Evento em São Paulo reúne gerações de músicos do jazz que tocam tábuas de lavar roupa

27/01/2017 00:08

Saiu no caderno ilustrado do jornal Folha de São Paulo

 

Por AMANDA NOGUEIRA
DE SÃO PAULO

 

“Cadê o Stradivarius?”, pergunta o baterista Billy Ponzio ao clarinetista Tito Martino. Os puristas podem estranhar; afinal, não havia na diminuta sala do Olga 17 nenhum violino do luthier italiano, mas, sim, uma dezena de tábuas de lavar roupas.

Ponzio se refere a uma delas, a terceira confeccionada por Martino, tido como o responsável pela difusão das washboards –como elas são chamadas quando convertidas a instrumento musical– no Brasil durante os anos 1960.

No último sábado (21), na recém-inaugurada casa da Barra Funda, o virtuosismo da esfregadora, tocada com dedais e equipada quase sempre com pratos, buzinas e outros apetrechos, era familiar a todos –ou quase.

O local abrigava o 1º Encontro Paulista de Washboard –ou o primeiro do Brasil, como pontuou Martino, da Tradicional Jazz Band, na ocasião–, reunindo representantes da velha guarda e jovens herdeiros do jazz, além de curiosos.

As histórias narradas no salão contornavam o acaso que envolve a descoberta do instrumento. Diferentemente dos populares guitarra, bateria e baixo, que têm filas de adeptos, a washboard é, em diversos casos, sugestão inusitada para preencher a lacuna da percussão.

Uma dessas histórias é do organizador do encontro, Lumineiro Salve Salve, da banda Mustache e os Apaches.

O mineiro mudou-se para São Paulo para ser malabarista de circo e foi convidado por amigos com quem morava a formar a banda. “Mas eu não tocava nada, então o Pedro [Pastoriz] disse que eu podia cantar ou tocar washboard”, conta ele, que lembra ter respondido: “Wash o quê?”.

Sem aulas específicas para o instrumento, diz ter aprendido na “tentativa e erro”, aplicando a lógica da bateria.

A tábua surgiu com os escravos americanos que eram proibidos de tocar tambor. “Vem originalmente do jazz, mas, como qualquer instrumento, é livre e pode ser usada em outros gêneros”, diz.

No encontro, contudo, reinou o jazz. Entre a apresentação da Fizz Jazz, uma jam session liderada por Martino e o arremate dos Mustaches, já ao fim do dia, a trilha apresentava pioneiros como Washboard Sam e The Washboard Rhythm Kings.

Tags: