Arvelos Vieira: ‘As mulheres no domínio de tudo’

15/06/2019 11:55

Arvelos Vieira

As mulheres no domínio de tudo

Imagem extraída da internet

“Ao lado de um grande homem sempre existe uma grande mulher!” – frase essa que praticamente já o perdeu seu sentido, pois a mulher, não se contentando, há muito vem tomando a iniciativa de sair na frente. Está mostrando que é maior ainda, deixando o homem para trás …

Agora, na história da aviação, MULHERES no comando de BOEING’s de escala internacional. Não tem mais o que elas não façam.

Os homens realmente estão perdendo cada vez mais espaço em todos os setores profissionais, sociais e empresariais para as mulheres. Elas vem demonstrando eficiência em tudo que se habilitam a fazer e que para elas não existem tempos ruins ou difíceis.

Depois de muito tempo submissas a frase que diz: “Ao lado de um grande homem sempre existe uma grande mulher!”, elas resolveram sair dessa condição de coadjuvante e mostrar que na verdade elas o verdadeiro “sucesso”, e para brilharem não precisam mais do homem para absolutamente mais nada.

Mais recente, no futebol elas ganharam notoriedade e respeito no mundo machista do futebol, com a realização da PRIMEIRA COPA DO MUNDO DE FUTEBOL FEMININO a ser prestigiada e valorizada pela mídia televisiva mundial. Hoje são mais de um bilhões de telespectadores assistindo a Copa Feminina.

O presidente da CBF – Confederação Brasileira de Futebol, anunciou na semana passada que para o próximo ano será instituído o CAMPEONATO BRASILEIRO DE FUTEBOL FEMININO, nos moldes do masculino. Acredito que todos os clubes que disputarem as principais divisões dessa modalidade, terão representantes do futebol feminino.

São as mulheres se impondo e sendo valorizadas cada vez mais, respeitadas pelas suas habilidades e competências.

Só lamento que para cada profissional cônscios e coesas de suas responsabilidades, geralmente estão sendo uma mãe a menos dentro do lar, para a educação integral dos seus filhos, como fora no passado, pois, queiram ou não, a referência maior da criança dentro de um lar é a figura da mãe, vez que o pai, numa visão grotesca, sempre fora um visitante em casa (Aquele que sai de manhã e geralmente só volta no anoitecer!), servindo apenas para impor medo quando a mãe dizia – “Vou contar para o eu pai quando ele chegar!”

Nos dias de hoje, com o casal trabalhando fora e os filhos, pela força das circunstâncias, criados em escolas de tempo integral ou nas mãos de babás, por mais cuidados e carinho que eles recebam, nunca será a mesma coisa de estar convivendo com o amor incondicional e da repreensão carinhosa da mãe, orientando o tempo todo sobre o certo e o errado.

Mas não dá para “chupar cana e assoviar ao mesmo tempo”.

No mundo moderno e de uma sociedade consumista e eivada de ansiedade, não tem como ser diferente. Hoje a mulher se mostra competente em tudo, seja na vida empresarial, profissional liberal e no futebol; atrás de um volante de caminhão, de transporte coletivo, de táxi ou de uma locomotiva ferroviária; com uma arma na cintura, dentro fardas, seja nas polícias ou nas unidades militares (Exército, Marinha e Aeronáutica); decidindo vidas, seja na medicina, na construção civil ou nos fóruns e até mesmo na “porrada”, sobre os ringues de luta livre.

A mulher se mostra tão independente que cada vez mais tem descartado os homens como parceiros sexuais, trocando-os por também mulheres, certamente por estar entendendo que elas são mulher em tudo.

Até para ter filhos elas buscam em laboratórios a “produção independente”. Quanto à necessidade de ser buscado o “prazer” ao lado homem, isso se faz cada vez mais obsoleto, pois, “potência peniana”, a mulher encontra no mercado diversificado e cada vez mais atraente do “sex-shop”, de todo tamanho, calibre, cor e sabor, com uma vantagem sobre o homem; acabou de usar é só lavar e guardar na gaveta ou transportar na bolsa para uso quando der vontade. Esse dispositivo não “ronca”, não urina na tampa do vaso sanitário e não “nega fogo” todas as vezes que solicitado, e mais; é prático, fácil de manusear, de transportar por ser portátil e, no primeiro sinal de fraquejar (“brochar”, no popular!), com apenas duas pilhas comuns ele recupera no ato toda sua potencialidade. Para completar, para quem ainda vive a ilusão do “Enquanto existir língua e dedo o sexo não mete medo”, aviso aos navegantes que já existem “línguas” também movidas a “pilhas” e muitos ágeis que não se cansam nunca, logo …

Quanto aos homens sendo trocados por mulheres, não está lhes restando triste opção senão consolarem-se com outros homens, o que vem acontecendo de forma crescente e assustadora.

E assim estamos vivendo numa sociedade destrambelhada de “mulheres cada vez mais atrás de mulheres”, “homens se ajeitando com homens” e crianças sendo criadas em confinamento como “frangos de granja”, sem nenhum conhecimento prático, simples e amoroso, então somente técnico, eletrônico, tendencioso e doutrinado pelas “maravilhas da eletrônica!”

Minha geração que já está sucumbindo dia a dia, se despede dessa vida com a felicidade de ter vivido no “tempo das carruagens”, ao lado do “papai e mamãe” (no sentido ambíguo da palavra!) e de ter podido pedir “bênçãos” a eles todas as horas, de ter vivido a simplicidade da vida como autênticos “frangos caipiras”, ciscando de pés descalços num chão geralmente acidentado e comumente com o topo do dedo levantado após uma topada, sempre sendo cortado, curado e enfaixado pelas mãos divinas, hábeis e carinhosas de uma mãe onipresente. TEMPO BÃO, QUE NÃO VOLTA MAIS!”

OBS:- Não me coloco como machista e muito menos faço críticas à atuação das mulheres nesses tempos modernos, reconhecendo a necessidade de ter de ser assim. Retrato o assunto de uma forma abrangente, ressaltando sempre que a unanimidade não existe e jamais existirá, prevalecendo exceções. Apenas faço um comparativo da vida do momento e de 40, 50 anos atrás e muito mais, lamentando assistir um progresso, uma modernidade desenfreada, descendo ladeira abaixo, sucumbindo como um tsunami a raça humana, seus sonhos, sua doçura e generosidade, “chipando” de todos a racionalidade mais pura e comezinha da vida que é o calor humano, o amor, a generosidade e a simplicidade de ter uma mãe e um pai por perto! …

Arvelos Vieira

arvelosvieiraneto@gmail.com

 

Tags: