Célio Pezza: ‘Codex Gigas’

31/01/2020 09:28

Celio Pezza

Crônica#418: Codex Gigas

Codex Gigas

A Idade Média é um período rico em mitos e escritos misteriosos. Um deles, o Codex Gigas (Manuscrito Gigante), é o maior manuscrito medieval do mundo, com capas de madeira, revestidas de couro e ornada com motivos metálicos. Tem 92 cm de altura, 50 cm de largura e 22 cm de espessura. Atualmente tem 310 folhas, mas há indícios de que algumas foram retiradas da versão original. Pesa 75 kg e é feito de folhas de velino, uma espécie de pergaminho feito a partir de pele de bezerro. Todo escrito em latim, o Codex inclui a versão Vulgata (vulgar) latina da Bíblia, exceto para o Livro de Atos e Apocalipse. Também estão incluídos os textos Etymologiae (As Origens), de Isidoro de Sevilha, Guerras dos Judeus de Flávio Josefo, Crônicas dos Boêmios de Cosme de Praga e alguns pequenos textos sobre medicina, orações, exorcismos e rituais satânicos. Segundo uma lenda, perto do ano de 1200, um monge beneditino, escriba de um mosteiro perto de Chrudim, na Boêmia, hoje República Checa, quebrou seus votos e foi condenado à morte. A fim de evitar a punição, ele se propôs a escrever todo o livro em apenas uma noite, o que foi aceito pelos juízes. Chegando perto da meia noite, ele viu que seria impossível e orou ao Diabo pedindo sua ajuda a troco de sua alma. O Diabo o atendeu e o monge em agradecimento, colocou em uma das páginas, a imagem do demônio que lhe ajudou. Devido a essa lenda, o Codex Gigas passou a ser conhecido como a Bíblia do Diabo. Inúmeros historiadores apoiam a teoria de que a punição do monge foi a clausura até terminar o livro, coisa que alguns estimam ter demorado perto de 20 anos. Apesar dessa lenda, o Codex não foi proibido pela Inquisição e foi analisado por muitos estudiosos ao longo dos tempos. Existem alguns mistérios ainda não resolvidos nesse livro, como o uso da mesma tinta em todas as páginas, pois era habitual mudar a tinta com o passar das semanas. Outro mistério é a excelente escrita, sem os erros comuns nos livros da época e com exatamente a mesma caligrafia, como se realmente tivesse sido escrita sem parar. Atualmente a Bíblia do Diabo encontra-se na Biblioteca Nacional de Estocolmo na Suécia e é considerada amaldiçoada.

 

Célio Pezza          celiopezza@yahoo.com.br       janeiro, 2020