José Coutinho de Oliveira: ‘Freinet, profeta (correção)’

09/11/2017 11:50

José Coutinho de Oliveira: ‘Freinet, profeta (correção)’

     No artigo com o mesmo título publicado no dia 19 de julho pp neste mesmo conceituado jornal dissemos que Dewey criticava a ” escola nova” por não concordar com o seu não-dirigismo quando na verdade ele não concordava com o escolanovismo por “não relacionarem os interesses e atividades com os componentes da grade curricular”, in John Dewey Educadores, pg. 17, da biblioteca municipal de Apiaí. É bem provável que a filósofa Maria Lúcia de Arruda Aranha já soubesse desta crítica de Dewey à escola nova quando ela diz no livro ” Filosofia da Educação “, editora Moderna, pg. 234 que os ideais daquela escola ainda não se esgotaram pois ainda não se encontrou a solução mágica para os problemas da educação. Acredito que para se envolver na Política a pessoa tem que saber a relação que existe entre finito e finito, entre a história cronológica e a religião. Com efeito, acreditamos ter encontrado o método ideal de ensino: chama-se de método ultradinâmico semiaberto onde não há dissipação de energia. Lançamos ainda os métodos audiovisual pictográfico e o audio-oral ágrafo ambos destinados aos iletrados. Todos eles poderiam ser adotados na rede oficial de ensino, além, é claro, e mais facilmente, na igrejas e nas escolas extra-curriculares.
José Coutinho de Oliveira
Tags: