Célio Pezza: ‘Talos, um androide gigante da antiga Grécia’

20/06/2019 09:04

Celio Pezza

Crônica # 404: Talos, um androide gigante da antiga Grécia

De acordo com Adrienne Mayor, historiadora e pesquisadora de ciência  da Universidade de Stanford, o conceito de seres artificiais já aparecia na Grécia Antiga.

Há cerca de 3 mil anos atrás, as lendas gregas já falavam sobre criação de vida artificial e androides, conforme seu livro “Gods and Robots: Myths, Machines and Ancient Dreams of Technology” (Deuses e Robôs: Mitos, Máquinas e Antigos Sonhos de Tecnologia) e já eram mencionados pelos antigos poetas gregos Homero e Hesíodo, que viveram perto de 700 a.C.

Existia um gigante de bronze chamado Talos, construído por Hefesto, com a ajuda dos cíclopes, a pedido do deus Zeus. É interessante notar que Talos não foi criado pelos deuses mas sim construído, ou seja, era uma máquina. Hefesto era o deus da tecnologia e da inovação, e Talos foi fabricado e ganhou vida através da tecnologia e não por uma ordem divina. Ele tinha uma única veia que descia de seu pescoço até seus tornozelos, por onde corria seu fluido vital. Em cada tornozelo existia um cravo parafusado para evitar que esse fluido vazasse, fazendo com ele morresse ou fosse desativado.

Existem várias representações de Talos nas antigas moedas e pinturas gregas da época. O gigante foi dado por Zeus para sua amante Europa, filha do rei da Fenícia, para sua proteção,  quando ela foi raptada por ele e deixada na ilha de Creta, a maior ilha da Grécia. Mais tarde, ela deu o gigante para Minos, o rei da ilha, para que ele protegesse toda a ilha.

De acordo com Platão, o gigante percorria a ilha três vezes ao dia, o que significa que Talos era muito grande ou que podia voar. Algumas das antigas moedas mostram Talos com asas. Quando qualquer navio inimigo se aproximava da ilha, ele jogava pedras imensas, fazendo com que afundassem. Caso algum sobrevivente conseguisse chegar até a ilha, Talos se superaquecia, a ponto de matar os invasores à distância. Ele protegeu a ilha por muitos anos, até que foi derrotado por Jason e os argonautas, com a ajuda da feiticeira Medéia. Ela, com seus feitiços, conseguiu remover os cravos do tornozelo, fazendo com que o líquido vital se esvaísse e ele desmoronasse sem vida.

Supondo que esses relatos fossem baseados na realidade, o que era Talos? Um androide gigante criado mecanicamente por alguém muito superior, um extraterrestre? E o que dizer da veia que percorria seu corpo? Qual seria esse fluído vital? Por enquanto as perguntas ficam sem respostas, mas Talos continua sendo um personagem fascinante da antiga história grega.

 

Célio Pezza

celiopezza@yahoo.com.br       

junho, 2019

Tags: