Jairo Valio: Poema ‘Sou criança’

12/05/2019 19:38

Jairo Valio

 Sou criança

Não tenho espaços, prisioneiro do barranco que me aprisiona,
Quero ver flores, passarinhos cantando, eu sorrindo,
Minhas energias quero gastar em campos floridos,
Correndo livre, recebendo a brisa que vem ao meu encontro.

No entanto, o que vejo me entristece e derramo lágrimas,
Logo em frente ao meu barraco o esgoto que corre solto,
Exalando mau cheiro, não tem pudor, pois traz desgraças,
E quando chove, ganha corpo ameaçando vidas.

É assim a minha vida que gostaria diferente fosse,
Ter um lar digno onde poderia sonhar meus doces encantos,
Pois ser criança é sorrir, saber brincar, correr solta, desimpedida,
Como outras fazem e eu não posso pela minha pobreza.

Na noite escura dentro de meu barraco igual aos muitos,
Ratazanas sinistras catam migalhas das sobras que não temos,
E ameaçam morder mostrando suas presas afiadas e venenosas,
Se nada encontrarem para saciar as suas fomes.

É assim a minha vida de criança pobre sem esperanças,
Sofro frio por não ter cobertas quando o inverno é rigoroso,
E nas chuvas que engrossam o córrego de sujeiras,
Podem levar nas águas sujas nossas posses que são poucas.

 

Jairo Valio

valio.jairo@gmail.com

Tags: