21/08/2019 18:14

Pedro Israel Novaes de Almeida

DISPUTAS NO TRÃNSITO

Multiplicam-se, Brasil afora, os acidentes envolvendo motocicletas, a maioria deles com graves sequelas e, não raro, mortes. Nos rincões, sequer a obrigatoriedade de uso de capacete é obedecida, sendo comum a visão de famílias inteiras no mesmo veículo.

Nas maiores cidades, a legislação costuma ser mais cumprida, mercê da maior efetividade da fiscalização. Em tempos de crise, as motos surgiram como fatores de inclusão social e profissional, alastrando-se por todo o território nacional.

Em propriedades rurais, já possuem inúmeras funções, no transporte de cargas e manejo do gado. Econômicas e com aquisição facilitada, as motos são utilizadas, na maioria das cidades do interior, como moto-táxis, aberração que contraria até o mais rústico dos manuais de segurança viária. Se o motorista for gordo, ou o carona tiver braço curto, restar-lhe-á orar, com muita fé, para que nenhum acidente aconteça.Como a velocidade é determinante do lucro do motoqueiro, hordas do veículo serpenteiam perigosamente em nossas vias, conduzindo cargas ou pessoas. Em capitais e grandes cidades, o transporte de passageiros costuma ser vedado.Bicicletas, patinetes, patins e assemelhados vão, aos poucos, reduzindo os espaços originalmente destinados aos pedestres.

Prefeituras fazem verdadeiros contorcionismos jurídicos para tentar mediar os conflitos entre as diversas modalidades de locomoção. Por tradição e solidariedade, a preferência deve ser, sempre, reservada ao pedestre, que já vem sendo forçado a caminhar em fila indiana, por nossas calçadas. Nossas cidades foram planejadas para veículos motorizados de quatro rodas e pedestres, e qualquer modificação, para englobar outros meios de locomoção, é traumática, embora necessária.

Por enquanto, vamos convivendo com ciclovias descontínuas e calçadas encurtadas, onde patinetes e patins são encarados como brinquedos, e bicicletas como avisos de que são sete da manhã ou dezessete horas da tarde, horários de entrada e saída dos funcionários da construção civil.

Tags: