Élcio Mário Pinto: ‘Autobiografia é só para quem pode?’

20/05/2018 16:51

“Discussões e opiniões à parte, o certo é que história de vida para contar, qualquer pessoa pode ter. Na verdade, todo mudo tem muito o que dizer do que viveu!”

 

Em minhas andanças e trabalhos literários, já ouvi dizer que a Bíblia cristã é a autobiografia de Deus. Se esta afirmação for aceita, então, quer dizer que o próprio Criador escreveu a seu respeito.

Discussões e opiniões à parte, o certo é que história de vida para contar, qualquer pessoa pode ter. Na verdade, todo mudo tem muito o que dizer do que viveu!

Lembro-me das crianças da família Rocha Leite, de Itapetininga, quando lancei o livro “A Fonte”, em Iguape, no ano de 2014, me dizendo:

– Agora, escreva sobre as crianças, tá?

Elas também diziam que tinham muito a contar para as pessoas.

Aí, passei por Blumenau e lá ouvi Célio dizer do pipoqueiro que trabalhava em frente à faculdade. O homem, conforme relatava meu amigo, era um poço de conhecimentos, de vivências e de sentimentos.

Pensando nessas histórias todas, eu também escrevi minha própria história. Fiz a autobiografia destacando os anos de vida como seminarista na então, Diocese de Sorocaba, hoje, Arquidiocese. E foi com esse material, em 850 páginas, que me apresentei à LINC – Lei de Incentivo à Cultura – da Secretaria Municipal de Cultura, Prefeitura de Sorocaba, para o ano de 2017.

Mais uma vez, à parte os conflitos envolvendo até uma decisão judicial que acabou alterando as datas previstas no edital, o processo todo retomou seu caminho, para nossa alegria. Mas, alegria que durou pouco!

Quando recebi a avaliação da equipe de peritos, o choque não podia ser maior e pior: a autobiografia foi reprovada! As pessoas especialistas alegaram muitas coisas, inclusive, que um trabalho assim, para ser publicado como livro, só poderia acontecer se a pessoa fosse famosa, o que não era o meu caso. Interessante destacar que de todas as pessoas entrevistadas para o conjunto do conteúdo que eu apresentava, somente o Prof. Aldo Vannucchi recebeu elogios das pessoas especialistas.

Como previa o edital, recorri e a decisão da comissão manteve a avaliação das especialistas em julgar. Nada mais me restava, a não ser socorrer-me com o Judiciário. Se o fizesse e ganhasse, mais uma vez, todo o processo da LINC seria travado com o agravante de que as verbas já estavam distribuídas. E eu, por não querer inimizade com ninguém, recuei.

Do que foi escrito pelas especialistas, uma coisa me atingiu: quer dizer então, que um pipoqueiro não pode escrever a autobiografia só porque não é pessoa de fama e renome?

Mas, eis que o ROL lança: “Os Melhores do Ano”. Um projeto de votação aberta para que as pessoas escolham os melhores em cada cidade. Em quais categorias? Em todas, é claro!

Quer dizer que gente sem fama e sem renome pode participar? Mas é claro! E pode ser escolhida! 

Estou feliz com o ROL e mais ainda com a autobiografia, que lançarei, como livro, em 01/09/2018, dia do meu aniversário, em Angatuba-SP, minha terra natal: “POR QUE NÃO FUI PADRE!” 

ÉLCIO MÁRIO PINTO

19-05-2018

Tags: