Célio Pezza: ‘Coruja, um símbolo antigo’

01/02/2019 08:31

Célio Pezza: Crônica # 395: ‘Coruja, um símbolo antigo’

A coruja é a rainha da noite. Ela significa mistério, sabedoria e conhecimento. Ela enxerga na escuridão, vendo o que os outros não conseguem ver.”

A coruja é a rainha da noite. Ela significa mistério, sabedoria e conhecimento. Ela enxerga na escuridão, vendo o que os outros não conseguem ver.

Os gregos consideravam a noite como a hora propícia ao pensamento filosófico e, para inúmeras escolas de mistérios, era a hora para a busca do conhecimento. Daí muitas escolas adotarem a coruja como um de seus símbolos.

No Xamanismo, ela está associada à transformação; no Ocultismo e na Magia, como símbolo das ciências ocultas e da prática mágica; na mitologia grega, Atena, que correspondia à deusa Minerva entre os romanos, é a deusa da sabedoria e da guerra e tinha uma coruja de estimação, que lhe revelava segredos ocultos; os índios americanos dizem que a coruja mora no Leste, lugar de iluminação, e é um dos maiores animais de poder; na Roma Antiga, era temida, e o seu pio era prenúncio de morte; na Europa medieval, as corujas estavam associadas às bruxas e práticas de magia.

A busca da sabedoria foi a essência de uma antiga seita de mistérios, onde seus Noviciados passavam a Minervais; o símbolo era uma coruja segurando um livro aberto com quatro letras: P.M.C.V. que significa Per Me Caeci Vident (através de mim, o cego verá). Mais tarde, quando alcançavam uma categoria mais elevada, eram considerados um Minerval Superior ou um Illuminatus, e recebiam um código que dizia: Conhece a ti mesmo. Conheça os outros.

Essa Academia Minerval deu origem à Ordem Bávara dos Illuminatis do século XVIII, com uma estrita orientação: Seja o que for, faça com cautela, e esteja atento ao fim. Nos dias atuais, existe nos EUA, um clube muito fechado, criado em 1872, chamado Bohemian Club, que tem como um de seus símbolos a coruja de Atena ou Minerva e seus membros, somente homens, seguem a antiga filosofia dos minervais. Esse clube de elite possui, no norte da  Califórnia, um clube de campo com 1.100 ha, chamado Bohemian Grove, onde, uma vez por ano, centenas de seus membros se reúnem, sob um forte esquema de segurança e sigilo, por duas semanas, para uma série de atividades, completamente fora da mídia. Lá existe uma coruja de concreto e aço com 12 metros de altura, onde acontece um ritual chamado “Queima das Preocupações”, quando seus membros, segurando tochas e vestidos com togas, colocam fogo em uma efígie coberta com um manto. Fazem parte desse clube ex-presidentes, senadores, barões do petróleo, centenas dos maiores doadores do Partido Republicano, diretores de grandes empresas e algumas celebridades. Para se ter ideia da importância desse acampamento, acredita-se que o Projeto Manhattan, que criou a bomba atômica, teve origem na reunião de 1942.

 

Célio Pezza – celiopezza@yahoo.com.br – janeiro, 2019

 

Tags: