Gonçalves Viana: “Um ‘loop’ no Lupi – Lupicínio Rodrigues: a quintessência da cornitude”

24/09/2018 07:28

Lupicínio, um gaúcho, nascido em Porto Alegre, em 16 de setembro de 1914, entrou para a história da MPB como o criador da música de fossa, da cornitude, enfim, da dor de cotovelo.”

Quando amamos desesperadamente a alguém, e não somos correspondidos, sobrevém uma angústia, um vazio, um nó na garganta, e um sentimento de morte no coração. Bem, a esse estado de coisas dava-se – há certo tempo – o nome de dor de cotovelo. Atualmente, não sei se existe algum nome. Dor de cotovelo ou qualquer outro nome que o valha, é também utilizado quando acontece de sermos traídos pela pessoa amada. Atualmente, está muito em voga o termo “sofrência”!

Blota Jr.

A esse respeito, Blota Júnior. – um célebre apresentador de TV, dos anos 1960 – contava o seguinte: Entre os italianos, quando se descobrem traídos – passionais que são – geralmente corre sangue, a adúltera ou o amante, quando não ambos, pagam com a vida, a traição.

Já, o francês, dotado de um espírito prático, chega ao êmulo e pergunta: ─ Há quanto tempo frequentas a casa? Se o outro, por exemplo, responde: ─ Dois meses! Conclui o traído: ─ Muito bem! Nossa despesa mensal é de 900 francos, que divido por três dá 300 francos, como são dois meses, portanto o senhor me deve 600 francos, e já estendendo a mão, diz, por favor!

Lupicínio Rodrigues cantando na Boate Casa De Samba.CREDITO: ANA LUIZA DE OLIVEIRA

E os brasileiros? Bem, os brasileiros, quando passam por isso, fazem um samba e, nesse particular, ninguém é melhor que Lupicínio Rodrigues, o criador do samba tipo dor-de-cotovelo.

Lupicínio, um gaúcho, nascido em Porto Alegre, em 16 de setembro de 1914, entrou para a história da MPB como o criador da música de fossa, da cornitude, enfim, da dor-de-cotovelo. Nessa área, ele atuou em todas as modalidades possíveis, foi o traído, foi o traidor, foi a vítima, foi o pivô, foi a testemunha.

Desde o seu primeiro sucesso em nível nacional, o que, na época final dos anos 30 era difícil para alguém, fora do eixo Rio-São Paulo, Lupicínio destacava-se nessa modalidade de música. Por exemplo, veja o samba Se Acaso Você Chegasse, em que ele figura como o traidor: “Se acaso você chegasse / e no meu chatô encontrasse / aquela mulher que você gostou…”.

Já, em Vingança, outro grande sucesso, ele era o traído: “Você deve estar bem consciente / do que praticou / me fazer passar essa vergonha / com um companheiro / E a vergonha é a herança maior / que meu pai me deixou…”.

Da mesma forma, o sentimento de dor de “corno” em Nervos de Aço: “Você sabe o que é ter um amor meu senhor / ter loucura por uma mulher / e depois encontrar esse amor meu senhor / nos braços de um tipo qualquer…”.

Aqui, em Cadeira Vazia, é o traído que perdoa: “Não te darei carinho nem afeto / mas pra te abrigar podes ocupar meu teto / pra te alimentar / podes comer meu pão…”.

São lembradas, também, as brigas conjugais por ciúmes, como em Brasa: “Você parece uma brasa / toda vez que eu chego em casa / dá-se logo uma explosão / ciúmes de mim não acredito / pois meu bem não é com grito / que se prende um coração…”.

Diante de tanta infidelidade, de ambas as partes, chega, então, ao irreconciliável, com o seu lacônico e contundente Nunca: “Nunca / nem que o mundo caia sobre mim / nem se Deus mandar / nem mesmo assim / as pazes contigo eu farei…”.

Em centenas de outras canções, ele explorou toda gama de carga emocional que um triângulo amoroso pode causar. Assim é que, esse gaúcho que não tocava nenhum instrumento, e nem conhecia qualquer nota musical, nos deixou um vasto repertório de lindas melodias e versos inspiradíssimos, retratando, quase sempre, uma tragédia, um drama conjugal, com tudo o que é de direito e se faz necessário para isso: o amor, a dor e a morte.

Paulinho da Viola

O eterno Lupi – como era carinhosamente chamado – criador da bossa da fossa, esse boêmio infatigável, que passava noites e noites bebendo com os amigos – dizem as más línguas que ele não tomava bebida alcoólica, só água e leite – desfiando seus dramas pelos botequins da vida, dramas que não eram seus, pois que, era até bem casado.

Faleceu em 27 de agosto de 1964, vinte dias antes de completar 60 anos, não sem antes conquistar definitivamente um lugar no panteão das celebridades musicais, junto aos muitos cantores e intérpretes contemporâneos, que incluem os sucessos de Lupi em seus repertórios. Gente do quilate de Paulinho da Viola, Maria Bethânia, Gal Costa, Caetano Veloso, Joana, entre outros.

Jamelão

Se, Lupicínio, foi, por excelência, o compositor da dor-de-cotovelo, o cantor foi Jamelão, que era, segundo Lupi, quem melhor sabia interpretar suas músicas. Jamelão, embora não gostasse de ser considerado cantor de samba dor-de-cotovelo, gravou dois LPs com composições de Lupicínio, “Jamelão Interpreta Lupicínio Rodrigues” (1972) e “Recantando Mágoas – Lupi a Dor e Eu” (1987). Além de haver gravado vários sambas do gênero de outros autores, caso de Ary Barroso, “Folha Morta” e Lúcio Cardim, “Matriz e Filial”.

Acrescente-se, que “Ela disse-me assim” foi um dos grandes sucessos de Lupi, na voz de Jamelão. Nesse samba-canção, o autor coloca-se no lugar do sedutor que se mostra arrependido de ter sido o traidor.

                                                                              Gonçalves Viana – viana. gaparecido@gmail.com

ELA DISSE-ME ASSIM

Ela disse-me assim

Tenha pena de mim

Vá embora

Vais me prejudicar

Está na hora.

 

E eu não tinha motivo nenhum

Para me recusar

Mas aos beijos caí em seus braços

E pedi pra ficar.

 

Sabe o que se passou

Ele nos encontrou, e agora

Ela sofre somente porque

Foi fazer o que eu quis.

 

E o remorso está me torturando

Por ter feito a loucura que fiz

Por um simples prazer

Fui fazer meu amor infeliz.

(Lupicínio Rodrigues)

 

 

Tags: