobrenaturais. Repetimos: a História não é um Ser ou força sobrenatural que controla o curso dos acontecimentos humanos ou quaisquer outros. E apesar da nossa paixão por esta Ciência, que registra e interpreta os eventos pretéritos e presentes, podendo até prever e preparar o futuro, o quê nos move no momento é uma preocupação e um objetivo de ordem bastante prática e imediata.

 

Assim, a História, despojada de toda  mistificação, idealização e fetiche que os pseudo-intelectuais comunistas a ela atribuem, cuida tão-somente de anotar e analisar os episódios e infindáveis outros aspectos da Vida humana. Não existem “leis” que a governam, tampouco o destino de cidadãos e Países, muito embora o modo de se tecer tais narrativas pode sofrer distorções e enviesamentos incidentais ou propositais. Os fatos individuais, coletivos, nacionais e mundiais sofrem diversas influências de pessoas, populações, governos, grupos de interesse, circunstâncias naturais, etc. Há milhares de interferências de todos os tipos e níveis, claro, contudo, nada que se assemelhe a uma criatura transcendental, alienígena ou de qualquer espécie, chamada “Força da História”, com as suas garras, probóscides e tentáculos.

 

Com isto, estamos longe de considerar que não podemos nem devemos aprender com o passado, seja o nosso próprio ou da nossa Nação e até da humanidade, muito pelo contrário. Apreciamos sobremaneira a Vida e a Obra do majestoso Cientista alemão, Albert Einstein (1879 – 1955).  A sua autobiografia revela um homem profundamente bom, humanista e generoso. Antes de ser um grande Físico Teórico, mostrou-se Sábio. E nos toca e sensibiliza bastante a sua inspiração ao enunciar que insanidade é continuar fazendo sempre a mesma coisa  e esperar resultados diferentes.” Isto se aplica perfeitamente a problemas, disfunções e a todos os quadros e condições mais ou menos mórbidos do Corpo, da Mente e da Alma. Embora pareça terrivelmente óbvio, pouca gente pára para pensar e, pior ainda, para colocar em prática esta Verdade.

 

E passando da Física Quântica para a maravilhosa Mecânica Newtoniana, deparamos com a terceira Lei do Movimento, isto é, que “a toda ação de uma força aplicada sobre um corpo, corresponde outra força, igual e contrária”. A conhecida Lei da Ação e Reação é mais uma daquelas que cobra um preço elevado e doloroso a quem, deliberadamente ou não, ignorá-la. Consciente disso tudo e estando tais princípios entendidos e assimilados, o ser humano tem não apenas sobrevivido, mas melhorado enormemente a sua qualidade de Vida principalmente onde houver menos Estado, intervencionismo e controle. Afinal, a gente sabe não somente que “a ontogenia repete a filogenia”, mas também que “como é cima, é embaixo”, dentro e fora, no pequeno e no grande: uma criança mimada, paparicada e estragada, há de ser alguém incompetente, infeliz e frustrado… Similarmente, um cidadão encabrestado pelo Governo se tornará um parasito, preguiçoso e mimizento.  Cidadãos dependentes, Estados paquidérmicos:  eis o ideal socialista!

 

Um regime totalitário é o quê pode haver de pior, mais repulsivo e nefasto em termos de organização política e administrativa de grupos humanos. Somente a individualidade pode assegurar a real Identidade de homens e mulheres, assim como o seu lugar e a sua essência na Ordem geral e natural das coisas, como, por exemplo, ritmo, aptidões, vontades, gostos e preferências. Pessoas com desenvolvimento mental, emocional e/ou espiritual incompleto ou deformado, preferem abdicar de toda a Liberdade, sobretudo de ser, escolher e realizar. Sentem uma purulenta, comprometedora e perniciosa necessidade da sombra protetora, opressora e controladora de uma imago sucedânea paterna ou materna, na figura de burocratas e agentes de segurança impessoais, autoritários e esvaziados afetivamente. O Estado policial onipotente, onisciente e onipresente garante aos cidadãos a isenção da necessidade de tomar qualquer decisão, assim livrando-os de preocupações, ansiedades e, principalmente, responsabilidades. Acontece que alguns supostos bônus correspondem a ônus pesados: ninguém deixa de ser humano, sem se tornar outro Animal qualquer! Uma rês na manada não precisa escolher nem provar nada, basta seguir a multidão e o resto que se dane…

 

Trazendo tais reflexões para mais perto de nós, geográfica, política e historicamente, precisamente ao ano de 1964, desejamos tecer algumas considerações e, se possível, exortar a nossa brava e amada gente brasileira, bem como aos nossos irmãos de todos os rincões da nossa linda Terra. Apesar de nossos escassos recursos para difundir essas Idéias, preocupações e propostas, bem como sermos, com toda honra e orgulho, outsiders dos nefastos, obscuros e vermelhos meandros acadêmicos, julgamos tais assuntos extremamente sérios.  Tudo  bem, reconhecemos que não tem cabimento ficarmos encafifados o Tempo inteiro com questões a respeito das quais estamos excluídos dos centros de decisão, porém, é nosso dever e salvação saber o que acontece no Mundo e, até onde der, nos bastidores. E embora a chamada “opinião pública” atualmente não passe de fetiche e fantoche nas mãos dos canalhas comunistas internacionais, “politicamente corretos”, um povo consciente, livre e capaz de se mobilizar ainda consegue conquistar muitos pontos nesse jogo todo – quiçá, possa até virá-lo. Infelizmente, muitos ainda se revoltam contra o Senhor Moisés, em decorrência dos percalços e agruras do Deserto da Liberdade, preferindo a degradante condição de escravos do Faraó…

 

 

Os malditos e ignóbeis esquerdistas utilizam o pretexto de lutarem contra a Ordem, a Tradição e os Valores existentes para encobrir as suas deficiências intelectuais, físicas e, acima de tudo e de todos, morais, éticas e caracterológicas. Onde se faz necessário o emprego de dedicação, esforço e coragem, bem como que se possua idoneidade, honestidade e criatividade, os porcalhões dos marxistas alegam que tudo isto são valores burgueses ou judaico-cristãos, negando-se a lutar ou competir limpamente. Utilizando-se, atualmente, dos meios democráticos, conservadores e convencionais das eleições para conquistar o Poder, tão logo obtenham sucesso, não importa se fraudulentamente, cuidam de destruir as passagens, pontes e linhas sistêmicas, a fim de se perpetuarem ali. Simultaneamente, proíbem, perseguem e eliminam qualquer crítica, questionamento e oposição. Valendo-se de violência, repressão e censura, contando com forte aparato policial-militar e dos serviços da inteligência e contra-espionagem, proclamam que “os fins justificam os meios”, alegando a defesa dos interesses do proletariado e o ideal de “liberdade-igualdade-e-fraternidade”! Exploram o povo, apropriam-se do que não produziram e vivem nababescamente.

 

 

Exercem a sua hegemonia a partir da propaganda, da formação escolar e universitária, da intimidação e, principalmente, mediante a manipulação da Percepção (da população em geral) – na Publicidade e na Informação. Através do controle da mídia e da Indústria Cultural, inventam mitos, fábulas ou simples mentiras a propósito de atualidades e da História, sem escrúpulos de falsificar dados, datas e fatos. Contando com os préstimos dos canalhas da Engenharia Social, moldam os Pensamentos e os Sentimentos dos indivíduos e das massas. Tudo é minuciosa e completamente estudado, planejado e implantado, ainda que não haja nenhuma garantia de que os resultados sairão a contento. O ser humano, para o Bem e para o mal, é imprevisível, contraditório e inconstante. Nem sempre age e reage benevolente ou coerentemente, mesmo em relação a si. Pois muito bem, a década de 1960 foi uma época de muito fervor, grandes acontecimentos e, mais que tudo, inúmeras fantasias, desinformações e mistificações. Os manipuladores gramscianos e frankfürtianos, valendo-se do incremento tecnológico mundial e da sua tomada da direção de Governos, centros de Educação básica, média e superior, Notícias e Produções artísticas, literárias e editoriais em geral, desencadearam muitos movimentos, bem como uma adulterada documentação (jornalística, sociológica e histórica), com todo o glamour, romantismo e babaquice que podiam.

 

Suscitaram, com isto, uma visão e interpretação estereotipadas nas gerações seguintes, que sonhavam com um Tempo legal, em que os jovens idealistas protestavam contra o “materialismo, o consumismo e todos os valores repressivos, competitivos, individualistas e limitantes”. Acontece que para a imensa maioria dos adultos, conscientes e responsáveis, a Vida cotidiana continuou normal: o sistema e os mercados funcionando bem, prosseguindo na oferta de roupas, alimentos, eletrodomésticos, medicamentos, serviços médicos, hospitalares e odontológicos, e uma séria de outros confortos, entretenimentos e demais vantagens da modernidade, da Propriedade Privada e da Livre Iniciativa. E os agentes culturais subversivos promovendo confusões, reinvidicações estapafúrdias (liberação de drogas, promiscuidade sexual, aborto, destruição da Família, Estados totalitários, etc.). Protestos contra a organização e intervenção das Forças Armadas ocidentais, principalmente as norte-americanas, que sempre defenderam a Democracia, a Liberdade e a Ordem. Aceitavam ou fingiam ignorar as invasões do imperialismo soviético, pilhando, subjugando e escravizando Nações no Mundo inteiro, como na Europa Central e Oriental, Sudeste Asiático, África, América Latina…  A Verdade, contudo, é bastante diferente. Os hippies não eram criaturas dóceis, alternativas, ligadas na Natureza e na Alma, “inspiradas cosmicamente”. Muito pelo contrário, tratava-se simplesmente de drogados, bêbados, sujos, mal-cheirosos e vagabundos.

 

 

Embriagados de Ácido Lisérgico, Cannabis Sativa e Indica, Álcool Etílico e, posteriormente, Metanfetamina, de um lado, e de Filosofia oriental, teses marxistas camufladas e ideologias fraudulentas de pacifismo, por outro lado, representaram uma mera massa de manobra para a macabra e monstruosa elite da intelligentsia mundial. Enquanto a Guerra Fria se apresentava oficialmente entre discursos de dirigentes americanos, aliados ocidentais e inimigos do bloco socialista, a infiltração comunista se processava sutil e celeremente na Organização das Nações Unidas (ONU), nos veículos de Comunicação de massa, nas Universidades, nas Agências estatais, nos Conselhos, nas Secretarias públicas e no Congresso: dentro do próprio Governo dos Estados Unidos da América! A revolta dos estudantes franceses se refere à outra farsa que a esquerda mundial armou. Operários de barriga cheia, “Filósofos, Escritores e Intelectuais” cínicos e pedantes, estudantes mimados, e políticos safados e oportunistas, promoveram badernas, vandalismos e saques para nada. Nem sabiam contra o quê ou quem estavam tão raivosos. Então, os jovens passaram a pedir mais liberação sexual nos alojamentos dos campi universitários. O tal “Maio de 1968” se tornou a marca preferida de babacas sonhadores, fantasiosos e alienados.

 

 

Enquanto isto, bandidos, assaltantes e assassinos se juntavam, adotavam títulos clichês, tipo, “frente nacional, popular” (ou com o nome de algum criminoso endeusado) “de libertação nacional”, punham-se a afrontar a população e enfrentar as Forças Policiais e Militares de republiquetas das bananas centro e sul-americanas, e pronto: caíam nas graças, benesses e adulações da esquerda-caviar internacional, da ONU, de Fundações como a Ford, Rockfeller e o Clube Bilderberg da Vida… As tentativas reais de libertação e independência de Países como a Hungria, a Romênia, a Polônia e a Tchecoslováquia, que desejavam votar nos seus governantes e ouvir The Beatles, por exemplo, foram brutalmente sufocadas e massacradas por tropas soviéticas, diante da omissão e do silêncio vergonhoso e sórdido da comunidade internacional!  A indecente Imprensa do Mundo inteiro, completamente dominada por corjas de comunistas, não noticiou nada! Ninguém atendeu aos apelos dramáticos daquela intrépida gente, que padeceu primeiro sob a opressão nazista e, depois, da soviética!

 

     Assim que os marginais cafajestes se instalavam política, militar e administrativamente como ditadores num dado País miserável, em seguida a ONU e representantes de regimes opressores e comunistas reconheciam o novo governo. A execrável União Soviética imediatamente desembarcava ali, além de tropas do Exército e da polícia política, supostos “conselheiros” para auxiliar na organização e implantação da administração socialista, quando de fato tomava posse de mais um território para o seu feudo. Desde o início da escravatura bolchevique na Rússia, tornou-se a sua capital, Moscou, uma espécie de centro internacional das “revoluções”. Todas as decisões, orientações, normatizações e julgamentos eram realizados em estrita obediência às diretrizes e ordens do Kremlin. A elite revolucionária de marginais, que assumia o Poder pela força das armas ou através de fraudes eleitorais, apenas seguia a cartilha e aplicava as políticas financeiras, educativas, administrativas, ideológicas e culturais determinadas pelo secretário-geral do Partido Comunista da União Soviética e o seu Politburo!

 

O estúpido, safado e genocida revolucionário chinês, Mao Tsé-Tung (1893 – 1976) era fã de carteirinha dos canalhas soviéticos e particularmente do psicótico e paranóico georgiano, Josef Stalin (1878 – 1953), no qual se inspirou em todos os níveis e sentidos, mesmo tendo sido sempre humilhado e desprezado pelo dirigente soviético desde o primeiro encontro, quando esperou três horas para ser atendido. Mao, por crueldade ou mera burrice, foi o responsável pela morte de mais de 60 milhões de chineses: não foram apenas as perseguições políticas, a truculência policial e a revolução cultural as responsáveis por esse número estarrecedor. O miserável ditador queria entrar na competição dos Países socialistas, cujo critério de avaliação era o desempenho na indústria siderúrgica. Quem, dentre as ditaduras comunistas, produzisse mais vigas, fios, cabos e outros artefatos de aço, gozava de mais autoridade e prestigio! Então, o cretino do secretário-geral do Partido Comunista que (a exemplo dos soviéticos) governava a China, parou ou reduziu todas as outras atividades, inclusive agropecuárias. O povo mobilizado, doando tudo o que tinha de metal, para ser derretido, como panelas, fechaduras de porta, ferramentas, etc.  Todo o material produzido era vagabundo e sem nenhuma utilidade, sendo posteriormente…  jogado no lixo!  E a fome se generalizou e alcançou aquela cifra inacreditável  de mortos!

 

Noutra feita, achando que os Pardais comprometiam a produção agrícola ao devorar as sementes, a população inteira foi instada pelo governo a caçar e acabar com os Pássaros.  Valia tudo, inclusive ficar produzindo ruídos direto, a fim de não permitir que eles repousassem. Tiveram sucesso em extinguir a espécie ornitológica na China, só que não resolveram o problema de proteção às plantações, pelo contrário, pioraram-no, pois sem os predadores, Anelídeos como as Minhocas, e outras espécies, multiplicaram-se vertiginosamente, tornando-se verdadeiras pragas, que acabaram com o quê restava da lavoura. O canalha do Mao Tsé-Tung encarnava o típico Calígula, absolutista, hedonista, egocêntrico e mau-caráter. O miserável dispunha de um harém, comia e bebia porcamente, detestava ler e estudar, embora se achasse sábio e iluminado – muito parecido com o nosso babaca tupiniquim, o ex-presidente pernambucano, Luiz Inácio Lula da Silva (1945 –… outro que, desgraçadamente, ainda está vivo). As besteiras que coligiu no seu famigerado LIVRO VERMELHO não passam de justificativas inconscientes e mecanismos de defesa psicológicos e institucionais, disfarçados de “metafísica marxista ou dialética”. Assim, quando propõe a manutenção de uma “revolução permanente” não está pensando em meta-revolução, revolução dentro das revoluções ou coisas do gênero, apenas visa a manter perenemente um estado de exceção e emergência, para continuar torturando, trucidando e sufocando Mentes pensantes, questionadoras e contestadoras.

 

E o suposto rompimento entre os comunistas de Pequim e os de Moscou, explica-se muito facilmente. Após a morte do desgraçado do Stalin, o seu sucessor, o russo Nikita Kruschev (1894 – 1971), mesmo tendo sido amigo e homem de confiança daquele, e se desincumbido mito bem de exterminar milhões de ucranianos, não se sentia nada bem com a sua “Consciência” e no XX Congresso do Partido Comunista da União Soviética, em 1956, acabou confessando todos os crimes, atrocidades e extermínios do seu antecessor. O torpe Mao Tsé-Tung entrou em pânico: imagine se a chinesada resolvesse fazer o mesmo: denunciá-lo, violar os arquivos confidenciais do governo e da polícia secreta, que horror (e que terror)! Assim, o pulha oriental acusou os russos de “revisionistas” e cortou papo com eles, provocando um falso alívio nos Democratas mais ingênuos do Ocidente. Não se tratava realmente de uma cisão no Império vermelho… Só que no Brasil, por exemplo, isto resultou em PCB (Partido Comunista Brasileiro), de orientação soviética, e PCdoB (Partido Comunista do Brasil), fiel aos maoístas… O atrito, todavia, não passou de uma rusga de casais. Os beócios dos esquerdóides vêem a coisa como uma das voltas do parafuso dialético na porca histórica da revolução internacional que, felizmente, só acontece no imaginário delirante deles!

 

 

Na Realidade, o Mundo vem sendo manipulado, ludibriado e conspurcado há muito Tempo, mais exatamente desde o chamado Renascimento Cultural, na Europa, do século XV em diante… O Iluminismo visava mais cegar do que qualquer coisa. Um sinistro jogo de xadrez com os movimentos de peças (homens e Animais) vivas, previstos com a antecipação de séculos. Um quebra-cabeça cujas peças, aparentemente, não se encaixam nem compõem o mesmo desenho. Uma descoberta ou invenção aqui, um homicídio ali, um decreto, uma greve, uma sublevação, um colapso na Bolsa de Valores. Um manifesto, artigo ou livro publicado ou censurado.  Gente usada, abusada, seduzida. Papas obcecados por sexo, comilões e boas-vidas. Idiotas úteis à disposição. Intoxicação, delírios e idealismos pueris e românticos. Suicídios. Crescimento industrial e urbanização. Explosão demográfica, com fogos de artifício e munição de festim. Crises sociais, políticas e financeiras arranjadas e guerras planejadas…  E a partir do século XVIII, o cumprimento cada vez mais cabal e descarado da Agenda Comunista e dos Protocolos dos Sábios do Sião ? A Verdade, pura, completa e assustadora ou fragmentos da mesma para dar aparência de verossimilhança às mais grotescas farsas, mentiras e encenações ? As perguntas são, geralmente, a própria resposta. Talvez mera retórica, licença poética, força de expressão, não importa, não há o quê se afirmar, negar, sustentar ou conhecer deveras, porque os fatos podem perfeitamente se tornar pacotes fétidos e fedidos de excremento que a Vida vem, sem nenhuma gentileza, Amor e propósito ou espírito didático, esfregar no rosto de quem insiste em não perceber a obviedade de tudo.

 

 

E por todas as partes os agentes, sabotadores e contaminadores marxistas culturais foram se infiltrando e lançando os germes e as sementes do mal, da desarmonia e da destruição. Agindo como aquelas pessoas dadas a futricas, intrigas e desentendimentos, têm dividido as populações e as sociedades, suscitando aversões, intolerância, inimizades e mágoas. Através de filmes nefastos, literatura ordinária, telenovelas tóxicas, imprensa mentirosa, romantização das sujeiras, Sentimentos depressivos, exaltação da promiscuidade no show-business, disseminação de drogas químicas, falsificação e conspurcação da História antiga e moderna, a esquerdalha tem se concentrado em solapar a Família, as Religiões, a Educação e a Cultura, o Patriotismo, a Cidadania, a Dignidade, os Valores éticos e morais…

 

 

Aproveitando-se de algumas tendências e inclinações humanas mais ou menos normais, como comodismo, preguiça e barateamento emocional, os comunistas têm gerado fileiras imensuráveis de zumbis, analfabetos funcionais, mimizentos frívolos e medíocres. O homossexualismo em si não é um Bem nem um mal, seja do ponto de vista individual ou coletivo, porém, quando induzido com intenções deletérias e, a seguir, sofre ideologização, converte-se numa força negativa, incontrolável e (auto-)destrutiva. Os Engenheiros de Controle Social investem maciçamente no sentido de induzir e estimular as relações homossexuais, com o fito de deixar a situação em todo o Planeta cada vez mais caótica, sem capacidade de auto-regulação, defesa e sustentabilidade. A homossexualização artificial, massiva e, portanto, dirigida, presta-se a muitas finalidades, como criar novos grupos, divisões e antagonismos (homo versus heterossexuais), formar subgrupos marginalizados, espalhar conflitos internos, insatisfação pessoal e Transtornos de Humor, paralisar cidadãos capazes de enfrentarem inimigos da sua Liberdade, usurpadores da Propriedade e coletivistas. Conforme o padrão social, qualquer orientação sexual pode ser utilizada como fonte de manipulação e chantagem.  Brancos contra negros, ambos contra amarelos; pobres e ricos se odiando…

 

O esquerdopata, seja qual for a sua etiologia, configuração de Personalidade e dinâmica afetivo-sexual, representa um estrupício da pior espécie. Reúne os piores sintomas, características e idiossincrasias de diversos quadros nosológicos da Psiquiatria. É uma gente que por completa carência de afetividade ou, pelo contrário, por excesso de tal carga, torna-se desajustada, sofredora e perigosa. Ainda que abrace essa ideologia com o mero intuito de se dar bem, sem esforço, na obtenção de riquezas, poder e status, demonstra uma índole tíbia, esquiva e desonesta. Se o pessoal é movido por uma sensibilidade extrema e descompensada, repleta de culpas e da necessidade de apaziguamento de ansiedades e angústias primárias, então nem o seu perfil nem o seu quadro inspiram qualquer otimismo.  Aqueles que aderem às correntes totalitárias padecem de déficits cognitivos, emocionais, espirituais, morais e éticos severos!

 

A subversão contínua, sistemática e repulsiva dos vermelhos vai colocando o Mundo de pernas para o ar, provocando sofrimento, miséria e desespero, eliminando o Bom-Senso, a esperança e a boa vontade. Cumprindo os piores vaticínios apocalípticos, os menores são escandalizados! O certo e o errado se confundem! As Leis, os hábitos e os costumes não mais estimulam os bons elementos ou inibem os maus. A deturpação é completa: as palavras não traduzem mais o quê, semântica e etimologicamente, significam (“novilíngua”)! Os canalhas esquerdóides se intitulam a si próprios de “progressistas” ou liberais”! A Igreja Católica está cada vez mais infestada de marxistas, a ponto de alguns setores “revolucionários” assumirem descaradamente o seu engajamento, como os crápulas da “Teologia da Libertação”! E muitos modismos têm sido inventados para adoçar e aguçar a imaginação, as fantasias e a alienação da galera, com fragmentos adulterados e descontextualizados da Cultura Oriental, como Astrologia, Cartomancia e o conceito de Nova Era, que realmente não diz nada de verdadeiro, concreto ou profundo, e só movimentou um pouco o mercado fonográfico com Músicas entorpecentes e arrítmicas, a publicação de livros pseudo-esotéricos e noções de que determinadas conjunções galácticas e interestelares propiciarão uma humanidade “mais fraterna, espiritualizada e ecológica”… Pois, sim! Aqui no Brasil estava tudo, desde há bastante Tempo, pronto e preparado para o bote final dos diabólicos comunistas. Segundo alguns estudiosos e pesquisadores, por exemplo, a ação mais direta teve início com o governo fétido do mineiro Juscelino Kubitschek (1902 – 1976), que ocupou a Presidência da República de 1956 a 1961.

 

Ele era corrupto, mau-caráter e imbecil como todo esquerdista, tendo recebido muito dinheiro de alguns industriais da área automobilística americana, para sucatear a nossa malha ferroviária e investir pesadamente em estradas de rodagem. O desgraçado mandou construir o Distrito Federal numa região afastada do então principal centro urbano e popular, além de contratar os serviços de homens ligados ao PCB, como o Arquiteto carioca, Oscar Niemeyer (1907 – 2012), que utilizou conceitos urbanísticos, arquitetônicos e decorativos marxistas. E poucos notaram que, geograficamente, Brasília não se localiza no centro do Brasil, mas da América do Sul, pois antes mesmo da merda do Foro de S. Paulo, a intelligentsia verde-e-amarela já sonhava com a babaquice de uma “Pátria-Mãe”, uma união latino-americana de ditaduras socialistas! Por aqui tudo estava já no ponto para sermos entregues ao Cominter soviético! Os nossos governantes, alguns setores das Forças Armadas, certos Empresários (principalmente da Imprensa, Estações de Rádio e Televisão, Editoras, Escolas e Universidades) e inúmeras personalidades e autoridades públicas já haviam destrancado as portas e janelas da nossa casa, desligado o sistema de alarme e narcotizado os Cães de guarda! Agentes do serviço secreto, como a KGB (soviética) e a StB (theca), transitavam da Europa para cá, via Cuba, e de suas bases, nas respectivas Embaixadas, para encontros com informantes e agentes brasileiros, instalados no Congresso Nacional, em Secretarias, Ministérios e Gabinetes,  com a maior cara-de-pau, tranqüilidade, segurança e desenvoltura. Políticos recebiam garrafas de uísque, jóias, dinheiro, e ordens para fazer discursos detratando os Estados Unidos da América e hipotecando apoio e solidariedade à ditadura, ao genocídio e à repressão cubanos!

 

 

     De fato, não foram os nossos amados irmãos militares que “deram um golpe” ou qualquer coisa assim. O então “Presidente”, o porcalhão do gaúcho, João B. Marques Goulart (1918 – 1976) havia fugido para o Rio de Janeiro, depois para o Rio Grande do Sul e se dirigia ao Uruguai, onde possuía muitas fazendas de criação de gado (as quais jamais cogitou de distribuir em reforma agrária). Pretendia se juntar ao restante da corja vermelha, como o bandido, também gaúcho, Leonel Brizola (1922 – 2004), seu cunhado e “camarada”, que recebera armas da URSS e pretendia repassá-las à Liga dos Camponeses! O Deputado Federal paulista, Ranieri Mazzilli (1910 – 1975), do Partido Social Democrático, assumiu interinamente a Presidência, declarada vaga, enquanto tudo quase estava pronto para a instalação do regime comunista – aquele que mais matou gente, mais pobreza e miséria gerou, mais negou Liberdade e Direitos Humanos no Mundo.

 

 

As Forças Armadas não estavam muito dispostas a sair dos Quartéis. No entanto, o clamor da população, A MARCHA DA FAMÍLIA COM DEUS PELA LIBERDADE, a súplica de órgãos da Imprensa, que não se encontravam ainda sob o jugo comunista, as lideranças da Igreja Católica e todas as repartições públicas, então livres do aparelhamento, convenceram o Comando do Estado Maior das Forças Armadas a assumir a direção do País. E assim nos livraram da escravidão soviética. Grupos terroristas e guerrilheiros já perpetravam as suas atrocidades em diversas regiões, torturando, mutilando e matando Militares nacionais e estrangeiros, que vinham fazer ou ministrar cursos, civis inocentes e, “justiçamento”, ou seja, executavam os próprios comparsas que se arrependiam dessa Vida criminosa, querendo renunciar a ela. Os falsificadores de narrativas não aludem ao seqüestro de Embaixadores, Adidos Culturais e Militares, e aviões. Assalto a Bancos. Destruição de Propriedade pública e privada.  Os comunistas são como um Rei Midas ao contrário: tudo o que tocam, apodrece, estraga e fede!

 

 

Os Militares foram maravilhosos de uma forma geral, particularmente até o mandato do ilustríssimo e brilhante General gaúcho, Sr. Emílio Garrastazu Médici (1905 – 1985), que abrangeu o período de 1969 a 1974. Além de termos escapado da maldita ditadura do proletariado, o Brasil deu um salto significativo no crescimento econômico. A telefonia foi grandemente incrementada, entrando na era dos satélites e das chamadas diretas à distância, nacional e internacional (Embratel e Telebrás). Os serviços da Empresa Brasileira de Correio e Telégrafos atingiram nível de Primeiro Mundo. A ponte Rio – Niterói, a hidrelétrica de Itaipu e outras obras gigantescas foram realizadas em prazo abaixo do anunciado, com um orçamento inferior ao previsto e, pasme, o dinheiro que sobrou foi integralmente restituído aos cofres-públicos! Exemplo de honestidade, retidão e competência! Todos nós temos muito a agradecer aos braços fortes e mãos amigas, que nos resgataram da beira do abismo pelo qual já rolávamos. Propiciaram-nos desenvolvimento econômico, social e institucional. Ofereceram-nos Segurança Pública excelente – as Polícias Militar e Civil eram respeitadas. Os delinqüentes sabiam onde era o seu lugar…  Palavra de quem viveu a infância e a adolescência sob a regência do regime militar: era incomparavelmente melhor, mais agradável, tranqüilo e seguro do que em qualquer outro período. Podia-se andar nas ruas, estudar, trabalhar, amealhar um patrimônio, estar a par de tudo o que acontecia no Mundo, embora o lançamento de filmes e discos demorasse um pouco para estar acessível nas lojas por aqui. Só que…

 

 

…rolavam algumas coisas, no mínimo, esquisitas. Começando pelo termo com que os Militares batizaram a sua intervenção: REVOLUÇÃO ? Fora da Física, isto significa o quê de pior, mais odioso e ignóbil que o homem já criou e praticou. Falava-se muito da “Revolução de 64”, “o governo revolucionário” e por aí vai… Alguns jornais impressos, apoiando o novo regime, estamparam manchetes em letras garrafais as palavras do cearense, Marechal Castelo Branco (1900 – 1967): “O Brasil não será alvo de nenhuma direita reacionária!” Não podemos esquecer que a Economia era inequivocamente intervencionista, socializante e nacionalizadora. Havia até um Conselho Interministerial de Preços (CIP)! A estatização corria solta, o Governo chegou a ter uma fábrica de botões! Engana-se redondamente quem afirma, robótica e idiotamente, como é de praxe entre os imbecis coletivos e esquerdopatas, que a ditadura de 1964 a 1985 era de Direita. Na Verdade, parecia justamente o contrário, embora com mais amenidades, como a preservação de Direitos e Garantias Individuais, Liberdade Econômica, Propriedade Privada e outros valores sagrados e imprescindíveis à grandeza humana.

 

 

     O Estado burocrático e paternalista, porém, fertilizou a terra para o clientelismo e a corrupção, sobretudo por parte de hordas sórdidas de civis, que a pretexto de colaborarem com a Administração pública, aproveitaram-se do estado de exceção (mais ainda a partir de 1968, com o necessário Ato Institucional no. 5) e praticaram as piores abominações de desvio de verba pública, super-faturamento e comissões indevidas, como o patife do então Ministro da Fazenda, o paulista Antônio Delfim Netto (1928 –  …). É fundamental termos em Mente que a imensa maioria dos nossos amados irmãos fardados é do Bem, respeita a Tradição, a Família, a Religião, etc. Mas, já afirmamos noutra ocasião, há exceções. O próprio canalha, assassino e terrorista carioca, Carlos Lamarca (1937 – 1971) foi, vergonhosamente, um militar desertor das nossas Forças Armadas regulares. Alguns até atingiram cargos, postos e patentes mais elevados. E se não conseguiram impor e imprimir a sua orientação psicopatológica e escuridão espiritual nos rumos do Brasil, sem dúvida exerceram alguma influência.

 

Dentro de nossas fileiras militares, havia canalhas simpatizantes de regimes opressores, torturadores, socialistas e comunistas como o cubano, o soviético e o chinês.  Um deles foi o hediondo gaúcho, General Golbery do Couto e Silva (1911 – 1987). Arvorando-se como “pensante” da ditadura, influente na Escola Superior de Guerra, com a desculpa da necessidade de criar uma válvula de segurança, instituiu a teoria “da descompressão do poder político”: para acalmar e compensar os seus correligionários comunistas, adeptos da luta armada, permitiu que a esquerdalha tomasse conta de todas as áreas da Educação, das Artes, da Imprensa, da Editoração e da Cultura em geral. A Censura seria risível, caso não tivesse causado tantos e tão dificilmente reparáveis males à nossa sociedade: os seus agentes eram pessoas analfabetas e desinformadas. Até mesmo donas de casa alcoólatras usaram a tesoura do Departamento de Diversões Públicas, do Ministério da Justiça. Foi um horror institucional. Queremos acreditar que a maior parte dos altos Oficiais da Marinha, do Exército e da Aeronáutica não se mancomunava com a ideologia fascista dos comunistas! Decerto, eles pensavam que se fossem concedidos mobilidade e espaço a essa gentalha, principalmente os Professores, Jornalistas e Políticos, porém, o País continuasse crescendo dentro do Livre Mercado, tudo ficaria mais ou menos sossegado: o povo satisfeito, próspero e alegre votaria sempre nos Democratas, Conservadores e Liberais, enquanto os esquerdóides permaneceriam falastrões, desacreditados e inofensivos em seus guetos culturais e profissionais.

 

O quê os Militares não sabiam é que os bandidos agora usavam instrumentos musicais, máscaras teatrais e diplomas de graduação (e pós), e analfabetismo funcional, ao invés de fuzis e coquetéis molotov! Muito sexo, drogas e rock’n roll… Paz e Amor! A seleção brasileira de futebol conquistara a taça Jules Rimet, com o tricampeonato mundial, em 1970.  Entretanto, nem tudo estava indo muito bem, como a saída forçada de cena do maravilhoso, iluminado e abençoado carioca, Senhor General Sílvio Frota (1910 – 1996), Comandante da 1a. Região Militar e Ministro do Exército (de 1974 a 1977). O Brasil participou com a ONU, ao lado de sujos e mendazes cubanos em ações militares na África subsaariana… O Ministério da Desburocratização, sob a batuta do carioca, Bacharel em Direito, Sr. Hélio Beltrão (1916 – 1997) não foi para frente. As Emissoras de Rádio eram obrigadas a transmitir, na metade da sua programação, Música brasileira, além de todos os dias, A VOZ DO BRASIL, às 19h00. De qualquer forma, mesmo com o cenário mundial se alterando e passando por uma era menos favorável, o nosso País crescera, enriquecera e se modernizara. Então, pastorais da Igreja Católica, comunistas de todos os tipos, mormente de centrais sindicalistas, a União Nacional de Estudantes, alguns setores da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), nefastas ONGs internacionais e outras gangues marxistas, passaram a pressionar pela tal “abertura democrática”, “eleições diretas” e outros trambiques demagógicos.

 

Pois então, o quê fizeram os nossos amados Militares ? Atracaram o navio no primeiro porto que deu e saíram correndo. Com todo o respeito, parecia algo como o adolescente menor de idade, que furta o automóvel do pai, provoca uma colisão e foge sem olhar para trás e nem imaginar o quê vai fazer. Foi promulgada uma absurda, indecente e imoral “Lei de Anistia ampla, geral e irrestrita”! Toda aquela cambada de comunistas, terroristas, assaltantes, seqüestradores, traficantes, assassinos, voltaram em peso e foram se reinserindo na Vida pública e privada do Brasil! Estava tudo arrumado, consertado e limpo. Milhares de programas sociais instalados, órgãos e superintendências regionais de desenvolvimento funcionando, Escolas, creches e hospitais construídos, e muito mais, tudo em perfeitas condições para ser devidamente… aparelhado! Devemos, ainda, considerar que a rigor nunca houve uma Direita real aqui, nem partidos políticos autênticos com esta orientação.

Tudo o quê a esquerdalha, principalmente na militância acadêmica e jornalística, chamava, pejorativamente de Direita, Direitistas e Conservadores, eram meros partidos e agremiações fisiológicos, assim como certos Empresários e políticos corruptos, sugadores inveterados das tetas públicas e das várias benesses do apadrinhamento e clientelismo!  Esperamos sinceramente que a Intervenção Militar no Brasil, não tenha sido apenas uma reforma, faxina e arrumação na casa, realizada por irmãos mais velhos conscienciosos, fabianos, frankfürtianos e novo-esquerdistas, a fim de tirar o Brasil do atoleiro, favorecer o seu crescimento econômico e tecnológico, criar e engordar as reservas cambiais e tudo mais, para entregar depois tudo de mão beijada aos vermelhos.  Acreditamos piamente que hoje em dia isto não está acontecendo. Afinal, mediante técnicas subliminares e propagandas maciças e nauseantes, veiculadas assiduamente em filmes, peças de Teatro, telenovelas, Literatura ordinária, jornalismo em todas as suas modalidades, desinformação, doutrinação e alienação da pré-escola aos cursos de pós-doutorados, muitos “valores socialistas” foram implantados e outros tantos fortalecidos na Mente da população, em todos os estratos socioeconômicos e culturais, integrando o dia-a-dia de todo Mundo, percebidos como mazelas  burocráticas e chatas, mas inevitáveis…

 

Durante a nossa participação na campanha em prol da candidatura do nosso amado Presidente da República, agora em 2018, o paulista/carioca Sr. Capitão Jair Messias Bolsonaro (1955 – …), nas caminhadas, entoávamos em uníssono, entre outras palavras-de-ordem, que “A NOSSA BANDEIRA JAMAIS SERÁ VERMELHA!” Amém! Assim seja! Todavia, vale a pena ressaltar: não adianta ela continuar linda, verde e amarela, externamente e o paternalismo, o intervencionismo estatal e a obsessão por concursos públicos nos devorando, como Câncer,  por dentro. Utilizamos no título deste escrito a imagem grotesca de uma maldade que alguns moleques (nunca estávamos no meio, “correção política” à parte) perpetravam contra Cães de rua, amarrando latas e bombinhas em sua cauda, porque quase sempre cada um é o maior e pior responsável pela infelicidade e fantasmagorias em sua Vida. Aproveitando o embalo, podemos ter certeza da sandice de certos Canídeos, que ficam correndo, tentando abocanhar o próprio rabo. Alguém sabe dizer por que fazem isto ?

 

Para finalizar, desejamos suplicar que todas as pessoas de Bem  fiquem alertas, orando e vigiando. Não existe essa estória de jogarmos democraticamente com a esquerda, alternando o Poder e assim fazendo a humanidade, sociedade e o Mundo progredirem rumo a uma Fraternidade Universal, Paz Mundial e Harmonia Espiritual. Isto não é sequer Utopia, é besteira e Ilusão das mais grossas. O pêndulo democrático cada vez que vai para a esquerda, volta podre, contaminado e comprometido! Os seus mentores, patrocinadores e militantes não estão nem um pouco interessados na coisa pública, no bem comum, no desenvolvimento mental, material, moral e espiritual da humanidade. Desejam somente o Poder absoluto, a escravização de todas as pessoas, desfrutar a Vida e satisfazer as suas perversões, apetites e maldades. Mesmo no centro universal, ímpar e majestoso da Democracia, os Estados Unidos da América, sempre que os comunistas, dissimulados de “democratas” cumprem um ou dois mandatos, arruínam as finanças, aumentam a dívida pública, incham o funcionalismo público, provocam o desemprego (para terem mais gente dependendo de esmolas estatais), tentam desarmar e desproteger os cidadãos, alimentam grupos terroristas anti-americanos, sobretudo fundamentalistas muçulmanos, utilizando-se das suas loucuras e obsessões para solapar a nossa rica herança grega, romana e judaico-cristã. Depois do domínio completo, também liquidarão com o Islã, quanto a isso não precisamos nos preocupar (?). Perseguem e penalizam com restrições, obrigações, taxas e impostos os setores produtivos, os únicos capazes de aumentar a oferta de capital, bens, serviços, empregos e tudo mais. O tal Estado do Bem-Estar Social é uma ratoeira funesta!

 

Dividem cada vez mais a sociedade, instigando uns contra os outros e todos contra todos. Induzem Desordens Emocionais, a carência afetiva, a Depressão, a sensação de solidão e inadequação, com isso incrementando o consumo de tranqüilizantes, ansiolíticos e anti-depressivos. A libertinagem sexual se presta perfeitamente a destruir a Família, comprometer as relações afetivo-sexuais saudáveis, gratificantes e enriquecedoras, além de favorecer a erotização infantil precoce e o infantilismo obsessivo nos adultos, que se recusam a aceitar a maturação e o envelhecimento…  Os socialistas e comunistas de todos os tipos, Tempos e lugares são a pior, a mais psicótica e a mais perigosa corja de monstros totalitários, genocidas, mentirosos, cínicos e escravizadores! Uma das piores castas diabólicas que já pisou na sagrada Terra desde sempre! Ao longo da História humana eles têm semeado a infelicidade, a frustração e a revolta luciferiana!  Assim como a inveja, a preguiça, a ingratidão, os subterfúgios, a vitimização, a luta de classes, os Complexos de Inferioridade e Superioridade, a violência,  os fratricídios, os genocídios!

 

O Mundo carece de acordar e urgentemente. Precisamos perder a mania de nos sujeitarmos aos “politicamente corretos”, ao medo de rótulos e xingamentos. Se for necessário, restrinjamos a Liberdade para preservá-la viva. Cacemos novamente e, desta vez, definitivamente, as malditas bruxas vermelhas! Felizmente, na atualidade muita gente tem saído desse estado de letargia mental, emocional e espiritual, trabalhando para a difusão da Luz, da Vida e do Amor! Existe uma renovação no cenário intelectual, midiático e artístico em todo o Mundo. Nos Estados Unidos da América, a Fox Broadcasting Company, Rede de Telelisão comercial, é um farol na noite negra do obscurantismo coletivista e socialista, que tomou conta de praticamente todos os setores da Indústria Cultural mundial! Ali igualmente existem fundações, institutos e organizações como a Heritage Foundation, chamada de think tank, em Washington DC, e a Foundation for Economic Education, fundada pelo brilhante Pensador e Escritor americano, Leonard Read (1898 – 1983), entre outras.

 

Aqui no Brasil, graças ao amado, magnânimo e misericordioso Senhor Deus, vemos um renascimento da Inteligência, do Bom Senso e da Liberdade, tanto por conta do Governo atual, quanto pelo trabalho magnífico, exuberante e precioso de Editoras como a RECORD, VIDE EDITORIAL, FARO EDITORIAL, É REALIZAÇÕES EDITORA, CITADEL GRUPO EDITORIAL, LEYA, LVM e CRÍTICA, para darmos uns poucos e excelentes exemplos. Temos a bênção de poder desfrutar da Sabedoria, das Informações e  da Escrita majestosa, perfeita e lapidar do Mestre paulista, Olavo (Luiz Pimentel) de Carvalho (1947 – …), que babacas  esquerdóides e ignorantes detestam – o quê é maravilhoso, pois ser malquisto pela escória da humanidade, é uma imensa honra! Mas não pensemos em baixar a guarda por um instante sequer. Os canalhas estão à espreita e rondando-nos, sempre. SEJAM REPREENDIDOS EM NOME DO AMADO SENHOR JESUS  CRISTO! Abraços e beijos, amada galera! Paz!

 

 

  1. Lafam.

 

 

Abr./2019