Jairo Valio: ‘Minha essência’

17/11/2018 19:03

Não desejo riquezas materiais,/ Que corrompem pelas ambições,/ E se precisar carregar meus fardos,/ Não importa ter chinelos rotos,/ Nem roupas rasgadas para aquecer.”

 

     Minha Essência

 Desejo a suprema humildade.

Jamais quero ter as blindagens,

Que escondem até falsidades,

Muitas vezes nefastas,

E agridem mesmo sorrindo.

Quero a pureza das crianças,

O amor dos já vividos em anos,

Os mansos de corações puros,

E se possível acrescentar,

Fiapos de sabedoria quero ter.

Não desejo riquezas materiais,

Que corrompem pelas ambições,

E se precisar carregar meus fardos,

Não importa ter chinelos rotos,

Nem roupas rasgadas para aquecer.

Só queria ter mais inspirações,

Para despertar muitas sensibilidades,

E  ditar ao meu coração que reclama,

Muitas vezes pelas suas inquietações,

Poesias suaves para acalmá-lo.

Se pudesse plantar minhas essências,

Queria que fosse num lindo jardim,

Onde todos colheriam suas flores,

E distribuíssem os perfumes,

Para muitos corações enamorados.

Jairo Valio – valio.jairo@gmail.com

Tags: