Genealogia: Afrânio Mello atende leitora e fornece informações sobre as familias CARVALHO, FERREIRA e VILLAÇA.

05/12/2017 12:09

Afrânio Franco de Oliveira Mello: ATENDIMENTOS NÚMEROS 936,937,938 

Fran, bom dia.

Atendendo sua solicitação, encaminho :

CARVALHO…………….. 22 páginas e 5 cinco brasões e mais 6 brasões em separado para confecção de quadros ;

FERREIRA………………. 19 páginas e 2 brasões e mais 2 brasões em separado ;

VILLAÇA…………………   5 páginas e 2 brasões e mais  2 brasões em separado.

Abaixo um resumo extraídos dos arquivos principais de cada sobrenome.

Você tem um bom material para suas pesquisas.

Espero que tenha sucess.

Abraços
Afrânio Franco de Oliveira Mello
afraniomello@itapetininga.com.br

Rol-Região On Line
“Estas informações estão sendo fornecidas gratuitamente
e serão publicadas na edição virtual do Jornal ROL – Região
On Line (www.jornalrol.com.br).A não concordância com essa
publicação deve ser informada imediatamente “.

Carvalho

sobrenome de origem portuguesa.  Apelido de raízes toponímicas, foi extraído da vila da mesma designação, na diocese de Coimbra, e adotado por Gomes de Carvalho, que viveu em meados do séc. XIII, e que foi pai de Fernão Gomes de Carvalho.

 

Usava este último por armas em inícios do séc. XIV um escudo carregado por uma caderna de crescentes.

No séc. XVI, de acordo com o Livro do Armeiro-Mor e o “da Nobreza e Perfeição das Armas”, usavam as armas que aqui se descrevem.

A origem geográfica, foi tomada ao antigo morgado de Carvalho, em terras de Coimbra, Portugal. De carvalho, do latim quercus – árvore, planta (Anuário Genealógico Latino, IV, 19). A antigüidade desta família pode ser constatada em uma doação feita ao mosteiro de Lorvão em 1131, assinada por Pelagius Carvalis, senhor de toda a terra em que hoje está o morgado de Carvalho, instituído por seu neto D. Bartolomeu Domingues. Deste morgado foi administrador Sebastião José de Carvalho e Melo, primeiro marquês de Pombal, por eleição do Senado da cidade de Coimbra (Antenor Nascentes, II, 66; Anuário Genealógico Latino, I, 25; SB, II, 43). Portugal: Felgueiras Gayo, principia esta genealogia no citado Pelagius Carvalis [ou Payo de Carvalho], que foi o primeiro com este sobrenome, Fidalgo ilustre do tempo de Dom Afonso Henriques, rei de Portugal em 1128, com quem confirmou o foral da Vila de Cea em 1136. Filho de Moninho Moniz, Padroeiro do Mosteiro de Arnoia, neto de D. Garcia Moniz, Padroeiro de Travanca, bisneto de D. Moninho Viegas e terceiro neto de D. Gonçalo Moniz, Gov. d’Entre Douro e Minho (Gayo, Carvalhos, Tomo IX, Título, 80). Ilha da Madeira: o genealogista Henrique Henriques de Noronha , em sua importante obra Nobiliário Genealógico das Famílias da Ilha da Madeira, composta em 1700, dedicou-se ao estudo desta família [Henriques de Noronha – Nobiliário da Ilha da Madeira, Tomo II, 218, 223, 227]. Brasil: Numerosas foram as famílias, que passaram com este sobrenome para diversas partes do Brasil, em várias ocasiões. Não se pode considerar que todos os Carvalhos existentes no Brasil, mesmo procedentes de Portugal, sejam parentes, porque são inúmeras as famílias que adotaram este sobrenome pela simples razão de ser de origem geográfica, ou seja, tirado do lugar de Carvalho. O mesmo se aplica no campo da heráldica. Jamais se pode considerar que uma Carta de Brasão de Armas de um antigo Carvalho, se estenda a todos aqueles que apresentam este mesmo sobrenome, porque não possuem a mesma origem. No Rio de Janeiro, entre as mais antigas, encontra-se a família de Francisco de Carvalho[c.1590 – ?], filho de João de Carvalho [de Lisboa], que deixou descendência, a partir de 1622, com Maria Gracia (Rheingantz, I, 315). Rheingantz registra mais 39 famílias com este sobrenome, nos sécs. XVI e XVII, que deixaram numerosa descendência no Rio de Janeiro. No Acre, cabe registrar Antônio Escolástico de Carvalho, listado entre os primeiros povoadores nas margens do rio Acre, por volta de 1878. Em 1882, estava estabelecido em Antimari (Castelo Branco, Acreania, 183). No Maranhão, entre outras, registra-se a família de Antônio de Carvalho Pinto e Souza, natural de Portugal, filho de Manuel de Souza Corrêa e de Felipa Maria Osório. Deixou numerosa descendência do seu cas., no Maranhão, com Lourença Maria Cantanhede, filha de José Cantanhede e de Francisca Teresa de Abreu – da importante família Cantanhede (v.s.), do Maranhão. Entre os descendentes do casal, registra-se: I – o filho, Francisco Joaquim de Carvalho, patriarca da família Galvão de Carvalho (v.s.), do Maranhão; II – o filho, Tenente Raimundo Alexandre de Carvalho, patriarca de um dos ramos da família Baima de Carvalho (v.s.), do Maranhão; III – o filho, Major Antônio Lourenço de Carvalho, patriarca de um dos ramos da família Baima de Carvalho (v.s.), do Maranhão; IV – a filha, Ana Rosa de Carvalho, que foi patriarca da importante família Leal (v.s.) e Carvalho Leal (v.s.), do Maranhão; V – a filha, Inês Raimunda de Carvalho, que por seu casamento foi a matriarca da família Carvalho Leal (v.s.), do Maranhão; VI – a filha, Maria Rosa de Carvalho, que por seu casamento tornou-se a matriarca da família Carvalho Reis (v.s.), do Maranhão; VI – o neto, Dr. Ricardo Ernesto Ferreira de Carvalho, natural do Maranhão.

===================================================================

Ferreira

sobrenome de origem portuguesa. Sobrenome de raízes caracteristicamente toponímicas, teve a sua origem, segundo alguns autores, na designação da vila de Ferrera, em Castela, hoje Herrera de Rupisverga, havendo outros que a dão numa das várias vilas portuguesas com o mesmo nome, significaria “lugar onde há ferro ou jazida de ferro” Terá sido o fundador desta família em Portugal, Dom Fernando Álvares Ferreira, senhor do paço de Ferreira, na freguesia de Sâo João de Eiris, comarca de Aguiar de Sousa, rico-homem de Dom Sancho I segundo Rei de Portugal, no final do século XII.  Outros genealogistas dão crédito a Rui Pires, um dos fidalgos que vieram a este reino com a rainha Dona Tareja, foi o primeiro que se chamou de Ferreira, tomando o nome da ” Ferreira de Alves “, de quem foi senhor, e é considerado como sendo o solar da família.

Em Portugal sobrenome tomado do lugar de Ferreira, na Freg.ª de S. João de Eyris, Concelho de Aguiar, comarca do Porto, Prov. do Minho, Portugal (Sanches Baena, II, 68). Do latim ferraria, mina de ferro (Antenor Nascentes, II, 111). Portugal: O primeiro que usou este sobrenome foi Rio Pires, que o tomou da localidade de Ferreira de Aves, de que era senhor e onde fundou o solar da família. Era bisneto de Fernão Jeremias, um dos fidalgos que passaram de Castela a Portugal em 1095, acompanhando D. Teresa, mulher do conde D. Henrique de Borgonha (Anuário Genealógico Latino, I, 43). Felgueiras Gayo, no século XIX, informa que no Concelho de Aguiar se achava o Couto de Ferreira, o Vale de Ferreira, o Rio de Ferreira e o Chão de Ferreira, e que tudo foi motivo de originar esta família. Gayo registra o cavaleiro Martim Ferreira de Oliveira Barros, proprietário da Quinta de Vila Verde, cabeça do Morgado por ele instituído, situada junto do Rio de Ferreira de S. João de Eyris. O mesmo Martim Ferreira, dalí passou para o Casal de Cavaleiros, propriedade da família, já naquele tempo. A Vila e Couto de Ferreira, recebeu foral em 1222, o que o leva a crer que dela deve ter se originado a família. Sua genealogia, traçada com maior segurança, é principiada por Gayo, em D. Álvaro Ferreira, Rico-Homem do reino de Leão, que deve ter vivido pelos anos de 1170. Foi Sr. de Meilas, depois Mancilhe de la Serra, em Castela a Velha, e Senhor da Vila de Ferreira, de onde certamente tomou o sobrenome da família. Foram avós de Pedro Ferreira, sucessor na casa de seu pai, que, juntamente com sua esposa, D. Maria Vaz, deu o foral à vila de Ferreira no ano de 1222, que ele fundou, e povoou dando-lhe por nome o do seu sobrenome em memória do seu antigo Solar, nas Astúrias, em Santilhana (Espanha). Edificou, na mesma vila de Ferreira, um Mosteiro dedicado a São Pedro, para os Cavaleiros Templários (Gayo, Ferreira, Título e § 1.). Deste último casal, foi quinto neto Ayres Ferreira, Escudeiro do Infante D. Henrique, patriarca desta família Ferreira, na Ilha da Madeira, para onde passou no tempo do seu descobrimento, em 1419. Do seu casamento, entre outros, foi seu quarto neto, Antônio Teixeira de Mello, que passou ao Maranhão, conforme se vê abaixo. Ilha da Graciosa: sobre a história desta família e sua passagem pela Ilha Graciosa, escreveu, no ano de 1717, o padre Antonio Cordeiro, em sua História Insulana das Ilhas a Portugal Sugeytas, Livro VII – Das Ilhas de S. Jorge, e Graciosa, Capítulo IX – Dos outros Capitães Donatarios da Graciosa, & dos Ferreyras, & Mellos que da Graciosa passaram à Terceyra, & de seus Regios troncos, & Ascendentes[Antonio Cordeiro – História Insulana, Livro VII, Ilha da Graciosa].

===================================================================

Vilaça, Villaça, Villacis 

sobrenomes de origem galega. Vem dos “Villacis” da galícia espanhola por parte de Hernande de Villacis, fidalgo-homem que passou à Sevilha, ainda em Espanha e que posteriormente, passou a Portugal e se fixou no Minho e mais tarde na Beira. De ilustre geração houve Afonso Rodrigues de VILAÇA, já adotado como sobrenome a forma portuguesa, e que foi comandante de tropas ao lado do príncipe Dom João nas batalhas contra o rei Dom Fernando de Castela.

Por inúmeros serviços prestados, ao rei, pela bravura que demonstrou na batalha de Toro, Dom Afonso V, rei de Portugal “reconheceu o seu muito valor com grandes honras e mercês, que lhe concedeu, das quais foi o principal a de o fazer fidalgo de sua casa,” concedendo-lhe o brasão de armas 2m 20-IV-1476. As duas grafias se refere a mesma família que usam o mesmo brasão de armas. O primeiro brasão é de origem portuguesa e o segundo de origem espanhola, onde  a família Villacis também o adotou.

Família de origem galega, que tomou parte na conquista de Baeza. Em Espanha o apelido é Villacis. Existe descendência no Minho, de onde passou à Beira. Consultando antigos documentos, podemos dizer que esta família é uma das mais antigas e honradas da história de Portugal. VILLACIS é o 5190º apelido mais comum da Espanha, em todo o território espanhol nós encontramos que há registrado cerca de  812 pesoas com VILLACIS como primeiro apelido, 773 com VILLACIS como segundo apelido e um total de 16 com VILLACIS em ambos apelidos.

===================================================================

 

From: Fran Vilaça

Sent: Tuesday, November 28, 2017 3:00 PM

To: afranio@tintaspig.com.br

Subject: FAMÍLIA VILAÇA

 

Olá minha família é do maranhão

Meu avó era Francisco Ferreira Vilaça

Minha mão   Raimunda  Vilaça Carvalho

filhos

Maria das Dores Vilaça Carvalho, Camélia Vilaça Carvalho, José Ribamar Vilaça Carvalho,

Maria Júlia Vilaça Carvalho , Francisca Vilaça Carvalho

 

 

 

 

Excelente oportunidade , aguardo seu retorno para maiores informações!

FRAN VILAÇA

CONSULTORA IMOBILIÁRIA 

CRECI 51815

IMÓVEIS RESIDENCIAIS

INDICAÇÃO PARA FINANCIAMENTO BANCÁRIO

COMERCIAIS,(PRONTOS e LANÇAMENTOS)

 

21 964977896
21 997788859

franvilaca@gmail.com