Andrade Jorge: ‘Deixa’

17/05/2018 02:00

“Deixa meu verso/ versejar em sua rua,/ deixa o sinal verde/ pra minha poesia/ grafitar amor/ em tua porta,/ deixa minha rima/ envolver-te feito doce invasor…”

 

DEIXA

Deixa meu verso

versejar em sua rua,

deixa o sinal verde

pra minha poesia

grafitar amor

em tua porta,

deixa minha rima

envolver-te feito doce invasor,

voe livre nas palavras

se tens dor

a letra seja o bálsamo que ameniza

e conforta;

Deixa meu verso

ser teu anjo, estrela

deixa pra la o feio e o perverso

meu poema quer tê-la.

Andrade Jorge – andradejorge2@gmail.com

16/08/2017

Tags: