Carlos Carvalho Cavalheiro: ‘Promessa para chover’

25/02/2019 13:06

‘Promessa para chover!’ é daquelas peças que não devem nada a qualquer outra com a mesma proposta. Aliás, a peça é produto para ‘exportação’: deve ser vista em outras paragens, certamente.”

Um dos indicadores do grau de civilização da Antiguidade Clássica, ou seja, de Grécia e Roma antigas, era a presença na face urbana dos teatros. Obviamente que diversos outros povos desenvolveram as artes cênicas, sejam em cerimônias (às vezes de cunho religioso), sejam como entretenimento e arte. No entanto, o mundo ocidental bebeu dessa fonte como influência para a criação do paradigma de estruturação do teatro como arte.

De certa forma, a presença de grupos teatrais – e, por vezes, de prédios dedicados ao teatro – em uma cidade traz a agradável impressão de que naquele lugar a cultura ainda prospera. Não deixa de dar a mesma impressão que aos antigos de que onde existe o teatro há “civilização”. Não no sentido preconceituoso da palavra, dividindo pessoas e grupos sociais, mas apontando para o esmero e cuidado com coisas nobres.

Por isso o contentamento com o qual pude apreciar a encenação no último sábado da peça “Promessa para chover!”, do Grupo Ararapuca. Exibida na Estação das Artes, a peça tem sua ação focada na Vila de Araritaguaba, no ano de 1792. O ápice da história se dá quando um padre, representando a religião oficial, se depara com uma benzedeira, esta representando o catolicismo popular, alternativo e miscigenado. Ambos estão preocupados com a estiagem que se prolonga e castiga o povoado, mas a solução apresentada pela benzedeira – de realizar uma procissão e banhar a imagem de Santo Antônio nas águas do Rio Tietê para obter do santo o milagre da chuva – causa repugnância do padre que vê nisso prática de feitiçaria e superstição.

Lembra um pouco o “Pagador de Promessas”, de Dias Gomes, mas só nesse ponto do embate entre duas visões religiosas. A peça é original e apresenta de forma bastante eloquente as tradições e o jeito de ser do paulista interiorano. É importante destacar isso, porque dentro dos regionalismos, o paulista é o que menos espaço angariou nas expressões artísticas. O sotaque, as expressões, o jeito de ser do paulista estão ali presentes.

O cenário e o texto estão impecáveis e tem mesmo o sabor natural, sem nenhum artificialismo, do nosso interior. A iluminação valoriza ainda mais as cenas que se desenrolam no palco e complementam, assim, o texto.

Não foram poucas as vezes em que assisti a peças teatrais produzidas nas cidades interioranas de São Paulo. Especialmente em concursos e outros certames como o Mapa Cultural Paulista e o Curta Teatro, realizado no SESI Sorocaba. “Promessa para chover!” é daquelas peças que não devem nada a qualquer outra com a mesma proposta. Aliás, a peça é produto para “exportação”: deve ser vista em outras paragens, certamente.

A oportunidade de se inserir no Mapa Cultural Paulista, cuja inscrição está aberta, não deve ser dispensada. Engrandecerá muito o nome de Porto Feliz se a peça tiver a oportunidade de participar desse evento e, desse modo, alcançar outros palcos.

Com elenco primoroso, a peça conta com os atores Évora Reis Wyatt, Felipe Oliveira, Elineu Tomé, Alison Souto, Rosana Diniz, Ivan Marcon, Márcia Paschoal e João Brusco. A direção é de Gilson Geraldo, com texto de Ivan Marcon e Elineu Tomé. Precisa dizer mais?

Se existissem mais iniciativas como essa do Grupo Ararapuca…, Araritaguaba seria uma potência! Quem assistiu, entenderá.

 

Carlos Carvalho Cavalheiro – carlosccavalheiro@gmail.com

19.02.2019

Tags: