Gonçalves Viana: ‘O mundo é um moinho’

09/09/2018 22:32

Angenor de Oliveira, o Cartola, não gostava de estudar, sendo expulso de todas as escolas que frequentou. Assim, quando sua mãe faleceu, seu pai mandou-o tratar da vida.”

Cartola nasceu no Catete, bairro do Rio de Janeiro, em 11 de outubro de 1908, e faleceu em 30 de novembro de 1980, no mesmo Rio de Janeiro.

Ele só foi saber que se chamava Angenor e não Agenor, como pensava, no dia do seu casamento, quando precisou da certidão de nascimento.

Angenor de Oliveira, o Cartola, não gostava de estudar, sendo expulso de todas as escolas que frequentou. Assim, quando sua mãe faleceu, seu pai mandou-o tratar da vida.

Após vários empregos, foi trabalhar na Construção Civil, onde aprendeu a profissão de pedreiro. Para proteger-se do pó de cimento que caia em sua cabeça, ele arranjou um chapéu-coco, daí nasceu o apelido: Cartola.

Esse simples pedreiro, sem nenhuma formação acadêmica, mas com a alma plena de poesia e o coração cheio de música, magistralmente foi capaz de compor verdadeiras obras-primas, sucessos inesquecíveis do nosso cancioneiro. Tais como, O Sol Nascerá, Tive Sim, Acontece, O Mundo é Um Moinho, As Rosas Não Falam e muitos outros.

As Rosas Não Falam é provavelmente o seu maior sucesso, perenemente entronizado na galeria de clássicos da nossa MPB. Mas, sobre essa música, falaremos em outra ocasião.

Hoje, vamos falar sobre outro clássico, O Mundo é Um Moinho, composto em 1975. É mais um dos inconfundíveis sambas de Cartola, de ritmo sincopado, um pouco lento. Esta composição é marcada pela excepcional beleza melódica, que é uma das características da obra do autor.

Cartola e Dona Zica

Já, a letra, extremamente poética, suscitou mais uma lenda, largamente explorada na Internet. Ela nos leva a pensar que tivesse tido origem numa desilusão amorosa. No entanto, conforme a voz corrente, Cartola, realmente a compôs quando tomou conhecimento de que sua enteada, filha de Dona Zica, manifestou o propósito de sair de casa para se prostituir.

Ao ouvirmos os versos escritos pelo mestre, percebe-se o quão implacável pode ser a versão da lenda. Há quem defenda a hipótese de que a letra de Cartola seja mesmo para a enteada, mas motivada por uma decepção amorosa. Ele nunca confirmou, nem desmentiu essa afirmação.

Pois sim, é mais uma afirmação que casa muito bem com a realidade. Confira a letra e vejam se não é coerente com a verdade.

 

O MUNDO É UM MOINHO

Ainda é cedo, amor,

Mal começaste a conhecer a vida

Já anuncias a hora de partida

Sem saber mesmo o rumo que irás tomar

Presta atenção, querida,

Embora eu saiba que estás resolvida

Em cada esquina cai um pouco a tua vida

Em pouco tempo não serás mais o que és

Ouça-me bem, amor,

Presta atenção, o mundo é um moinho

Vai triturar teus sonhos tão mesquinhos

Vai reduzir as ilusões a pó

Presta atenção, querida,

De cada amor tu herdarás só o cinismo

Quando notares estarás à beira do abismo

Abismo que cavastes com os teus pés

(Cartola)

Tags: