Antônio Fernandes do Rêgo: ‘Mar à vista’

17/11/2020 10:48

Antônio Fernandes do Rêgo

Mar à vista

Mô, vamos ver o mar!

Antes que chegue o amanhã,

Antes que venham as cãs,

As gaivotas estão lá.

 

Em parapentes voar

Suspensos nossos sonhos,

Ao sol dos dias risonhos,

Jogando as pernas pro ar.

 

Mô, vamos ver o mar!

Nós de emoções corados,

Sem nós, sem cadeados,

E do afã nos libertar.

 

Seremos ali, decerto,

Mais um tenro casal

Amantes da vida real,

A fitar o mar aberto.

 

Namorados solitários

Tendo à frente o atalaia,

O fanal aquém da praia,

Sem vê horas, sem calendários.

 

Mô, vamos ver o mar!

Traga o teu o talismã,

Lá, dizem que há Iansã

E Princesa de Aiocá.

 

Insista! Há que sonhar,

Fazer nossos segundos,

Lá fora é tão belo o mundo,

Jogue os problemas pro ar.

 

Mô, vamos ver o mar!

Viver cada minuto

No nosso poema enxuto,

As gaivotas estão lá.

 

Antônio Fernandes do Rêgo

aferego@yahoo.com.br

 

 

 

 

Tags: