Élcio Mário Pinto lança seu 36º livro, ‘Ares de Ariano’, em Taperoá (PB), cidade da infância de Ariano Suassuna

24/10/2018 21:07

O lançamento fez parte da 7ª Caravana Literária promovida pelo escritor, e a segunda em Taperoá

Na cidade de Taperoá, estado da Paraíba, lançamos* nossa 36ª publicação – “ARES DE ARIANO” – no dia 09/10/2018, às 20h, na Quadra Poliesportiva “Prefeito José de Assis Pimenta”,  recém-inaugurada.

O histórico deste lançamento literário começa com a 1ª viagem para a cidade da infância de Ariano Suassuna em 2017. Lá, Adriana Rocha, minha esposa e apoiadora cultural, sugeriu-me o título enquanto passeávamos pela Ponte Velha construída com arcos e que dava acesso à cidade para quem vinha da capital João Pessoa.

Então, unindo história e ficção, contando com Adriana como capista; Caique Ferraz como ilustrador; Sergio Diniz como revisor e Miriam Rangel como editora, da Crearte, em Sorocaba, “Ares de Ariano” concretizou-se na agradável noite taperoaense.

Da obra, apresentamos sua síntese:

São três “mininos” que se encontram em conversas e aventuras, trocando sentimentos, experiências e sustos, além da amizade compartilhada na raiz da vida. Assim são os amigos: compartilham, radicalmente, o que vivem e o que sentem, dores e alegrias, lágrimas e sorrisos, braços, abraços e esperanças.

Zé de Cila

De passagem por João Pessoa, visitando nossa amiga Ezilda Melo e sua família, fomos para Cabaceiras-PB, onde conhecemos os ambientes do filme “Auto da Compadecida”. Lá, além do museu histórico, da praça central e da mais famosa festa municipal – Bode Rei – conversamos com Zé de Cila. Ele foi dublê de Rogério Cardoso no papel de padre João na adaptação para a TV, entre 1999 e 2000.

Em 04/10, partimos para Taperoá com o motorista Nildo. Chegamos às 15h ao hotel Casarão, de Mazé. Reencontramos Francis, a jovem que conhecemos em 2017, funcionária que tão bem nos atendeu e que agora conta com Nininha, outra funcionária.

Com a noite chegando, 17h30min, entendemos que em Taperoá escurece cedo; fomos para o Crepe e CIA, de Elton e Eulina. Foi uma festa nosso reencontro, também com Elton, filho e Ellis, a filha com 10 anos de idade, menina que vibra em inteligência, conversas e educação, a quem dediquei o conto “A luz de Lis”, publicado, em primeira mão,  pelo Jornal ROL em 09/09/2018.

Em seguida, fomos para a casa de Flaviana e Leonardo. Ela é a titular da Secretária de Educação do município. Com o casal e seus filhos, Laila Vitória – de 4 anos – e João Guilherme – 6 meses – passamos horas agradáveis, também em companhia de Ivanir, mãe de Leonardo.

Igreja de Nossa Senhora da Conceição

Passeamos pela cidade no dia 05, revendo a biblioteca municipal, a Casa de Ariano – atual museu – a Ponte Velha, a praça da matriz, a igreja de  Nossa Senhora da Conceição e tantos outros valorosos pontos históricos.

Já, no dia 06/10, quando Taperoá completava 132 anos (1886-2018), participamos do momento cívico em frente ao Paço Municipal.

Nesse dia, o prato para o almoço foi a famosa tilápia na Casa de Pedra.

À tarde, nossa alegria se completou quando entregamos os exemplares do primeiro livro publicado pelo poeta de cordel Leandro Leite, um escritor taperoaense, com o título: “Cordelariano”. Presente o prefaciador, Vamberto Flávio Teófilo de Oliveira.  O lançamento aconteceu em 11/10, às 20h, no prédio do Polo UAB – Universidade Aberta do Brasil.

Todas as noites passávamos pelo Crepe e CIA, de Elton e Eulina para saborear as iguarias produzidas com carinho e muita amizade! Numa dessas, conhecemos o apaixonado por motos, Bernardo, que diz: Campina é enorme (referindo-se à cidade de Campina Grande), porque grande é Taperoá. Com ele, tivemos boas e agradáveis conversas!

Na missa de domingo, 07/10, padre Luciano, pároco de Taperoá, chamou-me para dizer do livro a ser lançado. E então, com gratidão e alegria, dirigi algumas palavras ao povo da cidade. Na mesma noite, também conhecemos o seminarista Henrique, natural de Taperoá.

Na segunda-feira, 08, reencontramos o amigo Ivandro. Fomos à sua casa.  É um belíssimo sítio, bem próximo ao centro. Foi lá o almoço regado a conversas, amizade e troca de livros. O anfitrião, no dia seguinte, disse do quanto impressionou-se com o exemplar de “Esti(g)ma”, que recebeu da escritora          Adriana Rocha, minha esposa e apoiadora cultural. Ali, leitor e autora se reconheceram em identidade pelas letras.

À noite, com Elton, Eulina e família, saboreamos o famoso prato da região: XERÉM. O que temos de mais próximo em Sorocaba e região é a polenta, mas em flocos.  

Finalmente, na terça-feira, 09/10, depois da entrevista na Rádio FM de Taperoá com Luciano e Kennedy e de visitarmos as escolas municipais  “Pedro Farias” e “Manoel de Farias Souza”, às 19h, na quadra poliesportiva, aconteceu o lançamento de “ARES DE ARIANO” com presença de crianças, jovens e adultos. Lá estavam o prefeito municipal Jurandi Gouveia Farias, vereadores e secretários. Toda a preparação foi liderada por Flaviana. Contamos ainda com a belíssima apresentação da quadrilha ensaiada por Markim. O cerimonial ficou a cargo de Tibério, funcionário municipal.

As falas foram breves e valorosas: da secretária Flaviana; do vice-prefeito Francisco Antônio; do prefeito Jurandi; do pesquisador Ivandro e do prefaciador, Prof. Vamberto Flávio Teófilo de Oliveira, coordenador do Polo UAB.

Também manifestaram-se o artista Jones Oliveira, oferecendo-nos mais um de seus muitos trabalhos de pintura e, representando os apoiadores culturais, Adriana Rocha, destacando o trabalho em equipe que tornou possível mais uma publicação.

Autógrafos e fotos, conversas e abraços regaram a agradável noite com comes e bebes.

No dia seguinte, 10/10, estávamos de volta às visitas, desta vez, à creche municipal, recebendo a calorosa acolhida de toda a equipe e das crianças,  que cantaram e dançaram numa demonstração de envolvimento e participação. Da Diretora Elizonete e da vice Girleuda, como aconteceu em 2017, recebemos uma belíssima caixa decorada com presentes: delícias da região! E, à tarde, fomos para a famosa Escola Municipal “Melquíades Fernandes Pimenta”, a “Escolinha”, afinal, foi com ela que tudo começou em 2016 através daquela passeata pelo meio ambiente.

Impressionou-nos, que entrando pelo corredor, todas as crianças nos receberam com o hino de Taperoá e, em seguida, sob o comando coreográfico de  Felipe Casemiro da Silva, uma apresentação das crianças nos foi proporcionada. A participação de todas as professoras, juntamente com a Diretora Ana Maria,  foi fundamental para que entendêssemos o quanto as crianças se dedicaram aos visitantes que voltavam.

À noite, visitamos a família de Vamberto – Gerlane, Elita e George – quando fiz a leitura da publicação, “Bilo: a salvadora de livros!”, lançada na Bienal 2018 em São Paulo. Ali, aconteceu mais um evento de nosso projeto de trabalho:  “O escritor na casa do leitor”, como ocorrera em casa de Flaviana e Leonardo, quando fiz a mesma leitura para Laila Vitória.

Passado o lançamento, na quinta, 11/10, visitamos a Escola Municipal “Odaci Vilar”. Receberam-nos com dança junto da comemoração pelo dia das crianças. Voltamos à “Escolinha” participando da mesma comemoração com o tema circo. Aliás, assunto que recebia toda a alegria de Ariano Suassuna. Ele sempre disse que queria ser palhaço no circo.

À tarde, visitamos a Escola Estadual “Melquíades Vilar”, falando de Literatura, escrita e leitura com estudantes do ensino médio. Lá, recebemos um cordel das mãos de Elton, filho de Elton do Crepe e CIA. Nossos agradecimentos à Diretora Sônia e toda sua equipe pela calorosa recepção!

Esta escola, além de intensa participação nas avaliações oficiais externas – governos estadual e federal –, atualmente, tem alunas em intercâmbio no Canadá e prepara-se para outros concursos e provas como forma de crescer nos trabalhos educativos. A organização interna acontece por ruas nominadas a partir de artistas locais. Tudo para valorizar a riquíssima cultura de Taperoá.

À noite encerramos as atividades com uma pizza na casa POOPs: Adriana, Flaviana, Leonardo, Ivanir, Laila (4 anos), João Guilherme (6 meses) e eu.

Nosso último dia, 12/10, foi para descanso e preparação das fotos e vídeos que serão disponibilizados aos leitores e amigos, de Taperoá, especialmente, além de todos os que nos acompanharam, mesmo distantes geograficamente, mas que conosco estiveram na Paraíba: Ana Cristina e família, Beto, Caique,                    Maria Aparecida, Teresa e Anderson, Eluísa, Miriam Rangel, Nice e Elias, Sergio Diniz e nossas famílias – Cuitelos e Pintos.

Voltamos no sábado, 13/10, de Taperoá para João Pessoa e de lá para São Paulo.

Nossos agradecimentos aos amigos pelos inúmeros apoios e que mesmo à distância deram continuidade aos nossos trabalhos, possibilitando-nos uma viagem tranquila: Prof. Rogério Rocha, Prof. Estácio Roberto, Dr. Adair Antonio, Romir Ferraz e Leonel, nosso querido Deca.

Aos amigos e amigas taperoaenses, nossa gratidão pela acolhida! Que todos vocês se sintam homenageados, mesmo não sendo possível nomear cada um (embora a vontade em fazê-lo seja imensa). Saibam que já estamos programando nossa volta,  com um novo livro. Vocês nos inspiram!

* Texto de autoria do próprio escritor

ADRIANA DA ROCHA LEITE e ÉLCIO MÁRIO PINTO

Sorocaba, 21 de outubro de 2018.

        

        

        

        

        

 

        

Tags: