Jairo Valio: ‘Sonho de um menino’

09/07/2019 12:18

Jairo Valio

Sonho de um menino

Imagem extraída da internet

Juquinha era um garoto muito espero, sapeca, que vivia correndo desembestado pelas ruas poeirentas do bairro onde morava, na periferia da grande cidade.

Gostava de jogar futebol com os amiguinhos nos fins de semana, empinar pipas onde não havia perigo de enroscarem nos fios de eletricidade, pois sabia quanto isso era perigoso e também adorava brincar com seu cachorro Pitoco, companheiro bagunceiro.

Frequentava aulas na Escola do bairro e era bastante estudioso, aplicado, muito obediente, sempre recebendo elogios das professoras que enchiam seus cadernos de “parabéns”, “lindo” e isso ele mostrava com orgulho para seus pais que o adoravam.

Juquinha tinha uma paixão e quando via os funcionários da Prefeitura vestidos com seus uniformes de garis, fazendo a limpeza das ruas ou então recolhendo lixos das casas nos caminhões coletores, ficava fascinado, principalmente pela destreza e rapidez na coleta, pois tinham muita força e deixavam as ruas livres do mau cheiro, sendo muito estimados pela população pela importância de seus serviços, tanto os varredores como os coletores.

Estavam sempre alegres e brincavam entre si, fazendo gozações, apostando quem era mais rápido e colhia mais lixos.

Para dar exemplos, Juquinha, quando via um papel jogado na rua ou pedaços de plásticos, colocava tudo nos coletores de lixos que existiam nas calçadas, pois sabia que se chovesse, as enxurradas levariam essas sujeitas para os bueiros que ficavam entupidos e com isso causariam enchentes que traziam perigos, pois destruíam casas, barracos perto dos morros, dando prejuízos e o pior, pessoas poderiam morrer, principalmente criancinhas e pessoas idosas.

Sonhava em seus sonhos ser um gari esperto, forte, rápido, com um uniforme azul e uma fita cor de laranja atravessando seu peito para evitar que os carros o atropelassem, principalmente quando faria as varrições das ruas, deixando tudo limpinho.

Juquinha falava disso para seus pais e eles diziam que quando ficasse adulto, poderia se inscrever na Prefeitura da cidade e se tornar um gari competente, o melhor de todos, simpático, sempre sorrindo, rápido, forte, e que receberia elogios dos moradores das casas e no fim do ano ganharia muitos presentes pelo seu capricho e sua simpatia.

Nunca deixaria nem um pedacinho de papel nas calçadas ou então sacos de lixos para os cachorros destruírem, ficando o mau cheiro, além das moscas que traziam perigos para a saúde.

Com esses sonhos, Juquinha ia crescendo, estudando sempre, nem se importando quando recebia gozações dos coleguinhas quando falava de seus desejos, pois queria ser o melhor gari, o mais competente e o que despertaria mais simpatias entre os moradores onde passaria.

 

Jairo Valio – 17/09/2009

valio.jairo@gmail.com

Tags: