José Coutinho de Oliveira: ‘Aristocracia’

15/03/2018 17:43

José Coutinho de Oliveira: ‘Aristocracia’

Hoje então nos convencemos que aristocracia encontramos mesmo é no parlamentarismo, pariatocracia, de pariato, pares, par, peerage, peer, par, em inglês. Já li em algum lugar no passado que é na aristocracia que os governantes governam no interesse da comunidade. O presidencialismo vem se demonstrando ser muito lerdo não sabendo responder a novas reinvindicações e tecnologias. No parlamentarismo a pedra de toque é o “recall” (poder destituinte ou revogatório), ou seja, toda vez que chefia de governo e parlamento se opõem este último pode eleger um novo gabinete. O 1º Ministro pode também pedir a dissolução do parlamento ao chefe de estado quando percebe que este é que se encontra em discordância com a base eleitoral. Essa iniciativa parte portanto da crença de que numa nova eleição o congresso se reconfigure favoravelmente ao 1º ministro. O parlamentarismo teve início na Inglaterra em 1688 com o fim do absolutismo monárquico na revolução gloriosa. Aqui no Brasil primeiro partido parlamentarista foi o Federalista fundado em Bajé/RS em 1892 por Gaspar da Silveira Martins. Em 1928 dando continuidade ao mesmo ideal surgiu o Partido Libertador que foi refundado em 1945 e extinto em 1965. A palavra aristocracia é mesmo privilegiada pois a usaram no nome de Aristóteles, de aristo, os melhores, e telos, objetivos, aquele que obtém os melhores resultados, ou seja, ele é um recordista, fato que a história veio confirmar.
José Coutinho de Oliveira
Tags: