João Francisco Brotas: ‘Olhos nos olhos’

09/02/2018 11:37

João  Francisco Brotas: “As pessoas competem umas com as outras, o tempo todo, de maneira consciente ou inconsciente. E, quando algo não vai bem entre elas, geralmente evitam contatos mais próximos para não terem que se encarar.”

 

Como é difícil, atualmente, encontrarmos pessoas andando com a cabeça erguida e encarando as demais com os olhos nos olhos. Se uma pessoa, ao longo do dia, encontrasse um amigo, deveria ter a tranquilidade para encará-lo e desejar-lhe um bom dia, boa noite, bom trabalho ou feliz reunião.

Mas, infelizmente, não é isso que vemos acontecer! As pessoas procuram evitar olhar às outras; ou se as cumprimentam, o fazem de modo frio como se estivessem presentes fisicamente, mas, ausentes espiritualmente.

Constantemente assistimos, na televisão, pessoas sendo presas e escondendo seu rosto. Será que é por que estão com vergonha do delito cometido? Ou será que se escondem para não serem reconhecidas, pois, provavelmente, estarão cometendo outro delito, em breve?

Hoje, vivemos momentos críticos, na sociedade brasileira, com tanta criminalidade e insegurança. Nossa postura atual é estar atentos a tudo e a todos, em qualquer ambiente que estejamos. Mesmo no interior de um templo religioso, devemos prestar atenção, pois a devoção que nos levou àquele local, pode não ser a mesma que levou outras pessoas que lá se encontram.

As pessoas competem umas com as outras, o tempo todo, de maneira consciente ou inconsciente. E, quando algo não vai bem entre elas, geralmente evitam contatos mais próximos para não terem que se encarar.

O egoísmo e a competição são evidentes quando alguém fica sabendo que o filho do vizinho foi aprovado no concurso, no qual seu filho não foi. Pode-se perceber a dificuldade dele em cumprimentar e desejar boa sorte ao jovem aprovado.  Ou ele faz de conta que de nada sabe, evitando assim de mencionar o fato.

Os sentimentos negativos afloram mais rapidamente do que o raciocínio; e, magoar um amigo ou alguém da família é muito fácil, pois sempre temos uma boa desculpa para fazê-lo. Todo cuidado é pouco ao conversarmos com alguém, pois ser amigo e ter amigos requer tolerância, compreensão e amor ao próximo. Nada melhor do que, antes de tudo, olhar olhos nos olhos.

 

João  Francisco Brotas

Relações  Públicas do NUPEP

Membro da Academia de Letras  de  Votorantim

 

 

Tags: