Élcio Mário Pinto: ‘Ir à escola ou estudar?’

13/03/2018 19:53

“Com classes cheias de crianças e adolescentes no período da vida que mais precisam de atenção personalizada, reuni-los num único espaço, por horas, é tão contrário ao estímulo que se deve receber para estudar, quanto queimar livros para defender uma pretensa superioridade cultural.”

 

E.E. Nova Itamarati – Ponta Porã (MS)

           Ir à escola e estudar podem ser tão diferentes entre si, que um acaba por excluir o outro. Eu explico!

          Com classes cheias de crianças e adolescentes no período da vida que mais precisam de atenção personalizada, reuni-los num único espaço, por horas, é tão contrário ao estímulo que se deve receber para estudar, quanto queimar livros para defender uma pretensa superioridade cultural. Eis, outra coisa que não existe!

            É preciso defender a frequência à escola, mas por falar nela, com o costumeiro tumulto e dadas as condições precárias, a começar pela estrutura física de proteção e estética de apresentação, sem materiais e tecnologia, sem acesso aos ambientes que circundam o espaço e sem desafios, sobra a repetição daquilo que já se construiu e produziu. Nada de novo pode-se ter quando a ordem é repetir, copiar e pensar do jeito que se pensava quando se descobriu alguma coisa na História da Humanidade.

           Apesar disso, existem pessoas que desafiam e inventam, criam e se sobressaem. Mas é claro! Sem essa gente, estaríamos repetindo os primeiros inventos de qualquer área com os mesmos pensamentos e leis determinando o que somos e do que gostamos, enfim, da vida que escolhemos em todos os seus aspectos, até nas cores das roupas e nas comidas consumidas.

            O pior mesmo acontece quando o estudante, longe da escola, em período de férias, final de semana, feriado prolongado ou qualquer pausa social, decide: quero ficar longe dos livros! Nada escreve, nada lê e executa sua decisão de livrar-se do conhecimento, do diálogo, das descobertas e dos desafios, sejam para a mente, sejam para a convivência.

           Quem não estuda fora da escola, também não estuda dentro dela.

           Nem é preciso dizer que nossa espécie tem a especialidade de enganar. Aprendemos desde cedo e até a nós mesmos nos enganamos! “Pode deixar que eu estudo depois”. Quem fala assim, sabe que está mentindo.

            É claro que o ideal é ir à escola e nela estudar, nela ler, escrever, desenhar, descobrir, propor ideias diferentes, enfrentar desafios para a convivência, pensar novas regras e novas descobertas. Escola deve ser sinônimo de aprender a estudar, encontrar caminhos novos para a escrita e para a leitura, para o cálculo e para os desenhos. Escola deve ser sinônimo de convivência melhor, nova sala, novas carteiras ou, sem elas. Em qualquer espaço pode-se fazer a escola que ensine a ser melhor por descobrir os segredos da língua materna, de outras línguas e da convivência em meio aos conflitos e discordâncias. Em tudo, a intolerância precisa ser reavaliada para que se descubra que a espécie humana não sobrevive sem a tolerância às diferenças numa convivência global.

            E agora, saio para caminhar e vejo jovens tão distante de livros e cadernos, pelas ruas, como estão dentro da escola. Será que você, leitor, acredita que quem joga em qualquer canto as anotações, reconhece nelas algum valor?

            Meu sonho de escola ainda é: que as famílias ofereçam ambientes de estudo, horários privilegiados de leitura e escrita, conversas sobre a Humanidade, sua vida, suas regras e suas escolhas. Enfim, afastando-se da televisão e do celular, vamos ouvir o que é que ele tem a nos dizer. Com a palavra, o estudante!

            Como é que você estuda?

ÉLCIO MÁRIO PINTO

elcioescritor@gmail.com

                                                                                                                                                                                                                  13/03/2018