Célio Pezza: ‘Queima de fogos’

12/01/2020 08:43

Celio Pezza

Crônica # 417: ‘Queima de fogos’

A queima de fogos de artifício em épocas festivas é costume tradicional em muitos países. Essa prática foi levada para a Europa pelos árabes, sendo utilizada na Itália no final de século XIV, em festividades cívicas e religiosas. A virada do ano é a época em que mais se vê essa prática pelo mundo e, infelizmente quase todos se esquecem do enorme malefício causado pelos fogos. Além do barulho, o alto nível de poluentes jogado nos ares, refletem o nível da ignorância humana. Os efeitos nocivos aos animais silvestres e domésticos são imensos; o barulho e o clarão dos fogos, desencadeia estresse, aumento da frequência cardíaca, alterações no metabolismo, medo, pânico, agressividade, diarreia, sintomas estes que duram vários dias após a soltura dos fogos. No caso de pássaros, estes costumam abandonar seus ninhos desorientados, em revoadas e, muitas vezes, em estado de pânico, voam para longas distâncias e nem sempre conseguem voltar ao seu local de origem. No ser humano, é comum vermos todos os anos, queimaduras graves e amputação de membros pelos fogos. Na Índia, onde a queima de fogos acontece com grande frequência, existe uma publicação da revista Nature que aponta em Nova Delhi, um aumento significativo da emissão de ozônio, poluente atmosférico, durante a queima de fogos. A Índia, que respira um dos mais tóxicos ares do mundo, comemora o festival das luzes Diwali, onde durante uma semana inteira, são queimados milhões de fogos de artifício, mas as autoridades se recusam a proibir a venda de artigos pirotécnicos em nome de uma tradição. Na Alemanha, a Agência Alemã do Meio Ambiente, apelou para que as pessoas não usem fogos de artifício. Segundo essa agência, cerca de 5 mil toneladas de materiais particulados, são liberados na atmosfera na noite de Ano Novo em toda a Alemanha. Isso corresponde a mais de 15% do que é produzido anualmente por todo o trânsito rodoviário. Na Austrália, onde está ocorrendo o pior incêndio de sua história, o povo fez uma petição para que Sidney cancelasse seu famoso show da virada do Ano e usasse esse dinheiro no combate aos incêndios mas as autoridades disseram que a tradicional festa será mantida, pois já foram investidos US$ 4,5 milhões nessa festa e o cancelamento arruinaria os planos de milhares de turistas que já agendaram voos, hotéis e restaurantes para essa data, fora o pagamento de direitos de transmissão do evento.. Como sempre, a ganância e a estupidez estão acima do bem-estar da população. Curioso é que muitos dos que assistem a esses shows de poluição e defendem o direito de continuar essa barbaridade em nome da tradição, aparecem depois, como grandes defensores do meio ambiente. Num mundo mais evoluído, certamente a queima de fogos de artificio, mesmo sem barulho, já estaria banida, não por lei, mas por conscientização.

 

Célio Pezza          celiopezza@yahoo.com.br       janeiro, 2020

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Tags: