Jairo Valio: ‘Ternura’

06/02/2019 09:31

“É leve o seu pulsar,/ de toques, afagos macios,/ sem pressa, quase um deslize,/ quase trêmulas,/ vão buscando espaços,/ em rostos sedentos,/ almejando delicias que se anunciam.”

           TERNURA

Vem chegando,
devagar,
exalando perfumes,
e num espaço de tempo,
vai tomando formas,
algumas transitórias,
outras definitivas,
que afagam rostos ansiosos,
instalando ali moradia serena.

É leve o seu pulsar,
de toques, afagos macios,
sem pressa, quase um deslize,
que mãos ansiosas quase trêmulas,
vão buscando espaços,
em rostos sedentos,
almejando delicias que se anunciam.

Um aroma de rosa perfumada,
vai aos poucos se instalando,
estimulando sensações,
que pareciam antes adormecidas,
e dois corações pulsam apressados,
sabendo que deliciosas ternuras,
vão se consolidar em beijos suaves.
tímidos à princípio, apaixonados depois.

 

Jairo Valio – 14/10/2016

valio.jairo@gmail.com

Tags: